RESPONSABILIZAÇÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES NO BRASIL: PRINCIPAIS PRÁTICAS QUE ACARRETAM EM PROCESSOS JUDICIAIS CONTRA FIRMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE

Hanna Maria Ribeiro Marinho, Márcia Ferreira Neves Tavares, Vinícius Gomes Martins

Resumo


Este estudo objetivou analisar a expectativa da sociedade com relação ao trabalho do auditor, partindo da responsabilidade e pretensão de responsabilização do profissional quanto às informações e serviços prestados. Esta análise justificou-se pela relevância da auditoria para a sociedade e para os usuários das informações contábeis, considerando a importância de que os
auditores avaliem o ambiente litigioso brasileiro para atuar com o maior cuidado profissional devido, fornecendo auditorias de elevada qualidade, a fim de minimizar custos com os riscos de tal situação. A amostra analisada consistiu em 19 processos com documentos e informações disponíveis para aprofundamento nas questões práticas da lide e das alegações e motivações das partes no litígio. As situações que se referem às práticas e condutas dos profissionais e firmas de auditoria foram consideradas e examinadas. Concluiu-se que os litígios, em sua maioria, estão relacionados com situações que envolvem questionamentos pertinentes a Operações de Crédito e Empréstimos, não obstante a distribuição esparsa em diversos outros assuntos contábeis. Os procedimentos de auditoria mais questionados foram os seguintes: emissão do Relatório de Auditoria, circularização, aplicação de testes adicionais e/ou alternativos e investigação de documentação irregular ou ausente. Adicionalmente, verificou-se que os litígios ocorrem mais frequentemente em cenários de fraude ou insolvência empresarial, afetando a continuidade organizacional.


Texto completo:

PDF

Referências


Baioco, V. G. & Almeida, J. E. F. (2017) Efeitos do comitê de auditoria e do conselho fiscal na qualidade da informação contábil no Brasil. Revista de Contabilidade e Finanças. 28(74), 229-248.

Bowen, S. A., & Heath, R. L. (2005). Issues Management, Systems, and Rhetoric: Exploring the Distinction Between Ethical and Legal Guidelines at Enron. Journal of Public Affairs. 5, p. 84–98.

Braunbeck, G. O., & Carvalho, L. N. (2012). Auditoria Independente. In A. B. Lopes, & S. d. Iudícibus, Teoria Avançada da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Camargo, R. V. W., Pepinelli, R. C. C., Dutra, M. H., & Alberton, L. (2013). Produção Científica em Auditoria: Uma Análise dos Estudos Acadêmicos Desenvolvidos no Brasil. Revista Contabilidade Vista e Revista. 22(1), 84-111.

Carey, J. L. (1947). The Realities of Professional Ethics. The Accounting Review. 22(2), 119-123.

Castro, W. B. L., Peleias, I. R., & Silva, G. P. (2015). Determinantes dos Honorários de Auditoria: um Estudo nas Empresas Listadas na BM&FBOVESPA, Brasil. Revista de Contabilidade e Finanças. 26(69), 261-273.

Chaney, P. K., & Philipich, K. L. (2002). Shredded reputation: the cost of audit failure. Journal of Accounting Research, 40(4), 1221–1245.

Conselho Federal de Contabilidade. (2016a). NBC TA 200 (R1), de 19 de agosto de 2016. Altera a NBC TA 200 que dispõe sobre os objetivos gerais do auditor independente e a condução da auditoria em conformidade com normas de auditoria.

Conselho Federal de Contabilidade. (2016b). NBC TA 240 (R1), de 19 de agosto de 2016. Altera a NBC TA 240 que dispõe sobre a responsabilidade do auditor em relação a fraude, no contexto da auditoria de demonstrações contábeis.

Damascena, L. G., Firmino, J. E., & Paulo, E. (2011). Estudo sobre os Pareceres de Auditoria: Análise dos Parágrafos de Ênfase e Ressalvas Constantes nas Demonstrações Contábeis das Companhias Listadas na Bovespa. Revista Contabilidade Vista e Revista. 22(2), 125-154.

DeAngelo, L. E. (1981). Auditor Size and Audit Quality. Journal of Accounting and Economics, 3, 183-199.

Formigoni, H., Antunes, M. T. P., Leite, R. S. & Paulo, E. (2008). A contribuição do rodízio de auditoria para a independência e qualidade dos serviços prestados: um estudo exploratório baseado na percepção de gestores de companhias abertas brasileiras. Revista Contabilidade Vista e Revista. 19(3), 149-167.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas.

