ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
Educomunicação e interculturalidade como propostas para acolhida,
adaptação e integração de crianças imigrantes no ambiente escolar
DOI:
https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v11i20.44505
Resumo:
O presente artigo tem o objetivo de relatar os resultados de uma pesquisa
1996) como possibilidades de
Palavras-chave:
Educomunicação; interculturalismo; imigração;
Resumen:
Este artículo tiene como objetivo reportar los resultados de una investigación
docentes del sistema escol
ar municipal de la ciudad de São Paulo (Brasil) sobre el tema de acogida,
Palabras clave:
Educomunicación; interculturalismo; inmigración; escuela.
1
Camila Escudero.
Doutora em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro
São Paulo, Brasil. E-
mail: camilaescudero@uol.com.br
Texto recebido em 08/08/20
20,
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
Educomunicação e interculturalidade como propostas para acolhida,
adaptação e integração de crianças imigrantes no ambiente escolar
https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v11i20.44505
Camila Escudero
O presente artigo tem o objetivo de relatar os resultados de uma pesquisa
professores da rede municipal de ensino da cidade de São Paulo sobre a temática da acolhida,
adaptação e integração do aluno imigrante, a
partir do desenvolvimento de projetos de
Educomunicação, em uma perspectiva intercultural. Como recurso teórico
-
metodológico, utilizamos
os conceitos de mediações culturais (MARTÍN
-
BARBERO, 1991) e trocas simbólicas (APPADURAI,
interação cultural. Entre os principais resultados, destaca
valorização da escola como um espaço privilegiado para a acolhida, a adaptação, a inserção do
imigrante a partir de uma dinâmica de organização na produção de conteúdo comunicacional que
visibilidade e voz ao grupo envolvido, em um processo democrático e educativo, fortalecendo
vínculos sociais, reciprocidade de interesses e pluripertencimento identitário.
Educomunicação; interculturalismo; imigração;
escola.
Educomunicación y interculturalidad como propuestas para acoger, adaptar e integrar a los
niños inmigrantes en el entorno escolar
Este artículo tiene como objetivo reportar los resultados de una investigación
ar municipal de la ciudad de São Paulo (Brasil) sobre el tema de acogida,
adecuación e integración de estudiantes inmigrantes, a partir del desarrollo de proyectos de
Educomunicación, en una perspectiva intercultural. Como recurso teórico
-
metodológico util
conceptos de mediaciones culturales (MARTÍN
-
BARBERO, 1991) e intercambios simbólicos
(APPADURAI, 1996) como posibilidades de interacción cultural. Entre los principales resultados,
destacamos la valoración de la escuela como un espacio privilegi
ado para acoger, adecuar, insertar
al inmigrante desde una dinámica organizativa en la producción de contenidos comunicacionales que
den visibilidad y voz al colectivo implicado, en uno proceso democrático y educativo, de
fortalecimiento de lazos sociales,
reciprocidad de intereses e identidad de múltiple pertenencia.
Educomunicación; interculturalismo; inmigración; escuela.
Doutora em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro
(UFRJ). Professora do Programa de Pós
-
Graduação em Comunicação da Universidade Metodista de
mail: camilaescudero@uol.com.br
- https://orcid.org/0000-
0002
20,
aceit
o para publicação em 24/11/2020 e disponibilizado online
em 01/03/2021.
218
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
Educomunicação e interculturalidade como propostas para acolhida,
adaptação e integração de crianças imigrantes no ambiente escolar
Camila Escudero
1
O presente artigo tem o objetivo de relatar os resultados de uma pesquisa
-ação com
professores da rede municipal de ensino da cidade de São Paulo sobre a temática da acolhida,
partir do desenvolvimento de projetos de
metodológico, utilizamos
BARBERO, 1991) e trocas simbólicas (APPADURAI,
interação cultural. Entre os principais resultados, destaca
-se a
valorização da escola como um espaço privilegiado para a acolhida, a adaptação, a inserção do
imigrante a partir de uma dinâmica de organização na produção de conteúdo comunicacional que
visibilidade e voz ao grupo envolvido, em um processo democrático e educativo, fortalecendo
Educomunicación y interculturalidad como propuestas para acoger, adaptar e integrar a los
Este artículo tiene como objetivo reportar los resultados de una investigación
-acción con
ar municipal de la ciudad de São Paulo (Brasil) sobre el tema de acogida,
adecuación e integración de estudiantes inmigrantes, a partir del desarrollo de proyectos de
metodológico util
izamos los
BARBERO, 1991) e intercambios simbólicos
(APPADURAI, 1996) como posibilidades de interacción cultural. Entre los principales resultados,
ado para acoger, adecuar, insertar
al inmigrante desde una dinámica organizativa en la producción de contenidos comunicacionales que
den visibilidad y voz al colectivo implicado, en uno proceso democrático y educativo, de
reciprocidad de intereses e identidad de múltiple pertenencia.
Doutora em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro
Graduação em Comunicação da Universidade Metodista de
0002
-9399-1207
o para publicação em 24/11/2020 e disponibilizado online
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
Educomunicação
and interculturality as proposals for the reception, adaptation and integration
Abstract:
This article aims to report the results of an action
school system of the
o Paulo city about the theme of reception, adaptation and integration of the
perspective. As a theoretical-
methodological resource, we used cultural mediations (MARTÍN
identity belonging.
Keywords: Educomunicação;
intercuturalism; immigration; school
Educomunicação e interculturalidade como propostas para acolhida,
adaptação e integração de crianças imigrantes no ambiente escolar
1. Introdução
O presente artigo tem o objetivo
pesquisa-
ação sobre a temática da
projetos de
Educomunicação, em uma
perspectiva intercultural.
O contexto de realização do
blogs
e redes sociais, realizados em
2
Os cursos são promovidos pelo Núcleo de
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
and interculturality as proposals for the reception, adaptation and integration
of immigrant children in the school environment
This article aims to report the results of an action
-
research with teachers of the municipal
o Paulo city about the theme of reception, adaptation and integration of the
immigrant student, from the development of Educommunication projects in an intercultural
methodological resource, we used cultural mediations (MARTÍN
BARBERO, 1991) and symbolic exchanges (APPADURAI, 1996) concepts as possibilities of cultural
interaction. Among the main results, we highlight the valorization of the school as a privileged space
for the reception, the adaptation, the insertion of the im
migrant with an organization dynamic in the
production of communicational content that gives visibility and voice to the group involved, in a
democratic and educational process, strengthening social bonds, reciprocity of interests and multi
intercuturalism; immigration; school
.
Educomunicação e interculturalidade como propostas para acolhida,
adaptação e integração de crianças imigrantes no ambiente escolar
O presente artigo tem o objetivo
de relatar os resultados de uma
ação sobre a temática da
acolhida, adaptação e integração do
aluno imigrante nas escolas da rede
municipal de ensino da cidade de o
Paulo a partir do desenvolvimento de
Educomunicação, em uma
O contexto de realização do
estudo foram cursos de
Educomunicação com ênfase em
e redes sociais, realizados em
2018, com professores da Rede
Municipal de Ensino de São Paulo
2
. As
Os cursos são promovidos pelo Núcleo de
Educomunicação da Secretaria Municipal de
Educação de São Paulo (SME), dos quais o(a)
autor(a) do presente texto participou como
aulas tiveram a participação de 52
professores da rede, de vários níveis:
Educação infantil, Ensino fundamental
e médio. Todos, em comum, tinham,
em suas salas de aulas, alunos
estrangeiros de várias nacionalidades
a maioria delas inclui as origens
boliv
iana, haitiana e venezuelana.
