Releituras: revisitando o trabalho com a literatura no cotidiano da sala de aula

Cláudia Cristina dos Santos Andrade, Stella Maris Moura de Macedo

Resumo


Na figura da mulher de Oslo, uma metáfora do professor no qual acreditamos: o que encanta, contando histórias diariamente, colocando a literatura na roda, nas Rodas de Leitura, como fundação e fundamento da prática pedagógica, isto é, como ação que inaugura um elemento fundamental: a leitura – alicerce, causa, razão de ser.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. Receita pra comer queijo. Disponível em http://www.rubemalves.com.br/receitaprasecomerqueijo.htm. Acesso em maio de 2012.

AULETE DIGITAL. Acesso em maio de 2012.

BANDEIRA, Pedro. O fantástico mistério de Feiurinha. São Paulo: FTD, 1986.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 8. ed. Trad. Michel Lahud & Yara Frateschi Vieira São Paulo: Hucitec, 1997.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

_______. Pedagogia da indignação. Cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

KRAMER, Sônia. Leitura e escrita como experiência – notas sobre seu papel na formação. In: ZACCUR, Edwiges. A magia da linguagem. Rio de

Janeiro: DP&A Editora, 2000.

LISPECTOR, Clarice. A descoberta do mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

MACHADO, Ana Maria. Como e porque ler os clássicos universais desde cedo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

QUEIRÓS, Bartolomeu Campos. O livro é passaporte, é bilhete de partida. In: PRADO, Jason; CONDINI, Paulo (orgs.). A formação do leitor: pontos de vista. Rio de Janeiro: Argus, 1999.

TORERO, José Roberto; PIMENTA, Marcus Aurelius. Chapeuzinhos Coloridos. Il. Marilia Pirillo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.