Aplicação do flunixin meglumine antes da transferência não-cirúrgica de embriões em éguas da raça Mangalarga Marchador

José Renato Costa Caiado, Francisco Aloízio Fonseca, José Frederico Straggiotti Silva, Reginaldo da Silva Fontes, Júlio César Costa Caiado

Resumo


Quarenta embriões de éguas da raça Mangalarga Marchador foram inovulados em igual número de receptoras da mesmaraça. O primeiro grupo foi tratado com 1,1 mg/kg de flunixin meglumine, visando observar o efeito desta droga sobre a taxa degestação na transferência não-cirúrgica de embriões e seu efeito sobre as concentrações plasmáticas de progesterona. Osegundo grupo não foi tratado. O grupo tratado apresentou 55% de taxa de prenhez (11/20), e o controle 75% (15/20) nãoexistindo diferença entre eles. Contudo, para P=20% esta diferença pode ser considerada significativa. O tempo de sincronizaçãodas receptoras e a idade dos embriões no momento das inovulações foram similares. Houve diferença na qualidadedos embriões inovulados, pois as éguas não-gestantes do grupo controle receberam um número maior de embriões regulares(2/5) que as não-gestantes do grupo tratado (1/9). As concentrações plasmáticas de progesterona foram maiores nasreceptoras gestantes do grupo tratado. Tendo em vista os resultados obtidos, não se recomenda a aplicação de flunixinmeglumine em receptoras antes da transferência não-cirúrgica de embriões, com o objetivo de melhorar a taxa de gestação.

Palavras-chave


eqüinos, reprodução, inovulação

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV