ESTUDO DO PERFIL SOCIOECONÔMICO DAS COMUNIDADES DO ENTORNO DO PARQUE ESTADUAL DA LAGOA DO AÇU, RJ.

Kelly Pinheiro dos Santos, Luiz de Pinedo Quinto Junior, Vicente de Paulo Santos de Oliveira

Resumo


Com a crescente industrialização, após a revolução industrial o homem tem promovido uma série de transformações, tanto ambientais quanto sociais. Sendo estabelecidos alguns critérios e normas para criação, implantação e gestão das unidades de conservação no Brasil de forma integrada. Entretanto essas normas e critérios têm provocado uma série de conflitos enfrentados pelos gestores. Diante desses conflitos, e visando caracterizar o perfil socioeconômico, foram aplicados questionários semiestruturados em três das comunidades próximas ao Parque Estadual da Lagoa do Açu, em que os resultados apontam para um distanciamento da população local com a implantação deste, uma vez que a maioria dos entrevistados não conhece o parque e classificam sua implantação como sendo ruim. Desta forma, a articulação entre o poder público e a sociedade civil e a gestão compartilhada seriam formas de minimizar os conflitos.


Texto completo:

PDF

Referências


AGRESTI,A; FINLAY, B. Statistical Methods for the Social Sciences. Pearson/Prentice Hall. 2009. 609 p.

ARRUDA, D. A política regional no Brasil: Uma análise dos planos para o partir da visão sistêmica. Cadernos do Desenvolvimento. Rio de Janeiro, v.6 n. 9, p. 61-91, jul./dez. 2011.

BIDEGAIN, P. Lagoas do Norte Fluminense: perfil ambiental. Rio de Janeiro: Fundação Superintendência de Rios e Lagoas (SERLA), 2002. 148 p. (Boletim, 14);

BRASIL. (2000) Lei nº 9.985, de 18 de Julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Brasília.

COSTA,M.B. Uso cobertura do solo do Parque Estadual da Lagoa do Açu.Dissertação( mestrado). Instituto Federal Fluminense, RJ.2013.

GONÇALVES, N. M.;HOEFFEL,J.L.M. Percepção ambiental sobre unidades de conservação: os conflitos em torno do Parque Estadual de Itapetinga- SP. Revista Vitas- Visões Transdiciplinares sobre ambiente e sociedade. ISSN 2238-1627 nº 3, 2012. Disponível em < www.uff.br/revistavitas.htm > Acesso: 10/04/2014.

INEA. Parque Estadual da Lagoa do Açu . Disponível em: http://www.inea.rj.gov.br/Portal/Agendas/BIODIVERSIDADEEAREASPROTEGIDAS/ . Acesso : 20/11/2014

KURY, K. A., REZENDE, C. E., PEDLOWSKI, M.A. (2010). O Entendimento da População de São João da Barra sobre a Influência do Mega-empreendimento do Complexo Portuário e Industrial do Açu em seu Cotidiano. V Encontro Nacional da Anppas. Florianópolis - SC.

PRIMACK, R.B.; RODRIGUES,E. (2001) Biologia da Conservação. Londrina: Efraim Rodrigues.

SILVA E SILVA, L.H. 2002. Contribuição ao conhecimento da composição microbiana e química das estruturas estromatolíticas da lagoa Salgada, Quaternário do Rio de Janeiro, Brasil. Programa de Pósgraduação em Geologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Tese de Doutorado, 176p.

SILVA, I.R; Rangel,T.A. Impactos sociais, econômicos, culturais e ambientais provocados pela implantação do CLIPA e PELAG na comunidade de Alto Cardeiro, município de São João da Barra/RJ. Monografia (graduação em geografia). Instituto Federal Fluminense, RJ 2014.

SHIRAISH, J, C. Conflitos ambientais em unidades de conservação: Percepções sobre a reserva biológica de Contagem, DF. 2011. Dissertação (mestrado em Desenvolvimento sustentável). Centro de desenvolvimento sustentável. Universidade de Brasília, Brasília.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.