https://periodicos.uff.br/enfil/issue/feed Revista Enfil 2021-12-19T14:47:11+00:00 Reginaldo Scheuermann Costa vermelhocosta@yahoo.com.br Open Journal Systems <p>A <em>Revista Enfil</em> é uma publicação científica semestral do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia Política e Educação – NuFiPE, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense – UFF. Publicamos pesquisas diversas no campo da Educação Popular, estudos críticos sobre trabalho, capitalismo e emancipação humana, assim como a relação entre trabalho e educação. Contatos: revistaenfil@gmail.com <br /><strong>ISSN:</strong> 2317-6628</p> https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51660 PRÉ-VESTIBULARES POPULARES NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2021-09-16T03:09:10+00:00 Angela Cristina da Silva Santos angela@poli.ufrj.br <p>As informações referentes a quantidade de pré-vestibulares populares existentes no Estado do Rio de Janeiro são imprecisas, já que não existe uma organização, coletivo ou grupo de pesquisa responsável por esse levantamento e acompanhamento sistemático e contínuo. Além disso, sabemos que muitos pré-vestibulares populares - por serem iniciativas coletivas, não institucionalizadas, sem financiamento e que dependem do trabalho voluntário - enfrentam diversas dificuldades para dar continuidade aos trabalhos ao longo dos anos, oscilando entre períodos com maior e menor engajamento dos voluntários, procura dos estudantes e apoio local. Por isso, o número de pré-vestibulares populares ativos pode variar bastante de um ano para outro, assim como o local onde esses projetos são desenvolvidos. Nesse artigo apresentamos o processo de mapeamento de pré-vestibulares populares no Estado do Rio de Janeiro, realizado ao longo de 2019 e no primeiro semestre de 2020, e discutimos algumas características desses projetos. Esse trabalho faz parte de uma pesquisa de mestrado e possibilitou a organização da cartilha digital “Mapeamento de Pré-vestibulares Populares do Estado do Rio de Janeiro” e o georeferenciamento desses projetos no Google Maps.</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51495 EDUCAÇÃO LIBERTÁRIA E LUTA POPULAR NA PRIMEIRA FAVELA 2021-09-11T15:39:43+00:00 Guilherme Xavier de Santana guidesantana@gmail.com <p>O artigo se trata de um apanhado histórico acerca do Grupo de Educação Popular (GEP) e do Pré-Vestibular Machado de Assis, analisando não só a construção política mas as lutas travadas na região do Morro da Providência, zona portuária e área central do Rio de Janeiro nas primeiras décadas do século XXI. O trabalho também se ancora teoricamente nos pressupostos da educação libertária e da educação popular para entender a prática política dos grupos em questão.</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51602 ZUMBI DOS PALMARES: MORTE E VIDA DE UMA OCUPAÇÃO SEM-TETO NA ÁREA PORTUÁRIA DO RIO 2021-09-13T21:05:14+00:00 Pedro Freire pguilherme84@gmail.com <p>&nbsp;</p> <p>O presente artigo busca pensar o conceito de cidade a partir da reconstituição dos quadros sociais da memória e de uma etnografia dos modos de habitar em uma Ocupação sem-teto na cidade do Rio de Janeiro. A Ocupação Zumbi dos Palmares era habitada por 133 famílias e por seis anos esteve localizada na área portuária da cidade, também conhecida como “Pequena África”. Esta região vem sendo “alvo”, desde o ano de 2009, de um amplo projeto de “revitalização” e “renovação urbana”. Os moradores da Zumbi foram retirados de suas moradias entre os dias 13 de Janeiro e 03 de Fevereiro de 2011, após cinco anos de conflitos e negociações com diversas instâncias públicas e jurídicas.</p> <p>Com a escolha da cidade do Rio de Janeiro para sediar a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, o projeto de “revitalização da área portuária” ganhou força e dezenas de habitações coletivas situadas às margens do Porto foram removidas da região, sendo expressões de uma nova diáspora urbana que ainda assombra a cidade do Rio.</p> <p>&nbsp;</p> <p>PALAVRAS-CHAVES: Cidade; Porto; Revitalização; Diáspora.