POTENCIAL DO TURISMO DE BASE COMUNITÁRIA NA COMUNIDADE DA BARRA DO UNA, PERUÍBE/SP*

Mariana Clauzet, Alisson Peter Brito Dopona, Milena Ramires, Paula Chamy

Resumo


Em unidades de conservação de uso direto como as Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS), as populações humanas podem desenvolver atividades econômicas de uso sustentável dos recursos naturais integrando conservação e modos de vida. O presente trabalho analisou o potencial do turismo de base comunitária da Reserva de Desenvolvimento Sustentável da Barra do Una (RDSBU), Peruíbe/ SP, área que integra o Mosaico de Unidades de Conservação Juréia-Itatins (MUCJI), baseando-se no conceito de sustentabilidade definido no Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) e premissas do turismo de base comunitária. Foram realizadas 25 entrevistas com os moradores locais para obtenção de informações relacionadas às áreas naturais de potencial turístico existente na reserva, bem como as condições para o desenvolvimento do turismo de base comunitária. Os moradores entrevistados possuem idade média de 47 anos; 36% deles atuam na pesca artesanal e no comércio e 64% já realizam alguma atividade relacionada ao turismo. Foram indicados 07 pontos com potencial turístico na região: Praia da Deserta, Cachoeira do Paraíso, Praia do Caramborê, Rio Verde, Costão Rochoso, Rio Una e Cachoeira do Guilherme. Destes, dois dos pontos estão localizados na área da Estação Ecológica que por ser uma unidade de conservação restritiva não prevê atividade turística. O outro está inserido no Parque Estadual Itinguçu, onde o turismo já está sendo explorado. Os outros quatro pontos que pertencem legalmente à RDSBU foram caracterizados nesta pesquisa. Concluiu-se que a Vila Barra do Una tem potencial para desenvolvimento do turismo de base comunitária em pontos de praias, rios e cachoeiras, com natureza preservada e alta biodiversidade. Para desenvolvimento da atividade turística local, os dados demonstram que com melhorias em infraestrutura, uma alternativa para geração de emprego e renda voltada para a população local, é a organização do turismo de base comunitária no local.

Texto completo:

PDF

Referências


ADGER, W. N. Social and ecological resilience: are they related? Progress in human geography, 24 (3), 347-364. 2000

ALBUQUERQUE, U. P. L; CUNHA, R. F. P; CRUZ, L. V. F. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Recife – PE: NUPEEA, Volume 1. 2010

ARAUJO, G. P; GELBECKE, D. L. Turismo Comunitário: uma perspectiva ética e educativa de desenvolvimento. Revista Turismo Visão e Ação. 2008

BEGOSSI, A. Small-Scale Fisheries in Latin America: Management Models and Challenges. MAST, v. 9 (2), p.7-31. 2010

BOISCHIO, A. A. P. Poluição de ecossistemas aquáticos e consumo das cadeias alimentares em comunidades de pesca e mariscagem: como a ecologia humana pode ser combinada com a etnoecologia. In: Anais I Encontro Baiano de Etnobiologia e Etnoecologia.1999.

HUN, E. What is traditional ecological knowledge? In: Willians, N.M. e Baines, G. (Ed.) Tradicional Ecological Knowledge: Wisdom for sustainable development. Centre for Resource and Studies. Australia National University. p. 13 – 15. 1993.

INSTITUTO ECO-BRASIL. Jul. 2014. Disponível

em:

Acesso: 01/07/2014.

IRVING, M. Reinventando a reflexão sobre turismo de base comunitária. In: Bartholo, A. R; Sansolo, D. G; Bursztyz, I. (Org.). Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Ed. Letra e Imagem, 2009.

KIMMERER, R. W. Weaving tradicional ecological knowledge into biological education: a call to action. Bioscience 52 (5): 432-438. 2002

LINDBERG, K.; HAWKINS, D. E. Ecoturismo um guia para planejamento e gestão. 3 ed. São Paulo: Senac,. 290 p. 1995

LOPES, P. F. M; SILVANO, R. A. M.; BEGOSSI, A. Extractive and Sustainable Development Reserves in Brazil: resilient alternatives to fisheries? Journal of Environmental Planning and Management. 54 (4): 421-443. 2011

MARQUES, J. G. Pescando pescadores: ciência e etnociência em uma perspectiva ecológica. NUPAUB, USP, São Paulo. 2258 p. 2001

NUNES, M. Do passado ao futuro dos moradores tradicionais da EEJI.(2003).

Dissertação de Mestrado. Departamento de Geografia, FFLCH/USP.

ROSA, F. P. Nativo Mudo e o contraponto da gestão participativa e do turismo de base comunitária na reserva de desenvolvimento sustentável barra do una – Mosaico da Juréia – Itatins. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – UNESP, SP. p. 67. 2007

SÃO PAULO. Diário Oficial Estado de São Paulo. Diário de Justiça Eletrônico – Caderno Judicial – 1º Instância – Interior – Parte II. São Paulo, Ano IV - Edição 845. p 1732. Dezembro, 2010.

SÃO PAULO. Diário Oficial Estado de São Paulo. Diário de Justiça Eletrônico – Caderno Judicial – 2º Instância. São Paulo, Ano VII – Edição 1557. p 609, 610. Dezembro 2013.

SÃO PAULO. Diário Oficial Estado de São Paulo. Diário da Justiça Eletrônico – Caderno Judicial – 1º Instância – Interior – Parte II. São Paulo, Ano VII – Edição 1684. p 2196. Julho 2014.

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO – SNUC. Relatório de Unidades de Conservação. 56 p. 2006


Apontamentos

  • Não há apontamentos.