A Experiência da governança pública na elaboração dos planos estaduais de cultura

Clenia De Mattia, Hans Michael Van Bellen

Resumo


Governança Pública é o nome dado à forma expandida como os governos vem atuando no setor público. Ela integra premissas da Burocracia e Nova Gestão Pública, avançando não apenas na dimensão administrativa como na dimensão política, tentando ser uma resposta à velha dicotomia entre política e administração. Através de estudo de casos, utilizamos uma abordagem qualitativa, para analisar a elaboração dos planos de cultura nos estados do Acre e Santa Catarina, objetivando verificar como se apresentaram os atributos de Governança Pública no processo participativo de elaboração dos planos. Em Santa Catarina os atributos pouco retratam a ênfase na dimensão política. Já no Acre eles se apresentaram de forma bastante coerente com o encontrado na literatura, enfatizando aspectos desta dimensão.


Texto completo:

PDF

Referências


BEVIR, Mark (2010). Democratic governance. New Jersey: Princeton.

____________(2011). Governança Democrática: Uma genealogia. Rev. Sociol. Polít, Curitiba, v.19, n39, p.103-114, jun.

_____________(2013). A theory of Governance. University of California Press.

BORGES, F.A.(2013) a resistência no processo de elaboração do plano estadual de cultura de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Administração). Departamento de Pós-Graduação em Administração Ciências da Administração, UFSC, Florianópolis. Orientadora: Eloise Helena Livramento Dellagnelo Florianópolis, SC.

BORGES, F. A. DELLAGNELO, E. H. L. (2013). O carnaval, a Vera Fischer e os embates no campo da cultura em Santa Catarina. In: IX Encontro de estudos multidisciplinares em cultura. 9. Salvador. Anais eletrônicos. Salvador: UFBa. Disponível em: Acesso em: jan/2014.

BOVAIRD, Tony; LÖFFLER, Elke. (2003). Evaluating the Quality of Public Governance: Indicators, Models and Methodologies. International Review of Administrative Sciences, v. 69, n.3. p. 313–328.

BRASIL. (2010) MINISTÉRIO DA CULTURA (MINC)/Secretaria de Articulação Institucional (SAI). Estruturação, institucionalização e implementação do Sistema Nacional de Cultura. Nov. Disponível em: < http://blogs.cultura.gov.br/snc/files/2011/12/Documento-B%C3%A1sico.pdf>. Acesso em: abr. 2013.

_______. (2012). MINISTÉRIO DA CULTURA (MINC). As metas do Plano Nacional de Cultura. Brasília.

CEPIKU, D. (2006). Public governance: research and operational implications of a literature review. Tenth International Research Symposium on Public Management.

DENHARDT, R. B. (2012). Teorias da administração pública. São Paulo: Cengage Learning.

DIAS, T. (2012). Governança Pública [Tese]: Uma concepção teórico-analítica aplicada no governo do Estado de Santa Catarina a partir da implantação das Secretarias de Desenvolvimento Regional. Orientador: Silvio Antônio F. Cario. Florianópolis, SC. 356p.

HEIDEMANN, F. G.; KISSLER, L. (2006) Governança púbica: Novo modelo regulatório para as relações entre Estado, Mercado e Sociedade. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 40, Mai/Jun.

HODGE, G. A.; COGHILL, K. (2007). Accountability in the Privatized State. Governance: An International. Journal of Policy, Administration, and Institutions, v. 20, n. 4, p. 675–702, oct.

MEDEIROS, A. K. de; CHANTSCHANINOV, T. I.; SILVA, F. C. da. (2013). Estudos sobre Accountability no Brasil: meta-análise de periódicos brasileiros das áreas de administração, administração pública, ciência política e ciências sociais. Rev. Adm. Pub. Rio de Janeiro, 47(3): 745-775, maio/jun.

NADIR Jr., A. M.; SALM, J. F.; MENEGASSO, M. E. (2007). Estratégias e ações para a implementação do ICMS ecológico por meio da coprodução do bem público. Revista de Negócios, Blumenau, v. 12, n.3, p. 62-73, jul./set.