Além disso, contou ainda com a
participação de alguns membros da
equipe técnica da Secretaria Municipal
de Educação (SME) que, em algum
momento de seu trabalho (seja em
sala de aula ou na equipe de gestão,
formador(a) no ano de 2018, em duas turmas
diferentes. De duração de 20 horas cada, em
média, as aulas são costumeiramente
realizadas na própria sede da SME, em
Diretorias Regionais de Ensino (DREs), ou nas
próprias escolas.
219
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
and interculturality as proposals for the reception, adaptation and integration
research with teachers of the municipal
o Paulo city about the theme of reception, adaptation and integration of the
immigrant student, from the development of Educommunication projects in an intercultural
methodological resource, we used cultural mediations (MARTÍN
-
BARBERO, 1991) and symbolic exchanges (APPADURAI, 1996) concepts as possibilities of cultural
interaction. Among the main results, we highlight the valorization of the school as a privileged space
migrant with an organization dynamic in the
production of communicational content that gives visibility and voice to the group involved, in a
democratic and educational process, strengthening social bonds, reciprocity of interests and multi
-
Educomunicação e interculturalidade como propostas para acolhida,
adaptação e integração de crianças imigrantes no ambiente escolar
aulas tiveram a participação de 52
professores da rede, de vários níveis:
Educação infantil, Ensino fundamental
e médio. Todos, em comum, tinham,
em suas salas de aulas, alunos
estrangeiros de várias nacionalidades
a maioria delas inclui as origens
iana, haitiana e venezuelana.
Além disso, contou ainda com a
participação de alguns membros da
equipe técnica da Secretaria Municipal
de Educação (SME) que, em algum
momento de seu trabalho (seja em
sala de aula ou na equipe de gestão,
formador(a) no ano de 2018, em duas turmas
diferentes. De duração de 20 horas cada, em
média, as aulas são costumeiramente
realizadas na própria sede da SME, em
Diretorias Regionais de Ensino (DREs), ou nas
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
atualmente ou no pas
sado), precisou
A pesquisa-
ação foi proposta
THIOLLENT, 2003;
ELLIOT, 1991) etc.
o engaj
amento do pesquisador no
no ambiente escolar.
Nas palavras de
2011, p. 139).
Assim, durante o processo,
pr
incipais obstáculos e entraves
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
sado), precisou
lidar com a questão migratória.
ação foi proposta
pelo(a) autor(a) deste texto,
responsável por ministrar os cursos, o
que implicou, como recomenda a
literatura consultada (TRIPP 2005
;
ELLIOT, 1991) etc.
amento do pesquisador no
ambiente pesquisado, bem como o
envolvimento do grupo com a proposta
de contribuir para solucionar alguma
questão ou dificuldade colocada
no
caso, a acolhida, adaptação e
integração das crianças estrangeiras
Nas palavras de
Tripp (2005, p. 447): a “pesquisa
-ação
é uma forma de investigação
-ação que
utiliza técnicas de pesquisa
consagradas para informar a ação que
se decide tomar para melhorar a
prática”. Além disso, destaca
-se o
papel dessa técnica quando apl
icada à
área da Comunicação Social,
“procurando contribuir para subsidiar a
melhoria dos modos de comunicação
dos grupos populares” (PERUZZO,
Assim, durante o processo,
foram verificados, primeiramente, por
meio de questionários, quais os
incipais obstáculos e entraves
surgidos a partir da presença da
criança imigrante na escola, e, por
meio de discussões, visitas técnicas às
escolas e revisão bibliográfica, de que
maneira a Educomunicação
possibilitaria subsídios para o
encaminhamento de s
demandadas.
Como recurso teórico
metodológico, fizemos uso de dois
autores específicos
(1991) e Appadurai (1996), que
consideram a Comunicação uma
questão de mediações culturais e
trocas simbólicas (e, portanto, de
reconhecimentos
) e de possibilidades
de interação por uma teoria dos fluxos
paisagens, respectivamente. Ambas
as visões são importantes para a
compreensão do conceito de
Educomunicação, proposto por Soares
(2000; 2001; 2002; 2014), foco de toda
a discussão.
Em seguida,
relacionar a prática da
Educomunicação aos preceitos do
conceito de interculturalidade /
interculturalismo, uma vez que a
discussão das ações foi focada para a
acolhida, adaptação e integração do
aluno estrangeiro no ambiente escolar.
220
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
surgidos a partir da presença da
criança imigrante na escola, e, por
meio de discussões, visitas técnicas às
escolas e revisão bibliográfica, de que
maneira a Educomunicação
possibilitaria subsídios para o
encaminhamento de s
oluções
Como recurso teórico
-
metodológico, fizemos uso de dois
Martín-Barbero
(1991) e Appadurai (1996), que
consideram a Comunicação uma
questão de mediações culturais e
trocas simbólicas (e, portanto, de
) e de possibilidades
de interação por uma teoria dos fluxos
-
paisagens, respectivamente. Ambas
as visões são importantes para a
compreensão do conceito de
Educomunicação, proposto por Soares
(2000; 2001; 2002; 2014), foco de toda
Em seguida,
procuramos
relacionar a prática da
Educomunicação aos preceitos do
conceito de interculturalidade /
interculturalismo, uma vez que a
discussão das ações foi focada para a
acolhida, adaptação e integração do
aluno estrangeiro no ambiente escolar.
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
2. A Com
unicação como prática
teóricas
Analisando o desenvolvimento
(pontos-
chave deste trabalho), a partir
Jesus Martín-
Barbero, sobre a noção
de produção, mas como
prática social
Estudos Culturais latino-
americanos,
los medios a las
mediaciones
Martín-
Barbero trabalha o
campo dos
mass media
mo
ntagem, de percepção e
Comunicação tornou-
se uma questão
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
unicação como prática
educativa aliada à
interculturalidade: breves reflexões
Analisando o desenvolvimento
científico da Comunicação, podemos
dizer que uma importante contribuição
para conceitos como o de
Educomunicação e interculturalidade
chave deste trabalho), a partir
dos anos 1990, foram as ideias de
Barbero, sobre a noção
de mídia muito além do estudo de
discursos midiáticos ou de estruturas
prática social
,
como propõe, aliás, a tradição dos
americanos,
principalmente na linha do clássico
De
mediaciones
(1991).
Barbero trabalha o
mass media
, seus
dispositivos de produção, seus rituais
de consumo, seus aparatos
tecnológicos, seus códigos de
ntagem, de percepção e
reconhecimento. Segundo o autor, a
se uma questão
de mediação e o de meios, uma
questão de cultura e, portanto, não
de conhecimentos, mas de
reconhecimentos, o que exige
investigações a partir da articulação
e
ntre práticas comunicacionais e
movimentos sociais (mediações e
sujeitos).
Os processos políticos e sociais
desses anos –
em quase toda América do Sul,
cercados de lutas de libertação na
América Central, emigrações
imensas de homens, a
e a investigação social
velhas seguranças e abriram novas
brechas para o enfrentamento da
verdade cultural
mestiçagem que o é aquele
feito racial do qual viemos, mas uma
trama hoje de modernidade e
descontinuidade cultural, de
formações sociais e estruturas de
sentimento, de memórias imaginárias
que relacionam o indígena com o
rural, o ru
ral com o urbano, o
folclórico com o popular e o popular
com o massivo (MARTÍN
1991, p.10 –
Tradução nossa).
Semelhante contribuição para
os estudos da Educomunicação e
Interculturalidade na América Latina
vem do antropólogo Arjun
O au
tor (1996) desenvolve o conceito
de ethnoscape
(ao lado de outros,
como
financescape, technoscape,
mediascape e
ideoscape
a mundialização a partir de uma teoria
dos fluxos-
paisagens como uma
resposta aos modelos que estavam
em curso até entã
o para se pensar a
globalização
muitos deles baseados
na ideia de oposição entre centro e
periferia e nas concepções
neomarxistas do desenvolvimento.