</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51656 FAMÍLIA ACIMA DE TUDO, COMUNIDADE ACIMA DE TODOS: MATRICENTRALIDADE NO MOVIMENTO COMUNITÁRIO COMO EXPERIÊNCIA DE CRIAÇÃO E RESISTÊNCIA NO COMPLEXO DO ALEMÃO 2021-09-16T00:36:28+00:00 Caroline Lucena caroline_lsl@hotmail.com <p>No Rio de Janeiro, mais precisamente no Complexo do Alemão, de onde sou cria, o movimento comunitário Ocupa Alemão: Favela/Quilombo, que hoje fundamenta-se basicamente na construção da Escola Quilombista Dandara de Palmares, se propôs desde 2012, a ocupar os espaços da favela com arte e cultura enquanto estratégias de organização comunitária e autoconhecimento identitário. Porém, é a partir de 2014 que a matricentralidade de uma Casa desempenha papel cosmológico fundamental com o Ocupa Alemão, como um edifício que abriga a recuperação de sentidos de “família africana”. O lugar comunitário desta Casa se reinventa para ser centro de desenvolvimento e resgate de autonomia, autoimagem e autodeterminação, a fim de ser início, meio e início tanto para o atendimento à famílias moradoras da favela quanto para o fortalecimento psíquico dos que desejam formar famílias como prática resistente ao genocídio do povo negro no Brasil.&nbsp;</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51609 PANDEMIA E HISTÓRICO ABANDONO SOCIAL: 2021-09-13T21:02:53+00:00 Gizele Martins gizeleomartins@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">O artigo a seguir traz como debate a histórica ausência de direitos vivenciada pela população favelada e periférica do Rio de Janeiro, discute ainda algumas das soluções encontradas por esse público diante do agravamento sanitário em tempos de pandemia da Covid-19. Desde o surgimento das primeiras favelas que os governantes não garantem direitos como: água, habitação, saúde, educação, trabalho, mas são os mesmos que gastam recursos públicos para militarizar e controlar. A mídia comercial e a sociedade são grandes apoiadores dessas faltas de direitos e ainda ajudam a estigmatizar essa população. Durante esse período de pandemia, novamente são os moradores de favelas e periferias sofrendo por causa das faltas de direitos. Por isso, numa forma de suprir as próprias necessidades básicas, comunicadores comunitários junto aos moradores locais reinventam suas ações e passam a produzir comunicações e a praticar solidariedade local como forma de diminuir os principais problemas existentes.&nbsp;</span></p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51508 EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NA PANDEMIA DA COVID-19: MAPEAMENTO DAS AÇÕES DE MOVIMENTOS POPULARES 2021-09-11T15:38:32+00:00 Caio Oliveira caiooliveirasilva@id.uff.br <p><span style="font-weight: 400;">Este artigo visa analisar as ações de Educação Popular em Saúde realizadas por movimentos sociais durante a pandemia da Covid-19. Esse período pandêmico evidenciou as desigualdades sociais, impactando mais negativamente a vida da classe trabalhadora. Seguindo uma perspectiva de Educação Sanitária, as medidas propostas pelos órgãos de saúde, como o distanciamento social, a higienização das mãos e a utilização de máscaras, ainda que sejam fundamentais para o enfrentamento da pandemia, acabam por, muitas vezes, desconsiderar o contexto social, econômico, cultural, político e histórico das classes populares. Em contrapartida, surgem movimentos populares baseados em uma perspectiva de Educação Popular em Saúde que vai buscar um diálogo horizontal com as camadas periféricas da sociedade e não impor medidas, comportamentos e hábitos descontextualizados com suas realidades. Nesse sentido, realizamos um mapeamento dos movimentos populares durante a pandemia para compreender como essas organizações estão se articulando em meio a esse momento. Por fim, a partir desse levantamento, propomos uma reflexão acerca de uma proposta de Educação em Saúde que considere as subjetividades dos sujeitos para realizar um trabalho social, humanitário e educativo que seja, de fato, popular.