OSTROM, E. (1996). Crossing the great divide: coproduction, synergy, and development. World Development. v. 24, n. 6, p.1073-1087.

PESTOFF, V. (2011). Co-production, new public governance and third sector social services in Europe. Ciências Sociais Unisinos, v. 47, n. 1, p. 15-24, jan./abr.

PETERS, B. Guy e PIERRE, John. (1998) Governance Without Government? Rethinking Public Administration. Journal of Public Administration Research and Theory, University of Strathdyde, Scotland, n.8, p. 223-24.

PRESTES MOTTA, F. C; BRESSER PEREIRA, L.C. (1981) Introdução à organização burocrática. São Paulo: Editora brasiliense.

RAQUEL, Izabela (2012). Governança Pública [Dissertação]: A consolidação de uma matriz com atributos que caracterizam o tema, na perspectiva de especialistas. Dissertação (Mestrado em Administração). Departamento de Pós-Graduação em Administração Ciências da Administração, Universidade Federal de Santa Catarina. Orientador: Hans Michael van Bellen. Florianópolis, SC. 173p.

RAQUEL, I. ; VAN BELLEN, H. M. (2012) . Contribuição à Concepção da Governança Pública: Uma Análise a partir da Visão dos Especialistas. In: XXXVI ENANPAD, 2012, Rio de Janeiro. XXXVI ENANPAD.

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO (2013). UFSC/MINC. Projeto de apoio à elaboração dos planos estaduais de cultura. Programa Nacional de Fortalecimento Institucional dos Órgãos Estaduais/Municipais de Cultura.

RHODES, R. A. W. (1996) The new governance: governing without government. Political Studies. University of Newcastle-upon-Tyne. n. XLIV, p. 652-667.

RIBEIRO, R. de M. ; MENEGASSO, M.E.; SALM, J.F. (2007). Coprodução do bem público e o desenvolvimento da cidadania: o caso do PROERD em Santa Catarina. Revista Alcance, v. 14, n. 2, p. 231 - 46, maio/ago.

ROCHA, A. C.; SPANIOL, E. L.; SCHOMMER, P. C.; SOUZA, A. D. (2012) de. A coprodução do controle do bem público essencial à Accountability. In: Encontro Científico de Administração da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, Anais do Enanpad, Rio de Janeiro: Anpad,. CD-Rom.

RONCONI, L. F. A. (2008) A Secretaria Nacional de Economia Solidária: uma experiência de Governança Pública. 2008. 279 f. Tese (Doutorado em Sociologia Política). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina.

_________________. (2011) Governança Pública: um desafio à democracia. Revista Emancipação, v.11, n. 1, p.21-34. Disponível em

RUBIM. A. A. C. (2008). Plano Nacional de Cultura em Debate. Políticas culturais em revista. Vol 2, n.1, p. 59-72.

SADER, Emir. (2007). O papel do Estado e da sociedade na construção de políticas públicas da cultura. In: 1ª Conferência Nacional de Cultura 2005/2006: estado e sociedade construindo políticas públicas de cultura. Brasília: Ministério da Cultura.

SIMÕES, J.M.; VIEIRA, M. M. F. (2010). A influência do Estado e do mercado na administração da cultura no Brasil entre 1920 e 2002. Rev. Adm. Pública [online]. vol.44, n.2, p. 215-237. ISSN 0034-7612. Disponível em . Acesso em: 17 de Jun. 2012.

SORENSEN, E., TORFING; J. (2005). Network governance and post-liberal democracy. Administrative Theory and Praxis. Vol. 27, n. 2.

TERMO DE REFERÊNCIA UFSC/MINC. (2011). Projeto de apoio à elaboração dos planos estaduais de cultura. Programa Nacional de Fortalecimento Institucional dos Órgãos Estaduais/Municipais de Cultura.




DOI: https://doi.org/10.22409/eas.v2i1.19

Apontamentos

  • Não há apontamentos.