Como Tornar a Administração Pública um Serviço Público no Contexto de Estados e Sociedades Complexas

Juan Mozzicafreddo

Resumo


Atualmente, as administrações públicas estão imersas num contexto de complexidades sociais e de transformações dos Estados. As diferentes avaliações evidenciaram, regularmente, disfuncionalidades do seu desempenho e uma relativa desadequação às funções de um serviço público. O objetivo deste texto será o de compreender as oportunidades que a instituição pode aproveitar para responder aos desafios das atuais transformações sociais. A administração pública já não é uma organização monopólica, fixa e fechada na estrutura hierárquica, mas está exposta às diferentes perspectivas teóricas de reforma (NPM, NPS, NPG, entre outras) e imersa nos desafios com os que se defronta, aparecendo com uma estrutura híbrida, com diferentes níveis de funções e de competências.Esta situação, nomeadamente nas sociedades europeias, obriga a desenvolver funções e níveis de competências que, por um lado, preservem a matriz básica de uma administração pública de um Estado de direito e, por outro, que inovem e se adaptem às necessidades das sociedades complexas e de cidadãos exigentes no funcionamento de um serviço público.


Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, J. (2013). Gestão orientada para os resultados em Portugal: contribuição para a sua compreensão, In: Coletânea de Administração Pública, Hugo Silvestre e Joaquim F. Araújo (Org.), Lisboa Escolar Editora

Araújo, J. F. (2007). Avaliação da Gestão Pública, A Administração Pós Burocrática. Conferência na Universidade Nacional à Distância (UNED), Corunha, Espanha

Araújo, J. F. F. E. (2013). Da nova gestão pública à nova governação pública: pressões emergentes da fragmentação das estruturas da Administração Pública. Coletânea em Administração Pública, 25-61.

Base de Dados da Administração Pública (BDAP), 20005, 2006-2009

Benchmarking the Administration of Business “start-up”, Comissão Europeia, 2002

Bevir, M. (2012). Governance: A very short introduction. OUP Oxford.

Boletim do Observatório do Emprego (2009). Direção-Geral da Adminstração e do Emprego Público (DGAEP), nº 2

Boletim do Observatório do Emprego (2015). Direção-Geral da Adminstração e do Emprego Público (DGAEP), nº2 e nº 13

Bouckaert, G. (1993). Governance between legitimacy and efficiency: citizen participation in the Belgian fire service, In: J. Kooiman (Edit by) Modern Governance: New Government Society Interaction, Londres e Nova Deli, Sage Publication

Braithwaite, J. (2006). The Regulatory State? In: R. Rhodes, S. Binder e B. Rockman, The Oxford Handbook of Political Institution. Oxford, Oxford University Press

Callahan, K. (2007). Citizen Participation: Models and Methods, International Journal of Public Administration, 30

Câmara Municipal de Lisboa (2015). Boas práticas de valorização das pessoas – Desenvolver a confiança- Um modelo de gestão que aposta no envolvimento de trabalhadores e clientes – Participar para Melhorar. Lisboa, Direção Municipal de Recursos Humanos, CML

Carvalho, E. (2001). Reengenharia na Administração Pública – a procura de novos modelos de gestão. Lisboa, ISCSP, Universidade de Lisboa

Carvalho, E. (2013). Redesenho da máquina administrativa do Estado e racionalidade política: o caso do PRACE In: Hugo Silvestre e Joaquim Filipe Araújo, Handbook de Administração Pública. Lisboa, Escolar Editora

Chevallier, J. (1987). Le Service Publique. Paris, Presses Universitaires de France (PUF) (5ª Edição)

Corte-Real, I. (1991). Cidadão, Administração e Poder. Lisboa, Ministério da Educação

Corte-Real, I. (1995). O livro da Modernização Administrativa. Lisboa, Secretaria de Estado da Modernização Administrativa

Cruz, C. O. & Marques, R. C. (2012). O Estado e as parcerias público-privadas. Lisboa, Edições Sílabo

