A Informalidade no Mercado de Trabalho Brasileiro: Uma análise da realidade do trabalho no município de Campina Grande-PB

Lizandra Kelly de Araújo Santana, Julio Vitor Menezes dos Santos, Ruan Michel da Silva, Geraldo Medeiros Junior

Resumo


Desde o início da década de 1980 as mudanças no mundo do trabalho, decorrentes da restruturação produtiva do capital, têm caracterizado o mercado de trabalho com uma elevada fração de trabalhadores sem contrato formal. No Brasil, este problema pode ter sido amenizado pelo fato de existir a obrigatoriedade de carteira assinada para todos os trabalhadores assalariados. No entanto, com a crise econômica dos anos oitenta, há significativo aumento da informalidade. São muitas as condicionantes que levam as pessoas à informalidade. Uma das principais surge do descompasso existente entre as exigências do mercado de trabalho formal e as condições de qualificação. Este trabalho tem como objetivo analisar a realidade do trabalho informal no município de Campina Grande-PB. Esta pesquisa caracteriza-se como documental. As informações foram obtidas através de pesquisa no site eletrônico ‘’Atlas Brasil’’, desenvolvido pelo IPEA. Os resultados mostraram que embora o grau percentual dos empregados “formais” seja superior ao grau dos “informais”, torna-se relevante um estudo mais aprofundado quanto às causas que levam ao crescimento da economia informal no município em estudo, tendo em vista a possibilidade de essas pessoas ficarem expostas à precariedade das relações de trabalhos. Como conclusão, observa-se a necessidade de existência de políticas públicas adequadas para a região, que objetivem aumentar o emprego e auxiliem a proporcionar um mais elevado nível de bem-estar da população como um todo, contribuindo assim para um desenvolvimento local.


Texto completo:

PDF

Referências


ASEA, P. K. The informal sector: baby or bath water? Carnegie-Rochester Conf. Series Public Policy 45, p. 163-71, 1996

BUGARIN, Noemi Sataka. Fatores Determinantes e Evolução da Economia Submersa no Brasil. Receita Federal, Ministério da Fazenda. Departamento de Economia, Universidade de Brasilia. Est. econ., São Paulo, V. 33, n. 3, p. 435-466, Julho – Setembro 2003.

COUTINHO, H. G. Mercado de trabalho, escolaridade e renda no Brasil- 1988 a 1998. Revista do Curso de Administração da Faculdade Maurício de Nassau, v. 2, p. 281-304, 2007.

DE SOTO, Hernando. The Other Path. (El Outro Sendero. Translated by June Abbott) NY: Harper and Row, 1989.

MAGALHÃES, Josiane. Relações de trabalho no Brasil: o movimento auto gestionário como resposta à globalização da economia e seus reflexos no mercado de trabalho. Revista Urutágua. Universidade Estadual de Maringá, 2001.

MELO, Hildete Pereira de; ROCHA, Frederico et al. O Setor Serviços no Brasil: Uma Visão Global – 1985/85. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, 1998.

MENEZES, Wilson F. DEDECCA, Cláudio S. A Informalidade No Mercado De Trabalho Brasileiro: Rendimentos e principais características. Nexos Econômicos. V. 6, n. 2, dez. 2012. CME-UFBA, 2012.

RIBEIRO, Roberto Name. Causas, Efeitos e Comportamento da Economia Informal no Brasil. Mestrado em Economia do Setor Público. Universidade de Brasília, 2000

SCHNEIDER, F.; ENSTE, D. H. Shadow economies: size, causes, and consequences. Journal of Economic Literature, 38, p. 77-114, 2000.

SMITH, Philip. Assessing the Size of the Underground Economy: the Canadian Statistical Perspectives. Canadian Econ. Observer, Cat. No. 11-010, 3.16-33 a 3.18.




DOI: https://doi.org/10.22409/eas.v1i1.4

Apontamentos

  • Não há apontamentos.