MAPEAMENTO DAS TRILHAS DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DA TIRIRICA (RJ): PLANEJAMENTO PARA A GESTÃO DO USO PÚBLICO

Bruno Fernandes G. Cova, Douglas de Souza Pimentel

Resumo


O Parque Estadual da Serra da Tiririca representa um caso emblemático de área protegida cercada por uma malha urbana. O uso público dessas trilhas pode causar grandes impactos que devem ser monitorados e mitigados. Entre muitos problemas relacionados à utilização de trilhas, há a compactação e erosão do solo, aparecimento de voçorocas e ravinas, movimentos de massa graves, aparecimento de espécies exóticas, queimadas, vandalismo, entre outros. O uso público dessas trilhas é agravado pelo fato desse parque estadual não ter ainda um plano de manejo. Além disso, é esperado um aumento da visitação, relacionado aos grandes eventos esportivos no Rio de Janeiro. Esse trabalho objetiva mapear e gerar uma descrição de trilhas do Parque com o intuito de monitorar, evitar ou mitigar impactos relacionados aos diferentes usos. Os inícios da trilha do Bananal e do Morro das Andorinhas estão bastante impactados. A segunda precisa ser estruturada para o trabalho de Educação Ambiental com crianças. Então mais do que nunca é preciso lutar e preservar para os futuros visitantes essas áreas que guardam além da riqueza natural da Mata Atlântica, um passado de ocupação histórico-cultural que marca o processo de formação sócio-espacial do estado do Rio de Janeiro.


Texto completo:

PDF

Referências


BAYFIELD, N.G. Approaches to reinstatement of damage footpaths in the Three Peaks area of the Yorkshire Dales National Park.In Beel, M. Bunce, R.G. H. (Ed.) Agriculture and conservation in the hills and uplands.Grand-over-sands.NERC/ITE, 1987. p. 78-87.

BAYFIELD, N.G.; McGOWANN, G.M. Footpath Survey-1986.Institute of Terrestrial Ecology.Three Peaks Project. ITE Report No. 1, Banchory, Escócia, 1986. 49 p.

BRASIL. Lei Nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Decreto nº 4.940, de 22 de Agosto de 2002. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC). Brasília: IBAMA, Diretoria de Ecossistemas, 2002. 35 p.

FIGUEREIDO, M. A; BRITO, I. A; SANTANA, W.A et al. Compactação do Solo em Trilhas de Unidades de Conservação. Mercator, v. 9, n. 19, p. 165-174, 2010.

MAGRO, T. C. Impactos do Uso Público em uma trilha no Planalto do Parque Nacional de Itatiaia. 1999. 135 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Escola de Engenharia de São Carlos. Universidade de São Paulo. São Carlos.

MAGRO, T.C.; FREIXÊDAS, V.M. Trilhas: Como Facilitar a Seleção de Pontos Interpretativos. Circular Técnica IPEF, 1998.

PASSOLD, A.J.; MAGRO, T.C.; COUTO, T.Z. Comparing indicator effectiveness for monitoring visitor impact at Intervales State Park, Brazil: Park Ranger- Measured Versus Specialist-Measured Experience. Working Papers of the Finnish Forest Research Institute, v. 2, p. 51-57, 2004.

PIMENTEL, D.S. Os parques de papel e o papel social dos parques, 2008. 254 f. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz – Universidade de São Paulo. 2008.

PIMENTEL, D.S; MAGRO, T.C. Múltiplos olhares, muitas imagens: O manejo de parques com base na complexidade social 2011. GEOgraphia - Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense, p.92-113, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.