O Projeto Escola Sem Partido tem partido?: debate político nas redes sociais

Karlla Christine Araújo Souza, Iuska Kaliany Freire de Oliveira

Resumo


Este artigo é resultado da pesquisa intitulada Motins Digitais, Insurgências nas redes sociais contra o projeto Escola sem Partido. Nosso estudo analisa dois espaços de resistência nas redes sociais contrários ao Projeto Escola Sem Partido, são eles: Escola sem Mordaça e Professores contra o Escola sem Partido. A problemática parte dos questionamentos de como a ação política é organizada nas redes sociais para protestar contra o projeto Escola sem Partido e de que forma esses espaços se consolidam como campo de debate político. Mapeamos também o coletivo MBL para compreendermos o viés político das postagens e através dos conceitos de Bolha, Pós-Verdade e Totalitarismo ir além dos binarismos e desmistificar os interesses políticos do projeto e seus apoiadores.


Palavras-chave


Escola sem Partido; Escola sem Mordaça; Professores contra o escola sem Partido; Debate Político; Redes Sociais.

Texto completo:

HTML (English) PDF PDF (English)

Referências


ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. Tradução: Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro, 3ª edição, Editora: Paz e Terra, 1995.

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. São Paulo, Brasiliense, 1982

_____________, Conhecimento Oficial: a educação democrática numa era conservadora. 2.ed. Tradução Maria Isabel Edelweiss Bujes. Petrópolis: Vozes, 1999.

____________, Educando à Direita: Mercados, Padrões, Deus e Desigualdade. São Paulo: Cortez Editora, Instituto Paulo Freire, 2003

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo: anti-semitismo, imperialismo, totalitarismo. Tradução Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BAUMAN, Zygmunt. 44 Cartas do Mundo Líquido Moderno. Trad. Vera Pereira. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2011.

BEDINELLI, Talita. O professor da minha filha comparou Che Guevara a São Francisco de Assis. El Pais. São Paulo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2018.

BRANCO, Sérgio. Fake News e os Caminhos para Fora da Bolha. ITS Rio, 2017. Disponível em: https://itsrio.org/wp-content/uploads/2017/08/sergio-fakenews.pdf. Acesso em 11 de março de 2019

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. O paradoxo da esquerda no Brasil. Revista Novos Estudos, São Paulo: Cebrap, n. 74, mar. 2006

D´ANCONA, Matthew. Pós-verdade: A nova guerra contra os fatos em tempos de Fake News. 1 ed. Barueri: Faro, 2018.

FAGUNDEZ, Ingrid. Mesmo sem lei, Escola sem Partido se espalha pelo país e já afeta rotina nas salas de aula. BBC News Brasil, São Paulo, 2018. Disponível em: < https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46006167> acesso em 16 de novembro de 2018

FERRARI, Pollyana. Como sair das bolhas. São Paulo: Educ, 2018.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

_______________. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Trad. Lígia M. Ponde Vassalo. Petrópolis: Vozes, 1987.

MAGRANI, Eduardo. Democracia Conectada – A Internet como Ferramenta de Engajamento Político Democrático. Curitiba: ed. Juruá, 2014

MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Tradução de Giasone Rebuá. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

MOURA, Fernanda Pereira de. Escola Sem Partido: relações entre estado, educação e religião e os impactos no ensino de história. Rio de Janeiro, 2016. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de História, Programa de Pós-Graduação em Ensino de História.

_________. Escola Sem Partido: Origens e Ideologias. Revista Ciência Hoje, 2019. Disponível em http://cienciahoje.org.br/artigo/escola-sem-partido-origens-e-ideologias/?fbclid=IwAR2cwlhKDme33IWsTsyW-P9stBrfWaDgfsJAcCA2iZo6JrCr3Jh96KLR8g4. Acesso em 10 de março de 2019

PAGNI, P. A, CARVALHO, A. F e GALLO, S. O programa Escola Sem Partido e a destruição de uma das virtudes modernas da escola. Coletânea Resistências, 2016. Disponível em: < http://www.anped.org.br/news/o-programa-escola-sem-partido-e-destruicao-de-uma-das-virtudes-modernas-da-escola > Acesso em: 20 de agosto de 2016.

PENNA, Fernando. O ódio aos professores. In: AÇÃO EDUCATIVA (org.) A ideologia do Movimento Escola Sem Partido – 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016.

_______________. Programa Escola Sem Partido: Uma ameaça à educação emancipadora. In: GABRIEL, C. T.; MONTEIRO, A. M. e MARTINS, M. L. B. (org.) Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de história. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Sulina. Porto Alegre, 2009

________________. Comunidades virtuais em redes sociais na internet: proposta de tipologia baseada no fotolog.com /– Porto Alegre: UFRGS, 2006.

SANTAELLA, Lúcia. A Pós verdade é verdadeira ou falsa?. Barueri, SP: Estação das Letras e Cores, 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2010.

___________________(ORG.) Democratizar a Democracia: os caminhos da Democracia Participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

SANTOS, Marco Aurélio Moura dos. O Discurso do Ódio em Redes Sociais. São Paulo: Editora Lura, 2016.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum: Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

TIBURI, Márcia. Como conversar com um fascista. 2 ed, Rio de Janeiro: Record, 2015.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i0.28996

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Qualis: B1
ISSN: 2238-2577