</span></p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51657 “É COMO SE AQUI NÃO TIVESSE PANDEMIA: 2021-09-22T10:02:22+00:00 Fabiana Melo Sousa fabianamelosousa@gmail.com Marcos Thimoteo Dominguez marcosthdz@yahoo.com.br Marize Bastos da Cunha marizecunha@yahoo.com.br <p>Este artigo traz alguns resultados de uma pesquisa em andamento a respeito da crise sanitária e humanitária em favelas do Rio de Janeiro, buscando dar visibilidade à diferentes perspectivas sobre a pandemia por Covid-19 em território de favelas, lugares onde percebe-se ao mesmo tempo a não-adesão<br>da população às medidas sanitárias, como o uso de máscaras e o distanciamento social, e a invisibilidade das lutas locais e dos problemas estruturais agravados pela atual crise de saúde. Para esta reflexão, são mobilizadas experiências e metodologias da saúde coletiva inspiradas pela educação popular, e conceitos da filosofia no sentido de problematizar a ideia de favela como um problema social e percebê-la como territórios que deslimitam o conceito de cidade.</p> <p>Palavras-chave: educação popular; saúde coletiva; favelas</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51655 ASPECTOS PARA A CONTRIBUIÇÃO DO CONCEITO DE EDUCAÇÃO POPULAR A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO CURSINHO POPULAR PRÉ-VESTIBULAR ALICERCE 23 2021-09-22T10:03:36+00:00 Alexandra Maciel Veiga amveiga95@gmail.com Mirian Letícia Mazzardo Dantas mirianmazzardo@gmail.com <p><strong>RESUMO</strong></p> <p>O presente artigo centra sua análise sobre a educação popular em contexto urbano e periférico como alternativa de resistência e emancipação. Em um primeiro momento, constroem-se apontamentos para definição do conceito de Educação Popular a partir da análise da experiência do Cursinho Popular Alicerce 23, na periferia de Curitiba. Em um segundo momento, será investigado como agentes participantes do Cursinho interagem entre eles e dão sentido ao conceito de educação popular. Serão manejados métodos de revisão bibliográfica e análise documental para dar corpo ao processo de investigação.&nbsp;</p> <p><strong>Palavras-chaves:</strong> Educação Popular; Periferia; Cursinho Pré-vestibular; Trabalho.</p> <p>&nbsp;</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51651 EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E PERIFERIAS: REFLEXÕES SOBRE EXPERIÊNCIAS DE EDUCAÇÃO POPULAR E SEUS DESAFIOS. 2021-09-16T00:11:10+00:00 Andrea Monteiro Dalton andreadaltonas@gmail.com Eblin Farage farage.eblin@gmail.com <p>Neste artigo propomos a discussão de que a extensão universitária possui uma centralidade na realização do tripé universitário, ensino, pesquisa e extensão, no que tange à realização da função social da universidade pública. Por meio de uma análise assentada na tradição marxista, compreende-se que a universidade, através da educação popular, pode contribuir para a luta pelo direito à cidade dos trabalhadores e trabalhadoras moradores das periferias e favelas ao&nbsp;conectar-se com suas demandas reais.</p> <p><strong>Palavras – chaves: </strong>Universidade; Extensão Universitária; Educação Popular e Periferias.</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51640 GESTÃO PÚBLICA NO CONTEXTO PANDÊMICO E A INTENSIFICAÇÃO DE DESIGUALDADES SOCIOEDUCACIONAIS 2021-09-16T00:17:00+00:00 Brenda Ramalho brenda.s.ramalho@gmail.com <p>O artigo em questão tem como objetivo refletir sobre a atuação do Poder Público frente à repentina necessidade de adaptação das instituições de ensino com o avanço da pandemia de COVID-19, a qual ocasionou na mudança total ou parcial do atendimento de escolas ao redor do mundo, deixando profissionais da educação e estudantes diante de um desafio para o qual não estavam preparados: a incorporação de recursos da Tecnologia da Informação e Comunicação (TICs) para a manutenção dos vínculos e continuidade do trabalho pedagógico. Em uma realidade de crise sanitária na qual as prioridades foram ressignificadas em decorrência de fatores como a diminuição da renda familiar e alteração da saúde mental da população, as desigualdades sociais evidenciadas previamente no contexto brasileiro ganham mais força diante das dificuldades enfrentadas pelos estudantes de baixa renda para acompanhamento das práticas educacionais ocorridas por intermédio de plataformas de ensino à distância, colocando-os em desvantagem e em desigualdade de direitos em relação aos indivíduos de maior poder aquisitivo. Portanto, são trazidos para o nível da discussão acadêmica o contexto econômico brasileiro e sua relação com a má distribuição de recursos públicos; a crescente transferência de poder do Estado à iniciativa privada para a resolução de questões macroestruturais, favorecendo pequenos grupos em detrimento de toda uma população; e a associação entre as estratégias tecnológicas adotadas pelas instituições de ensino com aval governamental e a intensificação das desigualdades socioeducacionais além do período de duração da crise sanitária.