MÍDIA, USO PÚBLICO E UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: PROBLEMAS NO PARAÍSO

Douglas de Souza Pimentel, Fabíola Saporiti Angerami de Andrade, Daniela Custódio Talora, Teresa Cristina Magro

Resumo


A hipótese dessa investigação é que as UCs são tratadas pela mídia como pequenos “paraísos”, dentro de uma visão antropocêntrica centrada no uso público, sem uma reflexão mais profunda sobre os problemas inerentes à essa atividade. Este trabalho pretende avaliar como um veículo da mídia, a revista “Caminhos da Terra”, considera o tema unidades de conservação nacionais, frente a essa hipótese. A metodologia utilizada foi a Análise de Conteúdo. Esperava-se que a visão de paraíso intocado fosse a predominante uma vez que a revista se preocupa também em vender seus espaços para propagandas relacionadas ao lazer e turismo. No entanto, essa hipótese não se confirmou, pois a visão prevalecente foi a técnico-conservacionista. Esses resultados podem estar expressando as recorrentes citações aos tipos de UCs, ao IBAMA e a Conservação, de maneira genérica. A falta de profundidade na abordagem destes assuntos acaba banalizando os problemas apresentados e generalizando soluções. Assim, tratar desses temas para o público em geral demanda uma postura mais crítica e embasada dos repórteres e isso parece não ocorreu para o período analisado desta revista.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Edições 70. 1977. 229 p.

BURSZTYN, I. Especulação imobiliária no litoral cearense. Caderno virtual de turismo. Rio de Janeiro. Julho 2001. Disponível em: .

FONSECA, G.A.B. The everlasting role of protected areas in biodiversity conservation. In: MILANO, M.S.; TAKAHASHI, L.Y.; NUNES, M.L (Org.): Unidades de Conservação: atualidades e tendências 2004. Curitiba: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. 2004. 208 p.

GÓMEZ-POMPA, A. & KAUS, A. Domesticando o mito da natureza selvagem. In: DIEGUES, A.C. (Org.). Etnoconservação. Novos Rumos para Conservação da Natureza. São Paulo: HUCITEC. 2000. p.125 – 147.

GUEDES, O. Environmental Issues In The Brazilian Press. GAZETTE, v.62 n.6 p.537–554. 2000.

KARAN, G.Z.; ZELLER, R.H.; CONEGLIAN, S.J. A mídia e a conservação da natureza: uma análise da relação entre a imprensa brasileira e as unidades de conservação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO. 3. Anais... Fortaleza: Rede Nacional Pro Unidades de Conservação, Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, Associação Caatinga. v.1, p.661-670. 2002.

PIMENTEL, Douglas de Souza; MAGRO, Teresa Cristina. Diferentes dimensões da Educação Ambiental para a inserção social de parques. Revista Brasileira de Educação Ambiental. v.7, n.2. p. 44-50, 2012a.

____. Múltiplos olhares, muitas imagens: o Manejo de Parques com base na complexidade social. Geographia. P.92-113. 2012b.

PIMENTEL, Douglas de Souza; MAGRO, Teresa Cristina; SILVA-FILHO. Imagens da conservação: Em busca do apoio público para a gestão de unidades de conservação. Teoria e Sociedade. n.19. p.144-169. 2011.

PIMENTEL, Douglas de Souza. Parcerias para a gestão do uso público e parques. In. Vallejo, L.R. Pimentel, D.S. e Montezuma, R.C. (orgs.). Uso Público em Unidades de Conservação. Planejamento, turismo, lazer e impactos. p.21-29. 2015.

SANTOS, Leonardo Bis dos. Trilhas da política ambiental: conflitos, agendas e criação de unidades de conservação. Ambiente & Sociedade, Campinas v. XII, n. 1, p. 133-150. 2009

TERBORGH, J. & VAN SCHAIK, C. Por que o mundo necessita de parques? In: TERBORGH, J.; VAN SCHAIK, C.; DAVENPORT, L.; RAO, M. (Org.). Tornando os Parques Eficientes: estratégias para a conservação da natureza nos trópicos. Curitiba: UFPR; Fundação O Boticário de proteção à Natureza. 2002. p. 25-36.

WATSON, A.E. & LANDRES, P. Changing wilderness values. In: CORDELL, H. K. (Org.). Outdoor recreation in American life: a national assessment of demand and supply trends. Champaign, IL: Sagamore ,1999.p. 384-388.

WATSON, A.E. Wilderness use in the year 2000: societal changes that influence human relationships with wilderness. USDA forest service proceedings RMRS, v.4, p.53-60, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.