EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL E A EXISTÊNCIA DE ALISAMENTO DO RESULTADO NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Diogo de Souza Salgado Rocha

Resumo


O gerenciamento de resultados é uma prática nas empresas, sendo o alisamento de resultados contábeis uma das formas de operacioná-lo. Sua prática pode ser motivada por inúmeros fatores, neste estudo é investigado se é possível identificar a prática de alisamento de resultados pelas empresas que se encontram em recuperação judicial o fizeram nos períodos que antecederam ao pedido como meio de reduzir a sua condição de crise econômico-financeira e possibilitar uma melhor negociação com os credores quanto a aprovação do plano de recuperação. Foram selecionadas 19 empresas listadas em bolsa e que se encontram em recuperação judicial e 166 empresas também listadas em bolsa, mas que não se encontram em recuperação judicial, as quais compuseram o total da amostra analisada. Através dessa amostra se buscou identificar a relação entre alisamento de resultados e a condição de crise econômico-financeira vivenciada pelas empresas em recuperação judicial, e inferir se as empresas em crise teriam uma prática mais evidente de alisamento de resultados quando comparado com empresas do mesmo setor e que, em tese, não estariam em crise uma vez que não requereram a recuperação judicial. Para tanto, utilizou-se o modelo de Leuz et al (2003) para identificar a prática de alisamento e, com base nos resultados, tentar segregar em conglomerados. Porém, mesmo se utilizando de regressão logística binária, os resultados não apresentaram significância estatística capaz de possibilitar uma conclusão no sentido de que empresas em crise econômico-financeira tendem a praticar maior alisamento de seus resultados.


Texto completo:

PDF

Referências


ARMSTRONG, C. S.; BLOUIN, J. L.; LARCKER, D. F. The Incentives for tax planning. Journal of Accounting and Economics, v. 53, p. 391-411, 2012.

BRASIL. Lei n.º 11.101 de 09 de fevereiro de 2005. Regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 09 fev. 2005.

BUCKMASTER, D. Development of income smoothing literatura 1893-1998: a Focus on the United States. New York: JAI, 2001.

BUSHMAN, R.; SMITH, A. Financial accounting information and corporate governance. Journal of Accounting and economics, v. 32, p. 237-333, Dec. 2001.

DECHOW, P. M.; SKINNER, D. Earnings management: reconciling the views os acconting academics practitioners and regulators. Accounting Horizons, v. 14 (2), p. 235-250, 2000.

DECHOW, P. M.; SLOAN, R. G.; SWEENEY, A. P. Detecting earnings management. The Accounting Review, p. 193-225, 1995.

DESAI, M. The degradation of reported corporate profits. The Journal of Economic Perspectives, n. 19, p. 171-193, 2005.

GUJARATI, D.; PORTER, C. Econometria Básica. Tradução de Denise Durante; Mônica Rosemberg e Maria Lúcia Rosa. 5ª. ed. Porto Alegre: MGH, 2011.

LEUZ, C.; NANDA, D.; WYSOCKI, P. D. Earnings management and investor protection: an international comparison. Journal of Financial Economics, Sept. 2003. 505-527.

SARLO NETO, A. Relação entre a estrutura de propriedade e a informatividade dos lucros contábeis no mercado brasileiro. (Tese de Doutorado em Controladoria e Contabilidade) - USP. São Paulo, p. 189. 2009.

SCHIPPER, K. Commentary on earnings management. Accounting Horizons, v. 3, p. 91-102, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Contabilidade e Gestão Contemporânea (ISSN 2595-7287)

Universidade Federal Fluminense/RJ

Departamento de Ciências Contábeis da UFF/Niterói

Rua Mário Santos Braga, S/N, Prédio 1 - Sala da Coordenação da Graduação em Ciências Contábeis, Centro - Niterói/RJ, CEP 24.020-150.

 

                                                                                                INDEXADORES: