O USO DA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ POR UMA ESCOLA EM SEU ENTORNO PARA A PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Guilherme Preato Guimarães, Edileuza Dias de Queiroz de Queiroz

Resumo


O uso público em Áreas Protegidas e Unidades de Conservação (UC) no Brasil, é um tema muito debatido e reformulado desde sua gênese. Percebe-se que o debate se aprofunda quando se trata do uso de UC mais restritivas (parques e reservas) no território brasileiro. Dentre as diversas possibilidades desse uso, pensa-se a promoção da Educação Ambiental in lócus como uma proposta integradora e eficiente ao que se refere às funções sociais desses lugares. Dessa maneira, esse estudo busca uma análise acerca dos resultados encontrados em uma pesquisa monográfica realizada entre os anos de 2016 e 2017, a qual investigou o uso da Reserva Biológica do Tinguá para a promoção da Educação Ambiental por uma escola estadual do seu entorno. Como resultados, percebe-se que essas ações encontram-se em estágio incipiente, carecendo de maior parceria interinstitucional, além da constatação de um padrão de Educação Ambiental embasada na pedagogia conservadora, apontando a necessidade de formação continuada para os professores que participaram da pesquisa.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de Julho de 2000. Regulamenta o artigo 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Ministério do Meio Ambiente, Brasília. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm. Acesso em: 29 de maio de 2019.

BORTOLETO, E. M. Identidade, Território, E Pertencimento: A Comunidade Pomerana Em Pancas/Es e a Unidade De Conservação Dos Pontões Capixabas. Anais XVI Encontro Nacional dos Geógrafos. Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre – RS. 2010

COUSIN, C. S. Pertencimento ao lugar e a formação de educadores ambientais: um diálogo necessário. In:VII EPEA - Encontro Pesquisa em Educação Ambiental Rio Claro - SP, 07 a 10 de Julho de 2013. Realização: UNESP campus Rio Claro e campus Botucatu, USP Ribeirão Preto e UFSCar.

GUIMARÃES, G. P. A Educação Ambiental nas Escolas de Tinguá: Desafios E Potencialidades nas Proximidades da Reserva Biológica. 2017. 71 f. Monografia (Graduação) - Curso de Geografia, DeGeo, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, 2017. CD-ROM.

LAYRARGUES, P. P. (Re)Conhecendo A Educação Ambiental Brasileira. In: Identidades da educação ambiental brasileira / Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental; Philippe Pomier Layrargues (coord.). – Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. 156 p.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA. G. F. C. Mapeando as macro-tendências políticopedagógicas

da educação ambiental contemporânea no Brasil. In: VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÂO AMBIENTAL, 2011, Ribeirão Preto-SP. Anais... Ribeirão Preto-SP, 2011. p. 1- 15

MATAREZI, J. Estruturas e espaços educadores: quando espaços e estruturas se tornam educadores. In: Luiz Ferraro Jr. (org.). Encontros e Caminhos I: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores, Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005 (p. 161-173).

MILLER, K. R. Evolução do conceito de áreas de proteção — oportunidades para o século XXI. In: Anais do I Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Curitiba: IAP: UNILIVRE: Rede Nacional Pró Unidades de Conservação, Vol. 1: 3-21. 1997

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência e Educação, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

MORAES, R; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência e Educação, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

MOREIRA, R. Para onde vai o pensamento geográfico? Por uma epistemologia crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Diretrizes para visitação em Unidades de Conservação. Brasília: MMA, 2006

OLIVEIRA, A. L. de, 1985-. A perspectiva participativa para a inserção da educação ambiental crítica em escolas da Baixada Fluminense. 2012. 143 f.

PIMENTEL, D. S. Parcerias para a gestão do uso público em parques. In: Anais – Uso Público em Unidades de Conservação, n. 1, v.1, Niteroi, 2013. Disponível em: http://www.uff.br/usopúblico.

QUEIROZ, E. D. Uso Público no Parque Natural Municipal de Nova Iguaçu-RJ: trilhando entre possibilidades e dificuldades. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Geografia. UFF. Niterói, 2018

RAFFESTIN, C. Per uma geografia del potere. Milão: Unicopli, 1981. In: Bortoleto, E. M. Identidade, Território, E Pertencimento: A Comunidade Pomerana Em Pancas/Es E A Unidade de Conservação Dos Pontões Capixabas. Anais XVI Encontro Nacional dos Geógrafos. Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010.

RODRIGUES, C.G.O.; IRVING, M.A. Os significados de “público” e o compromisso de inclusão social no acesso aos serviços de apoio ao turismo nos parques nacionais. In: IRVING, M.A; RODRIGUES, et al (Orgs.). Turismo, áreas protegidas e inclusão social: diálogos entre saberes e fazeres. 1ª ed. – Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem, 2015

SILVA, D. Q. e SOUZA, G.M. Análise exploratória através de estatística espacial: um estudo de caso na Reserva Biológica do Tinguá. In: Anais do XVII Simpósio de Geografia Física Aplicada. I Congresso Nacional de Geografia Física. UNICAMP, Campinas, SP. p. 6763-6772. 2017

TAKAHASHI, L. Uso público em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, Curitiba, vol.2, nº 2, 2004.

THOMAS, K. 1983. O homem e o mundo natural. São Paulo: Cia. das Letras.

VALLEJO, L. R. Unidades de Conservação: Uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e de políticas públicas. GEOgraphia (UFF), Rio de Janeiro, ano 4, n. 8, p. 77-106, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.