PARCERIAS PARA A GESTÃO DO USO PÚBLICO EM PARQUES

Douglas de Souza Pimentel

Resumo


Os parques são icônicos na discussão sobre a conservação da biodiversidade aliada a visitação dessas áreas protegidas. O presente artigo tem por objetivo discutir os conceitos e atividades relacionadas ao uso público em unidades de conservação (UCs). O uso público é conceituado como o uso indireto dos recursos ambientais nas diferentes formas de visitação de uma UC e, portanto, deve sempre ser orientado pelos preceitos da sustentabilidade e mitigação de impactos. Assim, a pesquisa científica, a educação e interpretação ambiental, a recreação em contato com a natureza, bem como o turismo ecológico são classificados como uso público. Porém essas atividades causam impactos ambientais negativos, que devem ser monitorados e manejados. O Grupo de Estudos Interdisciplinares da UERJ vem estabelecendo parcerias com o Museu de Arqueologia de Itaipú, o Parque Estadual da Serra da Tiririca e o Parque Nacional da Serra dos Órgãos para o desenvolvimento de atividades de ensino e pesquisa com o intuito de fomentar a educação ambiental e o monitoramento de impactos. Frente aos conceitos e experiências apresentadas o artigo aponta as vantagens do estabelecimento de parcerias entre os gestores do uso público de parques e a universidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ABAKERLI, S. A critique of development and conservation policies in environmentally sensitive regions in Brazil. Geoforum, Amsterdam, v.32, p. 551-556, 2001.

ARAUJO, G.P.; GELBCKE, D.L. Turismo Comunitário: uma perspectiva ética e educativa de desenvolvimento. Revista Turismo Visão e Ação – Eletrônica, v.10, n.3. p.357-378, 2008.

BENSUSAN, N. Conservação da biodiversidade em áreas protegidas. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2006. 176 p.

BOO, E. O planejamento ecoturístico para áreas protegidas. In: LINDBERG, K.; HAWKINS, D.E. (Ed.). Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. 2. ed. São Paulo: Ed. SENAC, 1999. cap. 1, p. 31-57.

BRASIL. LEI Nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza(SNUC). Brasília: IBAMA, Diretoria de Ecossistemas, 2002. 35 p.

BRASIL. Instrução Normativa Nº 154, de 01 de Março de 2007. Institui o Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade (Sisbio) e o Comitê de Assessoramento Técnico do Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade (CAT-Sisbio). Brasília: IBAMA. 2007.

CIFUENTES, M. Determinación de capacidad de carga turística em áreas protegidas. WWF/CATIE. Turrialba, Costa Rica. 1993. 26p.

DIAS, G.F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Ed. Gaia, 2003. 551 p.

DIEGUES, A.C. O mito moderno da natureza intocada. 5. ed. São Paulo: Hucitec; Núcleo de apoio à pesquisa sobre populações humanas e áreas úmidas brasileira.USP, 2004. 169 p.

GODOY, A. O modelo de natureza e a natureza do modelo. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 4, n. 14, p. 129-138, 2000.

GRAEFE, A.R.; KUSS, F.R.; VASKE, J.J. Visitor Impact Management. The Planning Framework. National Parks and Conservation Association, Washington, D.C., v.2. 1990. 105 p.

LOUREIRO, C.F.B. Educação ambiental e gestão participativa na explicitação e resolução de conflitos. Gestão em Ação, Salvador, v. 7, n. 1, p. 1-16, jan./abr. 2004.

MAGRO, T.C. Impactos do uso público em uma trilha no planalto do Parque Nacional de Itatiaia. 1999.135 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. São Carlos.

MAGRO, T. C. Percepções do Uso Público em UCs de Proteção Integral. In: Alex Barger. (Org.). Áreas Protegidas: Conservação no Âmbito do Cone Sul. Pelotas. Pelotas, v. 1, p. 87-98, 2003.

MANING, R.E. Density, crowding and satisfaction: search for relationships. In: Studies in outdoor recreation. Ovvallis: Oregon State University press, 1986. p. 49-77. cap. 5.

MANNING, R.E.; LIME, D.W.; HOT, M. et al. The visitor experience and resource protection (VERP) process: the application of Carrying Capacity to Arche National Park. The George Wright Forum. v.12., n. 3, p. 41-55, 1995.

MATTA, R. F.; PIMENTEL, D. S.; FERREIRA, M. S.A Educação Ambiental como Mediadora na Diluição de Fronteiras Interinstitucionais. In: Giovanni Seabra; Ivo Mendonça. (Org.). Educação Ambiental: Responsabilidade para a Conservação da Sociobiodiversidade. 2. ed. .João Pessoa: Editora Universitária da UFPB , 2011. v. 4, p. 1461-1469.

