Um estudo bibliométrico aplicado a exposição cambial e estratégias de contratação de hedge

Fábio Moutinho Rocha, Juliana de Castro Reis, Ricardo Bordeaux-Rego

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo apresentar um estudo bibliométrico aplicado a exposição cambial e estratégias de contratação de hedge, buscando entender qual o estado da arte da produção científica nesta área acadêmica. O trabalho foi iniciado através da definição de uma árvore de palavras-chaves, a qual foi utilizada para uma busca na base de dados Scopus, com o objetivo de identificar todo o conteúdo científico produzido e publicado. Foi aplicada uma metodologia para tratamento dos dados e obtenção de um portfólio final de artigos, apoiada pelo software de catalogação bibliogáfica Zotero® e pela ferramenta de análise e visualização Refviz®. Através da pesquisa, constatou-se que houve um aumento recente das publicações sobre o tema, atingindo o seu pico nos anos de 2011 e 2013. Observou-se também uma grande concentração das publicações na área de estudo de “Economia, Econometria e Finanças”, sendo a maior parte desses estudos publicados pelos Estados Unidos.


Palavras-chave


bibliometria; exposição cambial; hedge

Texto completo:

PDF

Referências


Agyei-Ampomah, S.; Mazouz, K.; Yin, S. (2013). The foreign exchange exposure of UK non-financial firms: A comparison of market-based methodologies. International Review of Financial Analysis; v. 29; p. 251-260.

Alves, M.; Teixeira, N; Rita, R. (2007). A gestão do risco cambial, as fontes de risco e as técnicas de pagamento: um estudo de caso. XXI Congresso Anual AEDEM, Universidad Rey Juan Carlos, Madrid.

Barreto, R. G. Operações de hedge cambial em empresas não financeiras: um estudo de caso das empresas Aracruz Celulose e Sadia. Fundação Getúlio Vargas, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, 2011.

Boczko, A. (2005). International Payment Risk. Financial Management. Mar: 35-37.

Bonilla, C.; Merigó, J. M.; Torres-Abad, C. (2015). Economics in Latin America: a bibliometric

Analysis. Scientometrics; v. 105(2); p. 1239–1252.

Bordeaux, R. (2016). Notas de aula da disciplina de Finanças Internacionais de 2016 ministrada pelo Prof. Ricardo Bordeaux - UFF- TPP.

Bradley, K.; Moles, P. (2002). Managing strategic exchange rate exposures: evidence from U.K. firms. Managerial Finance, Vol. 28 No. 11, pp. 28-42.

Chan, K. C.; Chang, C. H.; Chen, C. R. (2011). Financial research in the European region: a long term assessment (1990–2008). European Financial Management; v. 17(2); p. 391–411.

Dhanani, A. (2004). The Management of Foreign Exchange-Rate Risk: A Case from the Manufacturing Industry, ProQuest, ID 613489871.

Dong, L.; Kouvelis, P.; Su, P. (2014). Operational hedging strategies and competitive exposure to exchange rates. International Journal of Production Economics; v. 153; p. 215-229.

Du, H. B.; Li, B. L.; Brown, M. A. (2015). Expanding and shifting trends in carbon market research: A quantitative bibliometric study. Journal of Cleaner Production, 103, 104–111.

Echaust, K. (2014). How firms can hedge against market risk. Studies in Logic, Grammar and Rhetoric; v. 37 (50); p. 39-49.

Fagerberg, J.; Fosaas, M.; Saprasert, K. (2012). Innovation: exploring the knowledge base. Research Policy; v. 41(7); p. 1132–1153.

Farhi, M. (1999). Derivativos financeiros: hedge, especulação e arbitragem. Economia e Sociedade, Campinas, (13): 93-114.

Farias Filho, J. R. (2012). Ensaio teórico sobre pesquisa bibliográfica em estratégia de operações. Niterói: UFF/TEP. (Apostila da Disciplina de Gestão de Operações – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção).

Fonseca, E. N. Bibliometria: teoria e prática. São Paulo: Cultrix, Ed. da USP, 1986.

Guttmann, R. (2008). Uma introdução ao capitalismo dirigido pelas finanças. Revista Novos Estudos Cebrap, n. 82, pp. 11-33.

Hsieh, P. N.; Chang, P. L. (2009). An assessment of world-wide research productivity in production and operations management. International Journal of Production Economics; v. 120(2); p. 540–551.

Huai, C.; Chai, L. (2016). A bibliometric analysis on the performance and underlying dynamic patterns of water security research. Scientometrics. DOI 10.1007/s11192-016-2019-x

Hull, J. C. (1997). Options, futures and other derivatives. Upper Saddle River (NJ): Prentice Hall.

Ito, T.; Koibuchi, S.; Sato, K.; Shimizu, J. (2016). Exchange rate exposure and risk management: The case of Japanese exporting firms. Journal of the Japanese and International Economies; v. 41; p. 17-29.

Jacques, L. (1981). Management of foreign exchange risk: a review article. Journal of International Business Studies, Vol. 12 No. 1, pp. 81-101.

Landström, H.; Harirchi, G.; Aström, F. (2012). Entrepreneurship: exploring the knowledge base. Research Policy; v. 41(7); p. 1154–1181.

Mao, G.Z.; Liu, X.; Du, H.; Zuo, J.; Wang, L.Y. (2015). Way forward for alternative energy research: A bibliometric analysis during 1994–2013. Renew Sustain Energy, v. 48, p. 276–286.

Marques, P.; Mello, P.; Martines, F. (2006). Mercados futuros e de Opções agropecuárias. Piracicaba: Dep. de Economia, Administração e Sociologia, Série Didática, n.º D-219.

Matos, J. Finanças Internacionais. Editorial Presença, Lisboa, 1992.

Merigó, J.M.; Rocafort, A.; Aznar-Alarcón, J.P. (2016). Bibliometric Overview of Business & Economics Research. Journal of Business Economics and Management 17 (3), p. 397-413.

Muller, A.; Verschoor, W. F. C. (2006). Foreign exchange risk exposure: Survey and suggestions. Journal of Multinational Financial Management, v16, p. 385–410.

Pilkington, A.; Meredith, J. (2009). The evolution of the intellectual structure of operations management – 1980–2006: a citation/co-citation analysis. Journal of Operations Management; v. 27(3); p. 185–202.

Rupeika, A. (2005). Nowadays Approach to Foreign Exchange Risk Management. ProQuest, ID 912495161.

Stern, D. I. (2013). Uncertainty measures for economics journal impact factors. Journal of Economic Literature; v. 51(1); p. 173–189.

Tavares Treinta, F.; Farias Filho, J. R.; Sant’Anna, A. P.; Rabelo, L. M. (2013). Metodologia de pesquisa bibliográfica com a utilização de método multicritério de apoio à decisão. Revista Produção Online, vol.24 no.3. São Paulo.

Van Eck, N.; Waltman, L. (2007). Bibliometric mapping of the computational intelligence field. International Journal of Uncertainty, Fuzziness and Knowledge-Based Systems, 15(5), 625-645.

Van Eck, N.; Waltman, L. (2013). VOSviewer manual. Leiden: Universidade de Leiden, Holanda.

Vanti, N. A. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 2, p. 152-162.

Võsner, H. B.; Kokol, P.; Bobek, S.; Zeleznik, D.; Zavrsnik, J. (2016). A bibliometric retrospective of the Journal Computers in Human Behavior (1991-2015). Computers in Human Behavior, v. 65, p. 46-58.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção