AMBIENTE DE PRESSÃO NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO NA TOMADA DE DECISÕES

Renato Henrique Gurgel Mota, Atelmo Ferreira de Oliveira, José Dionísio Gomes da Silva, Arlindo Nonato Morais de Souza

Resumo


O trabalho tem como objetivo analisar a tomada de decisão por estudantes e profissionais de contabilidade, sob um ambiente de pressão, na elaboração das demonstrações contábeis. Trata-se de uma pesquisa descritiva quanto aos objetivos e de um levantamento ou survey quanto aos procedimentos. O instrumento de coleta foi dividido em duas partes distintas: (a) perfil dos entrevistados e (b) caso de estudo simulando situações de tomada de decisão sob um ambiente de pressão exercida pela alta gestão, por órgãos reguladores e pelas auditorias interna e externa. A amostra é composta por 137 estudantes e 44 profissionais que atuam na área contábil. Para atingir o objetivo, foram testadas duas hipóteses: (H1) não há diferença entre as decisões tomadas por profissionais e estudantes sob um ambiente de pressão e (H2) não há diferença com relação aos aspectos emocionais que conduzem a tomada de decisão por profissionais e estudantes. Para análise das hipóteses, utilizou-se o teste não paramétrico U de Mann-Whitney. Os resultados dos testes evidenciaram que não há diferença significativa entre as decisões tomadas por estudantes e profissionais nos casos estudados. Contudo, no que se refere aos aspectos motivacionais que os auxiliaram na tomada de decisões, verificou-se que existem diferenças significativas entre estudantes e profissionais, por exemplo, quanto à manutenção da boa convivência profissional e receio de retaliação por parte da empresa.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBRECHT, K. O gerente e o estresse: faça o estresse trabalhar para você. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

ARROBA, T.; JAMES, Kin J. Pressão no trabalho. Stress: um guia de sobrevivência. São Paulo: McGraW-Hill, 1988.

BERGAMINI, Cecília Whitaker. Psicologia Aplicada à Administração de Empresas: Psicologia do Comportamento Organizacional. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2014.

BERNSTEIN, D. A.; CLARKE-STEWART A.; PENNER, L. A., ROY, J,; WICKENS, C. D. Psichology. New York: Houghton, Miffin Company, 2000.

BRUNI, Adriano Leal. SPSS aplicado à pesquisa acadêmica. 1 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

DIAS, Sheila Mara Oliveira. Fatores de pressão no trabalho e comprometimento com a carreira: um estudo com profissionais de Tecnologia da Informação (TI). Dissertação de Mestrado em Administração da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade FUMEC. Pags. 170, 2008.

CARLSON, Neil R. Psicology of Behavior. 7th. ed. London: Alyn and Bacon, 2001.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento Conceitual Básico (R1): Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro. Brasília: 02 de dezembro de 2011. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2014.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução CFC nº 750/93 alterada pela Resolução CFC nº 1.282/10. Dispõe sobre os Princípios de Contabilidade (PC). Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2014.

FERREIRA, Vera Rita de Mello. Psicologia Econômica: Estudo do comportamento econômico e da tomada de decisão. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

FIORELLI, José Osmir. Psicologia para Administradores: Integrando teoria e prática. 8 ed. São Paulo: Atlas, 2013.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

KAPLAN, Harold I.; SADOCK, Benjamin J.; GREBB, Jack A. Compêndio de psiquiatria: Ciências do Comportamento e Psiquiatria Clínica. 7 ed. Porto Alegre: Artmed, 1997.

IUDICIBUS, Sérgio. Teoria da Contabilidade. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1997.

LIMA, Diogo Henrique Silva; BORGES, Erivan Ferreira Borges; GOMES, Anailson Marcio; SILVA, José Dionísio Gomes. Análise da Influência do Conservadorismo na Formação da Opinião dos Operadores da Contabilidade. INTERFACE – Natal/RN – v.8 – n. 2 - jul/dez 2011

MARCEDO JR., Jurandir Sell; KOLINSKY, Régine. MORAIS, José Carlos Junça. Finanças Comportamentais: Como o desejo, o poder, o dinheiro e as pessoas influenciam nossas decisões. São Paulo: Atlas, 2011

MILHOLLAN, F.; FORISHA, B. E. Skinner x Rogers: maneiras contrastantes de encarar a educação. São Paulo: Summus Editorial, 1972.

MORAIS, José Carlos de. Kolinsky, Régine; MACEDO Jr, Jurandir Sell. Finanças Comportamentais: Como o desejo, o poder, o dinheiro e as pessoas influenciam nossas decisões.

POMPIAN, Michael M. Behavioral Finance and investor Types: Managing Benhavior to Make Better Investiment Decisions. John Wilwy & Sons, Inc, 2012.

ROBBINS, P. S. Comportamento organizacional. São Paulo: Livros Técnicos e Científicos, 1999.

SANTOS, D. A. Ninguém morre de trabalhar: o mito do stress. São Paulo: IBCB, 1988

SKINNER, B. Frederic. Ciência e comportamento humano. 8 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

MARTINS, G. de A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2009.

WEITEN, W. Introdução à psicologia. Temas e variações. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Contabilidade e Gestão Contemporânea (ISSN 2595-7287)

Universidade Federal Fluminense/RJ

Departamento de Ciências Contábeis da UFF/Niterói

Rua Mário Santos Braga, S/N, Prédio 1 - Sala da Coordenação da Graduação em Ciências Contábeis, Centro - Niterói/RJ, CEP 24.020-150.

 

                                                                                                INDEXADORES: