Do cinema: Deleuze e o plano de imanência das imagens

Bruno Wagner Santana

Resumo


Uma vez voltado para o cinema, quais contribuições podem advir ao pensamento? Se Deleuze adentra o mundo cinematográfico, certamente não é por mero capricho que o faz, mas porque pôde ver algo ali capaz de impulsionar seu pensamento. Quais questões Deleuze traz consigo, ao voltar-se para o cinema? O que entendeu ele ao dizer que buscava fazer uma análise imanente do movimento

Palavras-chave


cinema; Deleuze; imagem

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. Estudos Deleuzeanos da linguagem. Campinas, SP: Unicamp, 2003.

BERGSON. Matéria e Memória. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

DELEUZE. L’Image-Mouvement. Paris: Minuit, 1983.

DELEUZE. O Que é a filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

DELEUZE. Diferença e Repetição. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

MACHADO, R. Deleuze e a filosofia. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

PELBART, P. O tempo não-reconciliado. São Paulo: Perspectiva, 2007.




DOI: https://doi.org/10.22409/gambiarra.v2i2.30745

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1984-4565