CONTRIBUTOS OPERÁRIOS PARA A EDUCAÇÃO POPULAR EM PORTUGAL. O CASO DA FÁBRICA DE CONSERVAS S. FRANCISCO, DA EMPRESA JÚDICE FIALHO, EM PORTIMÃO.

Helder Raimundo

Resumo


Este artigo debruça-se sobre o período histórico do pós revolução de abril de 1974, a abril de 1976, usando como quadro concetual a noção de educação popular e como contexto empírico a fábrica de conservas “S. Francisco” da empresa Júdice Fialho, localizada na cidade de Portimão. Pretende abrir algumas ideias para perceber de que forma o operariado se organizou em comissões de base, para lutar em defesa de melhores condições de vida e de trabalho. Pretende, ainda, compreender os mecanismos usados para desenvolver um processo educativo de aprendizagem autónoma e emancipatória relativa ao trabalho e à vida social.

Palavras-chave


Autonomia; educação popular; emancipação social.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/tn.11i16.p8447

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fontes de Indexação:

        

 

Apoio:

          Resultado de imagem para abec brasil logo

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Contador de visitas
Contador de visitas

acessos a partir de 21/09/2018.