Gramlin, A. A., Rittenberg, L. E., & Johnstone, K. M. (2012). Auditoria. [Sanvincente, A. Z., trad.]. São Paulo: Cengage Learning, 7ª edição americana.

Kaplan R. L. (1987). Accountants’ Liability and Audit Failures: When the Umpire Strikes Out. Journal of Accounting and Public Policy. 6, l-8.

Frank, K. E., Lowe, D. J. & Lowe, J. K. (2001). The expectation gap: perceptual differences between auditors, jurors and students. Managerial Auditing Journal, 16(3), 145 – 150.

Kreitlon, M. (2004). A ética nas relações entre empresas e sociedade: fundamentos teóricos da responsabilidade social empresarial. In: XXVIII Encontro Anual da ANPAD. Curitiba-PR.

Lin Z. J. (2004). Auditor’s responsibility and independence: evidence from China. Research in Accounting Regulation. 17, 167-190.

Matos, T. M. P., Martins, A. M., Macedo, M. A. S. Análise do Impacto do Rodízio Obrigatório de Auditores nos Honorários pagos por Companhias Abertas no Brasil. In: XVI Congresso USP Controladoria e Contabilidade. São Paulo-SP.

Mills, P. A. (1990). Agency, Auditing and the Unregulated Environment: Some Further Historical Evidence. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 3(1), 54-66.

Newman, P., Patterson, E. R., & Smith, R. (2005). The role of auditing in investor protection. The Accounting Review. 80(1), 289-313.

Niyama, J. K., Costa, F. M., Dantas, J. A., Borges, E. F. (2011). Evolução da regulação da auditoria independente no brasil: análise crítica, a partir da teoria da regulação. Advances in Scientific and Applied Accounting. 4(2), 127-161.

Pacini, C., Martin, M. J., & Hamilton, L. (2000). At the interface of law and accounting: an examination of a trend toward a reduction in the scope of auditor liability to third parties in the common law countries. American Business Law Journal 37, 171-225.

Palmrose, Z.-V. (1988). An analysis of auditor litigation and audit service quality. The Accounting Review, 63(1), 55–73.

Peleias, I. R., Segreti, J. B. & Costa, C. A. (2009). Comitê de auditoria ou órgãos equivalentes no contexto da Lei Sarbanes-Oxley: estudo da percepção dos gestores de empresas brasileiras emitentes de American Depositary Receipts – ADRs. Revista Contabilidade Vista e Revista. 20(1), 41-65.

Pereira, F.R., Machado, N. V. A. R., Pinheiro, L. E. T. & Dutra, S. R. (2017). Auditoria Contábil: Um estudo acerca da relação entre o relatório dos auditores e as características da empresa auditada. In: XIV Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade. São Paulo-SP.

Porter, B. (1993). An Empirical Study of the Audit Expectation-Performance Gap. Accounting and Business Research, 24(93), 49-68.

Skinner, D. D. J., & Srinivasan, S. (2012). Audit Quality and Auditor Reputation: Evidence from Japan. The Accounting Review, 87(5), 1737–1765.

Sterzeck, G. (2017); Audit Expectation Gap nos litígios das firmas de auditoria. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade, Departamento de Contabilidade, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.

Teixeira, A. J. S. & Marques, C. (2016). Honorários de auditoria nas companhias abertas listadas na BM&FBOVESPA: Uma análise dos fatores influentes em sua composição. In: XL Encontro Anual da ANPAD. Costa do Sauípe-BA.

Thiry-Cherques, H. R. (2003). Responsabilidade Moral e Identidade Empresarial. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, 31-50.

Thoms, J. C. (2008). Ethical integrity in leadership and organizational moral culture. Leadership, 4, 419–442.

Watts, R. L., & Zimmerman, J. L. (1983). Agency problems, auditing and the theory of the firm: some evidence. Journal of Law & Economics, 26, 613-634.

Watts, R. L., & Zimmerman, J. L. (1982). Auditor Independence and scope of services. Graduate School of Management. The University of Rochester.

Weber, J., Willenborg, M., & Zhang, J. (2008). Does auditor reputation matter? The case of KPMG Germany and ComROAD AG. Journal of Accounting Research, 46(4), 941–972.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Contabilidade e Gestão Contemporânea (ISSN 2595-7287)

Universidade Federal Fluminense/RJ

Departamento de Ciências Contábeis da UFF/Niterói

Rua Mário Santos Braga, S/N, Prédio 1 - Sala da Coordenação da Graduação em Ciências Contábeis, Centro - Niterói/RJ, CEP 24.020-150.

 

                                                                                                INDEXADORES: