Histórico do periódico

 

A Movimento - Revista de Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação e da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense tem sua origem no Boletim Informativo publicado em maio de 1970. O Boletim visava a informar e a integrar professores, estudantes e pessoal administrativo em torno das mudanças estruturais e técnico-pedagógicas decorrentes da Reforma Universitária do ano de 1968. A sua ampla aceitação e repercussão, na comunidade acadêmica, motivaram a criação da Revista da Faculdade de Educação em 1971Organizada por professores que atuavam na Graduação majoritariamente, a Revista tinha por objetivo dar continuidade ao Boletim por seu caráter também informativo.

É também na década de 1970 que se implanta e implementa o Programa de Pós-Graduação em Educação/UFF-Mestrado, o qual modifica, paulatinamente, o caráter da Revista da Faculdade de Educação na perspectiva de um periódico acadêmico-científico. Agora o periódico passa não apenas a expor e a discutir questões relativas à área educacional, mas também a contribuir para a formação de mentalidade esclarecida em matéria de educação e a divulgar assuntos que concorressem para a renovação científica do trabalho pedagógico e das atividades desenvolvidas pela Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (FEUFF). Entretanto, somente no segundo semestre de 1982, a Pós-Graduação em Educação integrou-se à produção da Revista da Faculdade, tendo como objetivo “divulgar a parte inédita da produção científica dos professores do Curso de Mestrado”.

De cunho monográfico e distribuição gratuita, a Revista contou, desde a sua gênese até o ano de 2009, com o apoio da Editora da UFF (EdUFF) para a sua impressão e para a sua encadernação. Com a criação do Programa de Apoio à Aquisição de Periódicos (PAAP) pela CAPES no ano de 1995, a Revista da Faculdade de Educação, reconhecida pela contribuição científico-acadêmica, beneficia-se dos recursos financeiros que eram repassados às Universidades e às outras instituições de ensino superior para a edição, para a impressão e para a publicação de periódicos em suporte de papel.

No mesmo ano de 2000, quando a CAPES cria o Portal de Periódicos (http://www.periodicos.capes.gov.br/ ) e aprova o Regulamento do PAAP e as Normas para Uso das Publicações Eletrônicas, a Revista da Faculdade de Educação altera o seu nome para Movimento-revista de educação da faculdade de educação da universidade federal fluminense e, a partir do ano de 2014, passa a ser uma publicação exclusivamente eletrônica.

Desde então, o Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado e Doutorado, por meio do seu Colegiado, reconhece a Movimento - revista de educação da Faculdade de educação como um periódico orgânico do Programa devido à sua trajetória institucional que se diferencia dos demais periódicos, no âmbito da FEUFF, os quais se originaram e se desenvolveram segundo as especificidades dos grupos de pesquisa e dos núcleos de estudo.

Nessa perspectiva, a nomenclatura da Revista é modificada para Movimento-revista de educação do programa de pós-graduação e da faculdade de educação da universidade federal fluminense, segundo a política editorial da Capes, a qual tem no Qualis Capes um instrumento para a estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação.

A partir de 2014, com a regulamentação do Programa de Apoio à Pós-Graduação (PROAP), o qual tem como objetivo financiar as atividades dos cursos de pós-graduação, de modo a proporcionar melhores condições para a formação de pessoal qualificado, o Programa de Pós-Graduação em Educação da UFF, por meio do seu Colegiado, passa a destinar parte dos seus recursos de custeio (fonte PROAP)  à editoria da Movimento-revista de educação como reconhecimento da sua pluralidade e da sua interdisciplinaridade institucional.

Dirigida a pesquisadores, a docentes e a outros profissionais da educação e a discentes (graduandos e pós-graduandos), da grande área das ciências humanas e da educação, a Movimento-revista de educação do programa de pós-graduação em educação e da faculdade de educação da universidade federal fluminense tem na pluralidade de perspectivas teóricas e na interdisciplinaridade um dos seus pilares.