Avaliação do Perfil dos Acidentes Fatais Ocorridos nas Rodovias Federias de Santa Catarina em 2015 e sua Utilização para Direcionar Ações que Visem Reduzir a Violência no Trânsito

Gabriela Almeida Marcon, Luiz Antonio Giardino Graziano, Fernanda Aparecida Da Cunha, Ademar Dutra, LEONARDO ENSSLIN

Resumo


Este trabalho tem por objetivo discutir o perfil dos 368 acidentes de trânsito fatais ocorridos nas rodovias federais de Santa Catarina no ano de 2015 e propor ações que reduzam esse tipo de acidente. É um estudo de caso, com pesquisa bibliográfica e coleta de dados dos acidentes no sistema SIGER 2 da Polícia Rodoviária Federal e nos boletins de acidentes de trânsito lavrados. Os resultados mostram que houve um custo de mais de 244 milhões de reais somente com esses acidentes; as rodovias BR 101, 282 e 470 concentraram 77% dos acidentes fatais do Estado, sendo que a BR 101 foi responsável por 68% das mortes por atropelamento no Estado; 60% dos pedestres mortos tinham mais de 40 anos e 77% dessas mortes ocorreram no período noturno (das 18 às 6 horas da manhã). Os motociclistas representaram 18% do total de mortes, sendo que 60% dos motociclistas mortos tinham até de 40 anos e 74% das motos tinham até 150 cilindradas. Em relação aos ciclistas mortos, 57% tinham mais de 40 anos e 64% das mortes foram no período noturno (das 18 às 6 horas da manhã). Em 47% das mortes, um dos veículos envolvidos era de carga, pesado (caminhões, etc). As ações para reduzir a violência no trânsito não devem se resumir ao aumento de penalidade administrativa ou judicial; as ações devem englobar múltiplas áreas, levando em conta os três pilares de um trânsito seguro: educação, engenharia e fiscalização.

     

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/eas.v3i2.20

Apontamentos

  • Não há apontamentos.