Decreto-Lei 64/2011, de 22 de dezembro, Diário da República

Decreto-Lei, nº 115/2006, de 14 de junho, Diário da República

Denhardt, J. & Denhardt R. (2003). The New Public Service – Serving, nor Steering. New York e Londres, M.E. Sharp

Denhardt, J. & Denhardt R. (2000). The New Public Service: Serving rather than Steering. Public Administration Review, Vol. 60, nº 6

E-Gov em Portugal- Situação, Desafios, Estratégias (2015), Capítulo 03 – “Resenha de uma Aposta de Sucesso” (Loja do Cidadão), Universidade do Minho

Emerenciano, P. (2008). O impacto do balcão único na imagem doestado no relacionamento com o cidadão. Dissertação de Mestrado em Administração Pública, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa

Emery Y. e Giauque D. (2014). The hybrid universe of public administration in the 21 st Century. International Review of Administrative Sciences, 80:23;

Ferraz, D. (2008). A seleção de dirigentes públicos no contexto na evolução dos modelos de Estado e da Administração Pública. Dissertação de Mestrado, Lisboa, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa

Ferraz, D. (2009). Is there space for hybrid management models of senior civil service across political administrative systems?. Public Policy and Administration, nº 30

Fonseca, F. (2003). Envolvimento dos cidadãos nas políticas da Administração Local. In: Ética e Administração – Como modernizar os serviços públicos? Juan Mozzicafreddo, João Salis Gomes e João Batista (Org.), Oeiras, Celta Editora

Giauque, D. (2003-a). The New Public Management and organizational regulation: the liberal bureaucracy. International Review of Administrative Science, Vol. 69

Giauque, D. (2003-b) La bureaucratie libérale – Nouvelle gestion publique et régulation organisationnelle. Paris, L’Harmattan

Gomes, J. S. (2003). Perspectiva da moderna gestão pública em Portugal. In: Administração e Politica- Perspectiva de reforma da administração pública em Europa e nos Estados Unidos, Juan Mozzicafreddo, João Salis Gomes (Org.), Oeiras, Celta Editora

Gomes, J. S. (2011) Simplificação da comunicação administrativa e legislativa. In: Projeto de Inovação na gestão Pública, Juan Mozzicafreddo e João Salis Gomes (Org.), Lisboa, Editora Mundos Sociais

Gonçalves, P. e Martins, L. L. (2004). Os serviços públicos económicos e a concessão no Estado regulador. In: Estudos de regulação pública I, (Vital Moreira (Org.), Coimbra, CEDRIPE- UC

Gualmini, E. (2008). Restructuring Weberian Bureaucracy: Comparing managerial Reforms in Europe and in the United States. Public Administration, Vol. 86, nº 1

Houaiss, Dicionário da Língua Portuguesa, 2001

Ingraham, P. & Peters, B. G. & Monyham, D. (2000), Public employment and the future of the public service. In: B. Guy Peters and Donald J. Savoie, Govenance in the twenty–first century: Revitalizing the Public Service, Montreal & Kingston, London, McGill-Queen´s University Press

Instituto Nacional de Estatística (INE), 2010

Journal Público, de 2 de junho de 2013

Kersbergen, K. & Vis, B. (2014). Comparative Welfare State Politics – Development, Opportunities, and Reform. Cambridge, Cambridge University Press

Kjaer, A. M. (2004), Governance in public Organizations and Public Policy – Steering inter-organizations Network, In: Governance, UK

Kjaer, A. M. (2004). Governance in a Public Administration and Public Policy. In: Governance. Cambridge, UK.

Lei nº 59/2008, de 20 de junho, Diário da República, revogada pela Lei nº 35/2014, de 11 de setembro, Diário da República

Lei, nº 12/2008, de 26 de fevereiro de 2008, Diário da República, nº 40 (Serie I)

Madureira, C. & Ferraz, D. (2010). The Need a XXI Century Governance Paradigm for Public Administration: The Specific Case of Portugal. Public Policy and Administration, nº. 31

Madureira, C. (2014). A Reforma da administração central no Portugal democrático: do período pós-revolucionário intervenção da Troika. Revista de Administração Pública, 49 (3)