</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51659 COMO SERÁ O AMANHÃ? 2021-09-22T09:58:34+00:00 Alexandre Dias da Silva contato.dias@yahoo.com.br Sinésio Jefferson Andrade Silva sinesiop10@gmail.com <p class="p1"><span class="s1">O artigo discute aspectos dos usos da música na expansão do ensino integral carioca expondo as etnografias de dois etnomusicólogos e professores de história lotados em duas Escolas do Amanhã situadas em dois bairros pobres da cidade do Rio de Janeiro: Maré e Senador Camará. Busca-se, então, refletir sobre o envolvimento de músicos em projetos educacionais compensatórios e simultaneamente explorar os limites do ideal de música como recurso à justiça social.</span></p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51644 PROJETO SAÚDE HABITACIONAL 2021-09-15T16:55:04+00:00 Cleuber da Silva Junior junimdasilva@yahoo.com.br Renan Grisoni Gonçalves renan.grisoni@gmail.com Ivan Lazaro de Oliveira Rocha ivan.rocha92@gmail.com <p>O Projeto Saúde Habitacional atua na região do Território do Bem, Vitória-ES. Em tempos de pandemia e isolamento social, buscou-se atender inicialmente famílias com um número elevado de integrantes por residência, facilitando o acesso a condições básicas de saneamento e higiene. As propostas para intervenção física focaram na identificação dos pontos de inadequação dessas moradias, já que residências com ventilação insuficiente, problemas de infiltração e outras patologias derivadas comprometem a saúde de seus ocupantes, sobretudo de idosos e crianças. Este texto pretende apresentar não apenas os resultados do Saúde Habitacional, mas também um histórico da Associação Onze8.</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51743 A DUSPUTA PELA EDUCAÇÃO NAS FAVELAS 2021-09-24T15:53:21+00:00 Lisia Cariello lisiacariello@hotmail.com <p>Este texto busca compreender as ações diretas e indiretas da Fundação Lemann (FL), compreendida como aparelho privado de hegemonia empresarial (APHE), para as favelas. Para isso, recuperamos o debate acerca das favelas através de autores clássicos. Posteriormente, investigamos as ações de dois ex-bolsistas da FL e de um membro da chamada Rede de Líderes com o fito de captar as estratégias de atuação da Fundação especificamente para esta pauta. Concluímos que o APHE reafirma a lógica antiga de ajudar o espaço e as pessoas à realidade existente, no sentido de alívio da pobreza.</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/51708 A A FRENTE PAPA GOIABA 2021-09-22T09:55:55+00:00 Edvan Miranda Santana edvanmsantana@yahoo.com.br Rubens Teixeira de Oliveira rubenstheoliveira2@gmail.com <p>Este trabalho trata da Frente Papa Goiaba de Promoção de Direitos da Juventude Negra, cuja criação se deve ao fato do racismo estrutural ter culminado em denúncias da Bem TV sobre a questão da inserção e remuneração de jovens negros no mercado de trabalho. A importância dessa Frente de luta social deve-se ao fato de que, como mostra a Bem TV há uma grande disparidade entre jovens brancos e negros empregados, e em relação à desigualdade salarial. Por isso, o presente trabalho se propõe a apresentar a Frente e discutir sua importância.</p> 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/52638 EDUCAÇÃO POPULAR, MERCANTILIZAÇÃO DA CIDADE E RESISTÊNCIAS EM TEMPOS DE PANDEMIA DA COVID-19 2021-12-17T10:28:50+00:00 Ana Paula Morel revistaenfil@gmail.com Luiz Augusto de Oliveira Gomes luiz.augusto1201@gmail.com Reginaldo Scheuermann Costa vermelhocosta@yahoo.com.br 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/52635 EXPEDIENTE 2021-12-17T10:05:47+00:00 Luiz Augusto de Oliveira Gomes luiz.augusto1201@gmail.com 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/enfil/article/view/52636 NEOFASCISMOS E RESISTÊNCIAS PARA ESPERANÇAR 2021-12-17T10:15:11+00:00 Luiz Augusto de Oliveira Gomes luiz.augusto1201@gmail.com Reginaldo Scheuermann Costa vermelhocosta@yahoo.com.br Rodrigo Lima Ribeiro Gomes rlimarg@yahoo.com.br 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021