A dinâmica de interação institutos de pesquisas/empresas: os condicionantes pró inovação do Instituto Senai de Inovação (ISI) Eletrotécnica

Lívia Maria dos Santos, Walter Shima

Resumo


A Política Industrial e Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) de 2003 marca a retomada da política industrial depois de quase 30 anos da sua ausência. A partir dela, outras políticas deram continuidade a busca para alavancar a produção industrial inovativa no país. Entre as diversas estratégias, uma delas foi a construção de uma rede nacional de laboratório para atender os setores
industriais em busca de soluções inovativa. Trata-se do Instituto Senai de Inovação (ISI). Este artigo analisa o comportamento dos Institutos de Pesquisas (IPs) a partir das características e ações do ISI Eletroquímica localizado em Curitiba, Paraná. Como metodologia, observou-se primeiramente o comportamento dos IPs com base nos dados do Diretório de Grupos de Pesquisas do CNPq. Na sequência, investigou-se a matriz de decisão do ISI Eletroquímica. Como resultado, nota-se mais do que pesquisa inovativa ou inédita o importante é que a relação IP/empresa seja fundamentalmente rentável para o IP. Em outros termos, o foco na sustentabilidade financeira
pode levar os institutos em geral a estar mais orientados pela demanda rentável e muito pouco no desenvolvimento de inovações com graus de ineditismo aplicado.


Texto completo:

SantosShima


DOI: https://doi.org/10.22409/economica.20i1.p390

Apontamentos

  • Não há apontamentos.