Majone, G. (1994). The rise of the regulatory State in Europe. West European Politics, Vol. 17

Majone, G. (1996). La Communauté européenne: Un Etat Régulateur. Paris, Montcherstien

Marques, M. M. L. & Moreira, V. (1999). O Estado, a economia e as empresas. Economia Prospectiva, Vol II, nº 3/4

Marvão Pereira, A. (2013). Os Investimentos Públicos em Portugal. Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS)

Mateus, A. (2015) (Org.) Três décadas de Portugal Europeu – Balanço e Perspectivas, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS)

Mozzicafreddo, J. (1984). A questão do Estado no processo político português- 1974/1976. Cadernos de Ciências Sociais, 2

Mozzicafreddo, J. (1985). Etat, mouvementes et luttes sociales – processus politique português – 1974 -1976. Thèse d’État, Université de Montpellier I, Francia

Mozzicafreddo, J. (2000). Estado-providência e cidadania em Portugal. Oeiras, Celta Editora

Mozzicafreddo, J. (2001). Modernização da administração pública e poder político. In: Juan Mozzicafreddo e João Sales Gomes (Org.), Administração e Política – Perspectivas de reforma de reforma da administração pública na Europa e nos Estados Unidos, Oeiras, Celta Editora

Mozzicafreddo, J. & Gouveia, C. (2011). Contexto e etapas de reforma na administração pública em Portugal. In: Juan Mozzicafreddo e João Salis Gomes, Projetos de inovação na gestão pública, Lisboa, Editora Mundos Sociais

Mozzicafreddo, J. (2015). Reorganização das funções do Estado e da administração pública, na teoria e na experiencia portuguesa. In: Francisco Madelino (Coordenador), Juan Mozzicafreddo e Realinho de Matos, Reorganização do Estado e da Administração Pública e a Questão dos Recursos Humanos, Lisboa, Editora Mundos Sociais (no prelo)

OCDE (1987). A Administração como Serviço, o Cidadão como Cliente. Paris

OCDE (1995). Managing Administrative Reform - A Case Study of Portugal -1976-1994. Paris

OCDE (2004). Population and Employment by Main Activity. Statistics

OCDE (1996). Priorité aux citoyens. La reforma de la gestion au Portugal. Paris

OCDE (2008). Tornar a vida mas fácil para os cidadãos e empresas em Portugal. Administração electrónica e simplificação. Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda (2008)

Ongaro, E. (2015). Administrative Reforms in the European Commission and the Neo-Weberian Model. In:The Palgrave Handbook of the European Administrative System, Michael Bauer and Jarle Trondal (Edited by), Palgrave MacMillan

Orçamento do Estado, 2011 e 2012

Osborne, S. P. (2010). The (new) Public Governance: A suitable case for treatment? In: The New Public Governance? Emerging perspectives on the theory and practice of public governance, Londres e New York, Routledge

Osborne, S. & Radnor, Z. & Nasi, G. (2012). A new theory for Public Service Management? Toward a Public Servicedominant Approach. American Review of Public Administration, 43 (2)

Painter, M. & Peters, B. G. (Ed. By) (2010), “The analysis of administrative traditions” e “Administrative traditions in comparative perspective - Families, Groups, Hybrids”. In: Traditions and Public Administration, London and New York, Palgrave Macmillan

Peters, B. G. (1996). The future of Governing: Four Emerging Models. Kansas, University of Press of Kansas

Peters, B. G. (1997). Policy transfers between governments: the diffusion of administrative reform. West European Politics, Vol. 20, nº 4

Peters, B. G. (1999). La política de la burocracia. Ciudad de México, Fundo de Cultura Económica (4ª Edição em ingles de 1995)

Peters, B. G. (2009). Still the Century of Bureaucracy? The Role of Public Servants. Public Policy Administration, nº. 30

Peters, B. G. (2010). Meta-Governance and Public Management. In: Stephen Osborne, The New Public Governance – Emerging perspectives on the theory and practice of Public Governance, Londres, Routledge

