CAMINHOS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM PARQUES

Camila Pinto Meireles, Douglas Camelo R. dos Santos, Douglas de Souza Pimentel

Resumo


A Educação Ambiental (EA) no Brasil é exigida pela legislação, em caráter formal e não-formal, mas nem sempre é desenvolvida plenamente no que se refere à continuidade e ao aprofundamento teórico-metodológico. Esses atributos são necessários ao processo de construção de valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências para a conservação ambiental. Considerando o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, a EA está prevista em todas as categorias, inclusive como um dos objetivos principais dos parques. Desta forma, o presente trabalho visou a integrar alunos de Ensino Médio ao Parque Estadual da Serra da Tiririca - PESET (RJ), para promover a EA, divulgar a unidade de conservação e mudar a percepção dos estudantes sobre o Parque. A base metodológica foi a Pesquisa Qualitativa, com abordagem de Pesquisa-ação, através de atividades de EA no espaço formal de ensino e interpretação da natureza nas trilhas do PESET. A pesquisa foi desenvolvida de abril a novembro de 2008, com 28 alunos da 3ª série do ensino médio de um colégio estadual de Niterói (RJ). Foram aplicados questionários antes e depois do projeto. Os alunos apresentaram conhecimento superficial sobre os conceitos de Meio Ambiente, Natureza, Educação Ambiental, Unidades de Conservação e Parque Natural. As atividades de EA possibilitaram o primeiro contato com o Parque e o vínculo necessário para desencadear maior participação e estímulo à formação de agentes multiplicadores de informações sobre a unidade de conservação. As estratégias de atuação apontadas nessa pesquisa são importantes para a inserção social dos Parques e formação de cidadãos críticos.


Texto completo:

PDF PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977c. 229p.

BENSUSAN, N. Conservação da Biodiversidade em Áreas Protegidas. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2006. 176p.

BRASIL. Lei 9.985/2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. SNUC. Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Diretoria de Ecossistemas, 2000. 35p.

BRASIL. Lei 9.795/1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília. Presidência da República, Casa Civil. 1999. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm >

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental. Temas Transversais. Brasília: MEC/ Secretaria de Educação Fundamental - SEF, 1998. 436p.

CADEI, M.; PEREIRA, J. B. M; MOURA, N. C. Educação Ambiental. In: BASTOS, Marcos; CALLADO, Cátia Henriques. (Orgs.). O Ambiente da Ilha Grande. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Centro de Estudos Ambientais e Desenvolvimento Sustentável. 2009. 562 p. il.

CASTRO, R.S.; BAETA, A.M. Autonomia Intelectual: condição necessária para o exercício da cidadania. In: LOUREIRO, C.F.B.; LAYRARGUES, P.P.; CASTRO, RS. (orgs.). Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania, 3ª ed., São Paulo: Cortez, 2005.

COIMBRA, A.S. Interdisciplinaridade e Educação Ambiental: Integrando seus Princípios Necessários. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v.14, jan-jun, 2005. Disponível em:

Acesso em: abr/2008.

COLLERE, M.A.O. Educação Ambiental: a Contribuição dos Projetos Escolares nas Discussões Ambientais nas Escolas Públicas Municipais de Colombo/PR. RA´E GA, Curitiba: Editora UFPR, n. 10, p. 73-82, 2005. Disponível em: < http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/raega/article/viewFile/3393/3770> Acesso em jun/2010.

FRANCO, M.A.S. Pedagogia da Pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, São Paulo: v. 31, n. 003, pp.483-502, set-dez, 2005. Disponível em: < http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/html/298/29831311/29831311.html> Acesso em: mai/2008.

FRITZSONS, E.; MANTOVANI, L.E. A Educação Ambiental e a Conservação da Natureza. Educação Ambiental em Ação. n.10, pp. 1 -13, set. 2004. Disponível em: Acesso em: jul/2008.

INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE (INEA). Parque Estadual da Serra da Tiririca. . Acesso em junho/2019.

PIMENTEL, D.S.; MAGRO, T.C.; SILVA FILHO. Imagens da Conservação: Em busca do apoio público para a gestão de unidades de conservação. Teoria & Sociedade. v.19, n.2, 2011. P. 144-168.

PIMENTEL, D.S.; MAGRO, T. Múltiplos olhares, muitas imagens: o manejo de parques com base na complexidade social. GEOgraphia, América do Norte, 13 de junho. 2012a.

PIMENTEL, D.S.; MAGRO, T.C. Diferentes Dimensões da Educação Ambiental para a Inserção Social dos Parques. Revista Brasileira de Educação Ambiental. v.7, n.2, 2012b. p.44-50.

PIMENTEL, D.S.; BARCELLOS, M.M.; MEIRELES, C.P., LAMONICA, M.de O.;

PERDOMO, V.S. Trilhas Interpretativas como Estratégias de Educação Ambiental em Unidades de Conservação. In: Da Célula ao Ambiente: Propostas para o Ensino de Ciências e Biologia. Organizadores: Ricardo Tadeu Santori, Marcelo Guerra Santos e Maria Cristina Ferreira dos Santos. – Rio de Janeiro: UERJ/FFP. 2017. 240 p. il.

PRIMACK, R.B.; RODRIGUES, E. (Ed.). Biologia da Conservação. Londrina: Edição dos Editores, 2001. 327p.

SATO, M. Educação para o Ambiente Amazônico. 1997. 245p. il. Tese (Doutorado) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade de Federal de São Carlos, São Carlos, 1997.

SELLES, S.E.; ABREU, M. Darwin na Serra da Tiririca: Caminhos Entrecruzados entre Biologia e História. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n.20, p.5-22, mai./jun./jul./ago. 2002. Disponível em: Acesso em: dez/ 2005.

SILVA, N.P.S.; NETO, A.R.C. A Educação Ambiental como Instrumento de Sensibilização Turística em Unidades de Conservação. Revista Eletrônica Aboré, publicação da Escola Superior de Artes e Turismo, ed. 03, 2007. Disponível em: < http://www.revistas.uea.edu.br/old/abore/comunicacao/comunicacao_pesq_3/Nathalin%20Priscila%20de%20Souza%20da%20Silva.pdf> Acesso em: jul/2010.

SOARES, A.M.D.; OLIVEIRA, L.M.T.; PORTILHO, E.S.; CORDEIRO, L.C.; CAVALCANTE, D.K. Educação Ambiental: Construindo Metodologias e Práticas Participativas. In: II Encontro Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade (ANNPAS). Anais eletrônicos. Indaiatuba, 2004. Disponível em:

Acesso em: jul/2010.

TAMAIO, I. O professor na construção do conceito de natureza: uma experiência de educação ambiental. – São Paulo: Annablumme: WWF, 2002. 158p.

TELLES, M.Q.; ROCHA, M.B.; PEDROSO, M.L.; MACHADO, S.M.C. Vivências Integradas com o Meio Ambiente. Práticas de Educação Ambiental para Escolas, Parques, Praças e Zoológicos. – São Paulo : Sá Editora, 2002. 145p.

TILDEN, F. Interpreting our heritage. 3 rd. ed. Chapel Hill: University of North Carolina press, 1977, 138 p.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Ed. Atlas, 1987. 176 p.

VASCONCELLOS, J.M. de O. Educação e Interpretação Ambiental em Unidades de Conservação. Paraná: Ed. Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. Cadernos de Conservação, ano 03, n.04, 2006. 86 p


Apontamentos

  • Não há apontamentos.