CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA PARA O USO PÚBLICO SUSTENTÁVEL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Edileuza Dias de Queiroz

Resumo


Este artigo tem a pretensão de contribuir com reflexões acerca do uso público sustentável em Unidades de Conservação, especialmente na categoria Parque. Tornam-se relevantes estudos sobre territórios dessa natureza, especialmente em regiões carentes de investimentos de toda ordem, a fim de torná-las mais valorizadas pela comunidade e também pelo poder público. Este artigo é fruto de reflexões e ações oriundas de discussões em um grupo de estudo e pesquisas em Educação Ambiental (EA) de uma universidade pública do Rio de Janeiro, que culminou com a produção de um projeto de extensão para educadores ambientais da Baixada Fluminense-RJ. Discute, à luz do referencial crítico da EA, a questão da sustentabilidade e suas múltiplas vertentes; os objetivos das Unidades de Conservação e sua relação com o território e com a sociedade; a inserção social nesses territórios através da EA; bem como traz uma proposta para o uso público efetivo em Unidades de Conservação através da EA. São apontados caminhos que levam à formulação de instrumentos estratégicos que possam subsidiar atividades sustentáveis, de maneira efetiva, em Unidades de Conservação, o que representa mais uma contribuição da EA na busca por uma sociedade ambientalmente sustentável.


Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, B. Unidades de Conservação: abordagens e características geográficas. In: GUERRA, A.J.; COELHO, M.C. (Org.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

BRASIL. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC). LEI N. º 9.985 de 18 de julho de 2000 e Decreto N.º 4.340 de 22 de agosto de 2002. 2. ed. Brasilia: Ministério do Meio Ambiente, 2002.

COELHO, M. C.; CUNHA, L. H.; MONTEIRO, M. A. Unidades de Conservação: populações, recursos e territórios. abordagens da geografia e da ecologia política. In: GUERRA, A.J.; COELHO, M.C. (Org.). Unidades de Conservação: abordagens e características geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

DIEGUES, A. C. Desenvolvimento sustentado, gerenciamento geoambiental e o de recursos naturais. Cadernos FUNDAP, São Paulo, ano 9, n. 16, p. 33-45, jun. 1989.

_______. O Mito Moderno da Natureza Intocada – 6. ed. ampl. São Paulo: Hucitec; Nupaub-USP/CEC, 2008.

_______. Desenvolvimento sustentável ou sociedades sustentáveis: da crítica dos modelos aos novos paradigmas. In: Perspectivas, São Paulo, v. 6, n. 1-2, jan./jun. 1992.

GUIMARÃES, M. Sustentabilidade e Educação Ambiental. In: CUNHA, S.B. ; GUERRA, A.J.T. (Org.). A questão ambiental: diferentes abordagens. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

_______. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus, 2004.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. São Paulo: Cortez, 2001.

MAGRO, T.C. Impactos do uso público em uma trilha no planalto do Parque Nacional de Itatiaia.1999. Tese (Doutorado em Engenharia)- Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

NIMA - Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente. Educação ambiental: formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania no Município de Nova Iguaçu. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2010.

PIMENTEL, D. S. Os “parques de papel” e o papel social dos parques. 2008. 254 p. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal)- Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

QUINTAS, J. S. Educação no Processo de Gestão Ambiental: Uma Proposta de Educação Ambiental, Transformadora e Emancipatória. 2004.

PINTO, V.P. dos S.; ZACARIAS, R. Crise Ambiental: adaptar ou transformar? As diferentes concepções de educação ambiental diante deste dilema. Educ.foco, Juiz de Fora, v. 14, n. 2, p. 39-54, set. 2009-fev. 2010.

RODRIGUES, J. do N.; PLÁCIDO, P. de O. Educadores ambientais críticos: na disputa de sentidos, a superação. Revista Eletrônica do Mestrado Educação Ambiental, v. 26, p. 352-364, jan./jun. 2011.

SANTOS, M. et al. Território, territórios: ensaios teóricos sobre o ordenamento territorial. 3. ed. 1. reimpr. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

TAKAHASHI, L. Uso público em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, Curitiba, v. 2, n. 2, 2004.

TRIGUEIRO, A. Mundo sustentável: abrindo caminho na mídia para um planeta em transformação. São Paulo: Editora Globo, 2005.

VALLEJO, L. R. Unidades de Conservação: uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e políticas Públicas. In: GEOgraphia, Niterói, v. 4, n. 8, p. 57-78, 2002.

VALENTI, M. E. et al. Educação Ambiental em Unidades de Conservação: políticas públicas e a prática educativa. In: Educação em Revista, v. 28, n. 1, p. 267-288, 2012.

ZBOROWSKI, M. B. Conflitos ambientais na Baía de Sepetiba: o caso dos pescadores atingidos pelo processo de implantação do complexo industrial da Companhia Siderúrgica do Atlântico (ThyssenKrupp CSA). 2008. Dissertação (Mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social)– Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.