USO PÚBLICO EM ÁREAS PROTEGIDAS: UM ROTEIRO DE ATIVIDADES PARA FORTALECIMENTO DE VIVÊNCIAS E CONSCIENTIZAÇÃO ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Lanúzia Quintanilha, Luiz Renato Vallejo

Resumo


A educação ambiental é uma importante ferramenta de sensibilização e formação de cidadãos conscientes. O uso público e as atividades educativas em áreas protegidas são estratégias de aproximação entre a sociedade e meio ambiente. Além de contribuir para melhoria do trabalho dos educadores, é possível promover a conscientização dos visitantes sobre diversos temas ambientais. O artigo apresenta uma relação sistematizada de 17 atividades educativas que podem ser aplicadas em Unidades de Conservação, valorizando seu potencial e auxiliando os educadores ambientais a desenvolverem vivências integradas ao meio ambiente, despertando atitudes conservacionistas, além de experiências sensoriais e de reflexão crítica.


Texto completo:

PDF

Referências


ABIGAIL, S. Convenção sobre Diversidade Biológica: Uma visão a partir do Brasil. In: DIMENSÕES HUMANAS DA BIODIVERSIDADE, Editora Vozes, Petrópolis. 2006, pp. 113-133.

CARVALHO, J.; BOÇON, R. Planejamento do traçado de uma Trilha interpretativa através da caracterização florística. Revista Floresta, Curitiba, v. 34, n. 1. 2004, p. 23-32.

CHAGAS, R.R.D. O potencial dos espaços públicos de Aracaju (SE) como locais de desenvolvimento de práticas em Ecologia: sugestões e aplicação. Monografia de Conclusão de Curso. Departamento de Biologia, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2005, 43p.

FRANCA, N. Educação Ambiental em Unidades de Conservação. Programa Petrobrás Ambiental – Ibase. 2006, 27p.

GALINDO-LEAL, C.; Câmara, I.G.; Lamas, E.R. Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. Fundação SOS Mata Atlântica, Conservação Internacional, Belo Horizonte, 2005. 472 p.

GOMES, D.V. Educação para o consumo ético e sustentável. Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v.16. 2006. Disponível em: . Acesso em 25/02/2014.

MENDES, A. F.; SOUZA, S. A. DE; TABANEZ, M. F. 2007. A Trilha Interpretativa das Árvores Gigantes do Parque Estadual de Porto Ferreira na modalidade autoguiada. Revista Instituto Florestal, São Paulo, v.19, n. 2. 2007, p. 173-188.

METTE, G.; SILVA, J. C. D.; TOMIO, D. Trilhas interpretativas na Mata Atlântica: uma proposta para Educação Ambiental na escola. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, FURG-ES, v. 25. 2010.

MMA (Ministério do Meio Ambiente). Diagnóstico da visitação em parques nacionais e estaduais. Brasília, Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2005.

MMA (Ministério do Meio Ambiente). Unidades de Conservação do Brasil. 2007.

OLIVE, M. M. De mãos dadas com a Natureza – Guia de Educação Ambiental para pais e professores. Salamandra, Rio de Janeiro, n.7. 1991, 35p.

OLIVEIRA, L. F. Educação Ambiental – Guia Prático para professores, monitores e animadores culturais e de tempos livres. Texto Editora, Lisboa, 1989, 112 p.

PERALTA, C.H.G. Experimentos Educacionais: eventos heurísticos transdisciplinares em Educação Ambiental. In: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ABORDAGENS MÚLTIPLAS. Artmed, Porto Alegre, 2002.

SILVA, P. M. S.; AMORIM, V. E. P.; NETO, S. P. S.; PERES, M. C. L.; CERQUEIRA, M. B. Unidade de Conservação Urbana como espaço educativo: práticas com alunos do Ensino Fundamental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, FURG-ES, v. 25, 2010.

QUEIROZ, H.L. Uma experiência de conservação na várzea da Amazônia brasileira. Neotropical Primates, v.2, n.1. 1994, p. 12-13.

VALENTI, M.W.; OLIVEIRA, H.T.; DODONOV, P.; SILVA, M.M. Educação ambiental em Unidades de Conservação: Políticas públicas e a prática educativa. Educação em Revista, v.28, n.1. 2012, p. 267-288.

VALLEJO, L.R. Uso público em áreas protegidas: atores, impactos, diretrizes de planejamento e gestão. In: ANAIS USO PÚBLICO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, UFF, Rio de Janeiro, v.1, n.1. 2013, p. 13-26.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.