MEIRELES, C. P.; PIMENTEL, D. S. A Educação Ambiental como mediadora na mudança de percepção sobre o Parque Estadual da Serra da Tiririca (Niterói/Marica - RJ). In I Enconto Científico do Parque Estadual da Serra da Tiririca. Anais... Universidade Federal Fluminense: Niterói-RJ. p.43-49, 2008.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Programa Nacional de Educação Ambiental – ProNEA. Diretoria de Educação Ambiental; Ministério da Educação. Coordenação Geral de Educação Ambiental. 3. ed. Brasília:MMA, 2005. 102 p.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Diretrizes para a Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental em Unidades de Conservação. ICMBio. , 2012. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/publicacao_encea.pdf.>. Acesso em: 3 maio 2013.

NATIONAL PARK SERVICE. Yellowstone National Park. Disponível em: . Acesso em: 02 Maio 2013.

NILSEN, P.; TAYLER, G. A Comparative Analysis of Protected Area Planning and Management Frameworks. In: McCool, Stephen F.; Cole, David N., comps. Proceedings - Limits of Acceptable Change and related planning processes: progress and future directions; Missoula, MT. Gen. Tech. Rep. INT-GTR-371. Ogden, UT: U.S. Department of Agriculture, Forest Service, Rocky Mountain Research Station, 1998. p.49-58.

PASSOLD, A. J. Seleção de indicadores para o monitoramento do uso público em áreas naturais. 2002. 75 p. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais, com opção em Conservação de Ecossistemas Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002.

PIMENTEL, D.S.; MAGRO, T.C. The symbolic sphere and social representations of Serra da Tiririca State Park, Rio de Janeiro, Brazil. Sociedade & Natureza, Uberlândia, ano 23, n. 2, p. 275-283, 2011.

PIMENTEL, D.S.; MAGRO, T. C. Múltiplos olhares, muitas imagens: o manejo de parques com base na complexidade social. GEOgraphia (UFF). , v. 2011, p. 92 - 113, 2012.

PIMENTEL, D.S.; MAGRO, T.C. Diferentes Dimensões da Educação Ambiental para a Inserção Social dos Parques. Revista Brasileira de Educação Ambiental, Rio Grande, Número Especial, v. 2012, p. 44-50. No prelo.

PIMENTEL, D. S.; MAIA, S.; BARROS, A.A.M. A extensão universitária na trilha do uso público em parques. Interagir (UERJ), v. 2010, p. 95-99, 2012.

SANTOS, D.C.R. Diagnóstico das ações de Educação Ambiental em Parques Estaduais do Rio de Janeiro. 2013. 48p. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Biológicas). Faculdade de Formação de Professores – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2013.

SILVA, N.P.S.; COSTA NETO A.R. A educação ambiental como instrumento de sensibilização turística em unidades de conservação. 3. ed. Revista Eletrônica Aboré, Manaus, 2007. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2008.

STANKEY, G.H.; COLE, D.N.; LUCAS, R.C et al. The limits of acceptable change (LAC) system for wilderness planning. General Technical Report INT-176. Ogden, UT. USDA Forest Service Intermountain Forest and Range Experiment Station, 1985. 37p.

STANKEY, G. H., MCCOOL, S. F.; STOKES, G. L. Managing for appropriate wilderness conditions: The carrying capacity issue. In J. C. Hendee & G. H. Stankey & R. C. Lucas (Ed,.), Wilderness Management. 2.ed. 1990. p. 215-239.

TAKAHASHI, L. Uso público em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, Curitiba, v. 2, n. 2, out. 2004. 40 p.

TAKAHASHI, L.Y.; MILANO, M.S.; TORMENA, C.A. Indicadores de impacto para monitorar o uso público no Parque Estadual Pico do Marumbi, Paraná. Revista Árvore. v.29, n.1, p.159-167, 2005.

UNESCO. Educação ambiental: as grandes orientações da Conferência de Tbilisi. Brasília: Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis, 1998. 154 p.

VASCONCELLOS, J.M. Educação e interpretação ambiental em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, Curitiba, v. 3, n. 4, 86 p. dez. 2006.

WATSON, A.E. Wilderness use in the year 2000: societal changes that influence human relationships with wilderness. USDA forest service proceedings RMRS, v.4, p.53-60, 2000.

WATSON, A.E.; LANDRES, P. Changing wilderness values. In: CORDELL, H. K. (Org.). Outdoor recreation in American life: a national assessment of demand and supply trends. Champaign, IL: Sagamore, 1999. p.384-388.

WEST, P.; IGOE, J.; BROCKINGTON, D. Parks and people: the social impact of protected areas. Annual Review of anthropology, Palo Alto, v. 35, p. 251-277, 2006.

WESTERN, D. Prefácio: definindo ecoturismo. In: LINDBERG, K.; HAWKINS, D.E. (Ed.). Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. 2. ed. São Paulo: Ed. SENAC, 1999. p.13-22.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.