Pierre, J. (2000). Externalities and Relationships: Rethinking the Boundaries of the Public Service. In: B. Guy Peters and Donald J. Savoie (Org.), Governance in the Twenty-first Century: Revitalizing the Public Sector, Montreal & Kingston, McGill-Queen’s University Press

Pitschas, R. (1993). Aspects of Max Weber theory on bureaucracy and new public management approach. Indian Institute for Public Administration, nº 4

Pitschas, R. (2006). Public Value Management. A Value-based Concept of Public Governance between Economization and Common Veal. In: Trusted Governance due to Public Value Management, Frankfurt am Main, Peters Lang (Europaischer Verlag Wissenschaften)

Pitschas, R. (2007). Gestão do valor público- Um conceito de governação pública baseado no valor entre a economização e o bem comum. In: Juan Mozzicafreddo, João Salis Gomes e João S. Batista (Orgs.), Interesse Público, Estado e Administração, Oeiras, Celta Editora

Pollitt, C. & Bouckaert, G. (2011). Trajectories of modernization and reform. In: Public Management Reform- a comparative analysis – New Public management, Governance, and the Neo-Weberian State, Oxford e New York, Oxford University Press (Third edition)

Pollitt, C. (2009). Structural change and public service performance: international lessons? Public Money and Management, September

Programa Aproximar – Estratégia para a Reorganização dos Serviços de Atendimento da Administração Pública, aprovado em Conselho de Ministros, em 31 de julho de 2014

Programa SIMPLEX (2016). Secretaria do Estado e de Modernização Administrativa. Portal do Simplex

Programa SIMPLEX (2007). Unidade de Coordenação da Modernização Administrativa. Portal do Simplex, Presidência do Conselho de Ministros

Relatório da Comissão Técnica (2006). PRACE-Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado, (Programa aprovado na Resolução de Conselho de Ministros nº 124/2005), Secretaria de Estado da Modernizações

Relatório de 4 anos de Simplex (2009). SEMA (Secretaria de Estado da Modernização Administrativa, Lisboa

Relatório de Actividades das Lojas do Cidadão (2009). Direção de Serviços de Informação e Documentação, Secretária-geral. Ministério da Saúde.

Relatório de Execução (2011) PREMAC- (Plano de Melhoria e Redução de la Administração Central do Estado), Secretaria de Estado da Administração Pública

Rocha, J. A. O. & Araújo, J. F. (2007). Administrative Reform in Portugal: problemas e perspectives. International Review os Administrative Science, Vol. 73

Rodrik, D. (2011). Why Global Markets, States, and Democracy Can’t Coexist. Oxford, Oxford University Press

Sarmento, J. M. (2013). Parcerias público-privadas. Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS)

Soriano, J. E. & Bilhim, J. (2013). La racionalidad política y técnica en la selección de la alta Administración Pública y Gestión Pública Portuguesa- Una Experiencia útil para Espanha. El Cronista del Estado Social y Democrático de Derecho, 38

Stiglitz, J. (2001). Redefining the Role of the State, An interview with introduction by Brian Snowdon. World Economic, Vol. 2, nº 3, July-September

Tavares, H. (2001). O Livro de Reclamações na Administração Pública em Portugal: Uma análise crítica de três anos de funcionamento. Revista de Administração e Políticas Públicas, Vol. II, nº 2

Weber, M. (1964). La dominación legal com Administración. In: Economia Y Sociedade, Buenos Aires y Ciudade de México, Fondo de Cultura Económica, Vol I pp 175-195 (2ª Edição em espanhol, 1ª Edição em alemão de 1922)

Weber, M. (1982). Burocracia. In: Ensaios de Sociologia (Org. e introdução de H.H. Gerth e C. Wright Mills), Rio de janeiro, Zahar Editores (5ª Edição)

Weller, J. M. (1998). La Modernization des services publics par l’usager: une revue de la littérature (1986-1996). Sociologie du travail, 3

Weller, J. M. (1999). L’État au Guichet- Sociologie cognitive du travail et Modernization des services publics. Paris, Desclée de Browern




DOI: https://doi.org/10.22409/eas.v2i2.65

Apontamentos

  • Não há apontamentos.