ANÁLISE DE RISCOS DE PROJETOS: UM OLHAR SOBRE ALGUMAS LIMITAÇÕES DAS FERRAMENTAS E TÉCNICAS UTILIZADAS

Ricardo Luiz Fernandes Bella, Gilson Brito Alves Lima, Ruben Huamanchumo Gutierrez

Resumo


O objetivo deste artigo é observar a relação entre algumas limitações das ferramentas e técnicas do processo de análise de riscos de projetos e os seus possíveis desdobramentos negativos. Nesse estudo foram sugeridos dois possíveis desdobramentos para as limitações das ferramentas e técnicas de análise de riscos: a diminuição do controle de riscos e o impacto sobre os objetivos de projeto. As ferramentas e técnicas utilizadas são referentes as práticas de gestão de riscos do Project Management Institute (PMI). A metodologia utilizada para o estudo consistiu na aplicação de um questionário em um grupo de especialistas em gestão de projetos. O resultado apontou que as limitações presentes nas ferramentas e técnicas de análise de riscos são de moderada a fortemente relacionadas aos dois desdobramentos sugeridos. A principal contribuição deste estudo está na discussão sobre a subjetividade inerente a utilização das ferramentas e técnicas do processo de análise de riscos de projetos.


Palavras-chave


Gestão de Riscos; Gestão de Projetos; Subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


Baccarini, D, Archer, R. (2001). The risk ranking of projects: a methodology. International Journal of Project Management, Vol. 19.

Buchanan, JT, Henig, EJ, Henig , MI. (1998). Objectivity and subjectivity in the decision making process . Annals of Operations Research, Vol. 80.

Chapman, C, Ward, S. (2004). Why risk efficiency is a key aspect of best practice projects. International Journal of Project Management, Vol. 22.

Cox, L. A. (2008). What’s Wrong with Risk Matrices? Risk Analysis. Vol. 28, No. 2.

Cox, LA, Babayev, D, Huber, W. (2005) Some Limitations of Qualitative Risk Rating Systems. Risk Analysis, Vol. 25.

Cronbach, L. J. Coefficient alpha and the internal structure of test. Psychometrika. 1951.

International Organisation of Standardisation (ISO). ISO 31000 - Principles and generic guidelines on risk management, 2009.

Kutsch, E, Hall, M. (2010). Deliberate ignorance in project risk management. International Journal of Project Management, Vol. 28.

Likert, R. A. (1932). Technique for the Measurement of Attitudes. Archives of Psychology, Vol. 140.

Project Management Institute (PMI). Um Guia do Conhecimento em gerenciamento de projetos (Guia PMBoK). 5th Edition, 14 Campus Boulevard, 2013.

Raftery J. Risk analysis in project management. London: E & FN Spon, 1994.

Raz, T, Michael, E. (2001). Use and benefits of tools for project risk management. International Journal of Project Management, Vol. 19.

Restrepo, F. J. (2012). Riesgo Reputación y las Fallas del Mercado en los Proyectos Privados. Iberoamerican Journal of Project Management, Vol. 3.

Standards Australia. AS/NZS 4360 - Risk management. Home-bush, NSW, 1999.

Verbeno C, Venturini K. (2013). Managing Risks in SMEs: A Literature Review and Research Agenda. Journal of Technology Management and Innovation, Vol. 8.

Ward, S, Chapman, C. (2003). Transforming project risk management into project uncertainty management. International Journal of Project Management, Vol. 21.

Williams, T. (1995). A classified bibliography of recent research relating to project risk management. European Journal of Operational Research, Vol. 85.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção