Alterações em variáveis cardiovasculares e intracranianas induzidas pela associação de buprenorfina e sevoflurano em cães

Newton Nunes, Almir Pereira Souza, Márlis Langenegger Rezende, Paulo Sérgio Patto Santos, Danielli Parrilha Paula, Celina Tie Nishimor

Resumo


Objetivou-se, com este experimento, estudar possíveis alterações nas variáveis cardiovasculares e intracranianas promovidas pela buprenorfina, em cães anestesiados. Utilizaram-se oito cães adultos, clinicamente saudáveis. Aanestesia foi induzida com propofol (8 mg/kg IV) e eAi $~g.uida ·os ànimais foram erittJbados ~com sonda orotraqueal de Magill,a qual foi conectada ao aparelho de anestesia volátii4Jara,administração de sevoflurano {1,3 CAM). Os animais foram mantidossob ventilação controlada durante o período experimental. Após 20 minutos do posicionamento do cateter de pressãointracraniana (PIC), foi aplicada buprenorfina {0,02 mg/kg IV}. Avaliou-se: PIC; temperatura intracraniana (TIC); pressão deperfusão cerebral (PPC); freqüência cardíaca (FC); pressões arteriais sistólica, média e diastólica (PAS, PAM e PAD, respectivamente);débito cardíaco (DC); pressão venosa central (PVC); pressão da artéria pulmonar (PAP); e temperatura corporal(TC). As colheitas foram feitas nos seguintes momentos: M1 -' 20 minutos após o posicionamento do cateter de PIC; M2 - 15minutos após a administração do opióide; M3, M4 e M5- de 15 em 15 minutos após M2. A avaliação estatística dos dados foiefetuada por meio do Teste de Tukey (P< 0,05). A PIC permaneceu estável durante todo o período experimental, sendoobservada discreta elevação em M2, mas sem significado clínico ou estatístico. Entretanto, registrou-se uma queda acentuada,estatisticamente significativa, da PPC após o M2. As variáveis cardiovasculares FC, PAS, PAM; PAD, DC e PAP apresentaramredução significativa de seus valores após M2, mantendo-se estáveis no restante do período experimental. Quanto à PVC, oteste estatístico não registrou alterações significativas, porém pode-se observar uma discreta elevação desta variável após aaplicação da buprenorfina. Assim, pode-se concluir que a buprenorfina não interferiu na PIC. Entretanto, a queda da PAM,determinada pela administração do opióide, causa redução da PPC em cães anastesiados. com sevoflurano. As demaisvariáveis cardiovasculares não sofreram influência do opióide.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV