FORMAS DE FINANCIAMENTOS DE UM EMPREENDIMENTO VOLTADO À INOVAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UM STARTUP BRASILEIRA

Marta Duarte de barros, Altina Silva Oliveira, Luiz Gustavo Xavier Borges

Resumo


O objetivo deste artigo é investigar quais são os tipos de financiamentos para empreendimentos inovadores. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica de forma a identificar na literatura os artigos que abordassem as formas de financiamentos para empreendimentos inovadores. Um estudo de caso referente a uma startup brasileira foi apresentado, descrevendo todos os financiamentos que estão sendo utilizados pela mesma.

Palavras-chave


Financiamento, Startup, Inovação

Texto completo:

PDF

Referências


ABCR. Associação Brasileira do Capital de Risco. Disponível em: http://www.abvcap.com.br/. Acesso em Jun. 2015.

Block, Z.; Macmillan, I.C. Corporate venturing: creating new business within the firm. Boston, MA: Harvard Business Scholl Press, 1993.

Botelho, A., Didier, D., Hochman, N., &Rodrigues, M. Impulsionando o take-off da inovação no Brasil: O Investidor Anjo. 2006. 30º Encontro da ANPAD. 23 a 27 de Setembro de 2006. Salvador, Bahia- Brasil.

Bordeuax-Rego, R. (2004). Mudança no Mercado de Capitais Brasileiro: Subscrições Privadas Versus Ofertas Públicas de Ações após o Plano Real.Tese doutorado,PUC/Rio.

Calvosa, M.; Freitas, J.(2008). Angel investidor: empreendedorismo fomentado através de uma nova modalidade de investidor. Revista e cadernos de administração. Ano 1, vol. 1,2. Carta Capital. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/universitariosbrasileiros-assumem-perfil-independente-e-empreendedor-diz-estudo. Acesso em: 02 de jun. 2015.

Cavalcanti, F.S.C.; Misumi, J.Y. Mercado de capitais. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

Crispim, S. Baldassi, D.(2009). Fundos de capital de risco: suporte para romper as barreiras de entrada? Venture capital fund: support to break the entrance barriers? Gestão&Regionalidade - Vol. 25, 73.

Conti, A.; Thursby, M.; Rothaermel, F. T. (2013). Show Me the Right Stuff: Signals for High Tech Startups. Journal of Economics & Management Strategy, v. 22, 2, 341-364.

Erikson, T. (2005). Idiosyncratic portfolio characteristics of seed and venture capital funds. Journal of Small Business and Enterprise Development, United Kingdom, v.12, .4, 545-555.

Figlioli, A.; Porto, G. S. (2012) Financiamento de parques tecnológicos: um estudo comparativo de casos brasileiros, portugueses e espanhóis. Revista de Administração, São Paulo, v.47, n.2, p.290-306.

Gaichi, D. H. V., & Bordeaux-Rego, R. (2013). Cálculo do custo do capital próprio no Brasil: análise crítica do laudo de avaliação da Vale Fertilizantes. Relatórios de pesquisa em engenharia de produção, 13,3, 29-41.

Gil, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. Atlas. São Paulo, 2002.

Lobo, M. B. C. M. Panorama da evasão no ensino superior brasileiro: aspectos gerais das causas e soluções. Instituto Lobo para Desenvolvimento da Educação, da Ciência e da,Tecnologia.,Disponível,em:,http://www.institutolobo.org.br/imagens/pdf/artigos/art_0 87.pdf. Acesso em: 02 de jun. 2015.

Mason, C. M.; Harrison, R.T. (2002).Barriers to investment in the informal venture capital sector. Entrepreneurship& Regional Development, v.14, 271 – 287.

Mariano, Sandra R. H.; Mayer, Verônica Feder. Empreendedorismo e inovação: criatividade e atitude empreendedora. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2008.

Monitor, G. E. (2014). GEM 2013 Global Report. Recuperado 16/06/2014 de http://gemconsortium. org/docs.

Monitor Group (2013)."Private equity & venture capital: analysis of Brazilian industry." Associação Brasileira de Private Equity& Venture Capital. Disponível em: http://www. abvcap. com.br/UpLoad/Arquivo/StudyBrazilianPEVC. pdf. Acesso em 06 de jun. 2015.

Neto, A. A., Lima, F. G., & de Araújo, A. M. P. (2008). Uma proposta metodológica para o cálculo do custo de capital no Brasil. Revista de Administração, 43,1, 72-83.

Périco, A. E. Rebelatto, D. A. N.(2006).O capital de risco no financiamento da inovação: experiência internacional. GEPROS – Ano 1, 2, 75-85. Portal Brasil. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/educacao/2012/10/matriculas-no-ensinosuperior-crescem-5-7. Acesso em: 02 de jun. 2015.

Ramalho, C., Furtado, C. V.& Lara, R. (2011). A indústria de private equity e venture capital 2º,censo,brasileiro..Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/8419.

Ramalho, C. C. M. Private equity and venture capital: an important public policy towards innovation and entrepreneurship in Brazil. In. Encontro da Associação Nacional de Pósgraduação e Pesquisa em Administração, 2010. Rio de janeiro. Anais anpad, 2010.

Ries, Eric A startup enxuta: como os empreendedores atuais utilizam a inovação contínua para criar empresas extremamente bem-sucedidas / Eric Ries; [tradução Texto Editores]. Lua de Papel, São Paulo, 2012.

Silva, A.M. (2000). Por que as empresas abrem seu capital? Cadernos Discentes COPPEAD, Rio de Janeiro, n.3, p.5-17. Disponível em: Acesso em: 15 out. 2004.

Strobino, M. R. C, & Teixeira, R. M. (2014). Empreendedorismo feminino e o conflito trabalho-família: estudo de multicasos no setor de comércio de material de construção da cidade de Curitiba. Revista de Administração, 49,1, 59-76.

Spina, C. A. Investidor anjo: Como conseguir investimento para o seu negócio. Ed.Nversos, São Paulo, 2013.

Stefanini, C.J.Capital de risco: um estudo sobre os critérios de avaliação e escolha nos fundos de investimentos em capital de risco em empresas inovadoras de São Paulo e grande,São,Paulo,Disponível

Yin, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3.ed. Bookman, Porto Alegre, 2005


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção