OPERAÇÃO LIMPAOCA- SUBSÍDIOS PARA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ESTAÇÃO ECOLÓGICA (ESEC) DA GUANABARA, RJ

Maria das Graças Silveira Bispo, Rodrigo Gaião Brault de Miranda

Resumo


Aliada à necessidade de conservação de áreas de manguezal em Unidades de Conservação (UCs) e de integração com diferentes setores da sociedade, em especial com as comunidades de pescadores e catadores de caranguejo, foi realizada a OPERAÇÃO LIMPAOCA de coleta de resíduos sólidos em área de manguezal. Participaram das atividades 13 pecadores e catadores de caranguejo, sendo coletados2.850 kg de resíduos totais (2.266 kgde plásticos,324 kgde isopor,167 kgde vidros,77 kgde couro e afins e16 kgde metais), num período de 22 horas. Todo esse material estava sendo carreado pelas águas do Rio Guaxindiba para a Baía de Guanabara.  Sem levar em conta a extensão da área de atuação, a coleta diária foi de 129,5 kg/hora/13 participantes e média de 9,9 kg/coletor. Materiais plásticos predominaram, assim como citado em outras referências.  Resíduos de isopor vieram em seguida, mas devido ao seu grande volume e baixo peso, sua presença foi significativa. Vidro (100 % de lâmpadas) foi o terceiro colocado seguido do grupo mais heterogêneo (couro e afins) e, por fim, o de metais. O material coletado foi avaliado em R$ 4.425,75. Foram desperdiçados no ambiente2.590 kgde petróleo e217 kgde areia, respectivamente, porque os plásticos e vidro não voltaram à cadeia produtiva, via reciclagem. A Operação LIMPAOCA tem um caráter inovador, por se tratar de ação de Política Pública, com abordagem socioeducativa (PNEA) em área de UCs.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M. C. B.; COSTA, F. M. An analysis of the riverine contribution to the solid wastes contamination of an isolated beach at the Brazilian Northeast. Management of Environmental Quality: An International Journal, v. 18 n. 1. P. 6-12. 2007a.

ARAÚJO, M. C. B; COSTA, M. Visual diagnosis of solid waste contamination of tourist beach: Pernambuco, Brazil. Waste Management, vol. 27 , n. 6, p. 833-839. 2007b.

BATISTA, A. D. Meio Ambiente: Preservação e Sustentabilidade. Revista EPeQ/Fafibe, vol. 1, 1ª ed., nov. 2009.

BELARMINO, P. H. P., SILVA, S. M., RUFENER, M. C., ARAÚJO, M. C. B. Resíduos sólidos em manguezal no rio Potengi (Natal, RN, Brasil): relação com a localização e usos. Revista de Gestão Costeira Integrada, v. 14, n. 3, p. 447-457, 2014.

COELHO, A. C., COSTA, M. M. Ações de conservação e coleta de resíduos sólidos no manguezal do araçagy, Ilha de São Luís, Maranhão, Brasil. Apresentado no XIV Congresso Latino-Americano de Ciências do Mar – XIV COLACMAR, Balneário Camboriú (SC/Brasil), 30 de Outubro a 04 de Novembro de 2011.

COELHO, A. C. P., PAIXÃO V. M., OLIVEIRA T. S., RIBEIRO, CARVALHO-NETA, R. N. F. Impactos Causados por tensores de origem antrópica no manguezal do Araçagy – Ilha de São Luís – MA. Anais do VIII Congresso de Ecologia do Brasil, 23 a 28 de Setembro de 2007, Caxambu – MG.

MYERS, N., MITTERMEIR, R. A., MITTERMEIR, C. G., FONSECA, G. A. B. E KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature. v. 403. 24 de fevereiro 2000.

PREFEITURA DE VITÓRIA. Projeto de educação Ambiental – MANGUE VIVO – Ação Integrada de Limpeza do manguezal. Vitória – E S. pp. 16. Agosto, 2005.

SINGARE, P. U., Study of Some Major Non-Biodegradable Solid Wastes Along Thane Creek of Mumbai. World Environment, v. 2, n. 3, p. 24-30, 2012.

VASQUES, R. O., TONINI, W. C. T., CUEVAS, J. M., SANTOS, D. F., FARIA, T. A., FALCÃO, F. C., SIMÕES D. R., BATISTA, R. L. G., COUTO, E. C. G. Utilização das Áreas de Manguezais em Taipús de dentro (Maraú, Sul da Bahia). Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 11, n. 2, p. 155-161, 2011.

VIEIRA, B. P., DIAS, D., NAKAMURA, E. M., ARAI, T. I., HANAZAKI, N., Is there temporal variation on solid waste stranding in mangroves? A study in Ratones mangrove, Florianopolis, Brazil. Biotemas, v. 26, n. 1, p. 79-86, Março de 2013.

VIEIRA, B. P.; DIAS D.; HANAZAKI N. Homogeneidade de Encalhe de Resíduos Sólidos em um Manguezal da Ilha de Santa Catarina, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 11, n. 1, p. 21-30, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.