221
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
ntre práticas comunicacionais e
movimentos sociais (mediações e
Os processos políticos e sociais
regimes autoritários
em quase toda América do Sul,
cercados de lutas de libertação na
América Central, emigrações
imensas de homens, a
política, a arte
e a investigação social
destruíram
velhas seguranças e abriram novas
brechas para o enfrentamento da
verdade cultural
desses países: à
mestiçagem que o é aquele
feito racial do qual viemos, mas uma
trama hoje de modernidade e
descontinuidade cultural, de
formações sociais e estruturas de
sentimento, de memórias imaginárias
que relacionam o indígena com o
ral com o urbano, o
folclórico com o popular e o popular
com o massivo (MARTÍN
-BARBERO,
Tradução nossa).
Semelhante contribuição para
os estudos da Educomunicação e
Interculturalidade na América Latina
vem do antropólogo Arjun
Appadurai.
tor (1996) desenvolve o conceito
(ao lado de outros,
financescape, technoscape,
ideoscape
) para explicar
a mundialização a partir de uma teoria
paisagens como uma
resposta aos modelos que estavam
o para se pensar a
muitos deles baseados
na ideia de oposição entre centro e
periferia e nas concepções
neomarxistas do desenvolvimento.
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
De acordo com Abélès (2005, p.
9
Tradução de Marcos Mesquita
ethnoscape int
roduzido por Appadurai
Para o autor, os fluxos
O que interessa Appadurai é a
maneira pela qual esta situação não
modifica somente as condições
materiais das p
opulações, mas tende
a dar um papel inédito à imaginação.
Não que as sociedades anteriores
não tenham, abundantemente, nas
suas produções mitológicas,
literárias ou artísticas, feito apelo a
esta faculdade. Mas de agora em
diante a imaginação o é mais
re
strita a certos domínios de
expressão específicos. Ela investe
nas práticas cotidianas (...) onde os
sujeitos são obrigados a inventar o
seu próprio mundo, utilizando
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
De acordo com Abélès (2005, p.
Tradução de Marcos Mesquita
Damasceno), o conceito de
roduzido por Appadurai
é bastante difícil de traduzir.
Scape
remete à ideia de paisagem. “Os
ethnoscapes são, em alguma medida,
as paisagens que os grupos
constituem com respeito às suas
próprias origens e às vicissitudes que
enfrentam”. No entanto, lembra
o
autor, a noção de paisagem é, por si
só, ambígua: designa
simultaneamente o exterior, o mundo
tal qual ele nos aparece, mas nos
remete igualmente à interioridade, à
representação que trazemos conosco.
Para o autor, os fluxos
midiáticos mostram que a dim
ensão
cultural está no centro do processo de
mundialização, e é responsável por
fazer emergir o papel primordial da
imaginação nos dias atuais.
O que interessa Appadurai é a
maneira pela qual esta situação não
modifica somente as condições
opulações, mas tende
a dar um papel inédito à imaginação.
Não que as sociedades anteriores
não tenham, abundantemente, nas
suas produções mitológicas,
literárias ou artísticas, feito apelo a
esta faculdade. Mas de agora em
diante a imaginação o é mais
strita a certos domínios de
expressão específicos. Ela investe
nas práticas cotidianas (...) onde os
sujeitos são obrigados a inventar o
seu próprio mundo, utilizando
-se de
todas as imagens que as mídias
colocam à sua disposição (ABÉLÈS,
2005, p. 3
Tradu
Mesquita Damasceno).
Tanto as ideias de Martín
Barbero como as de Appadurai,
brevemente descritas aqui, se
relacionam diretamente com os
aspectos da prática da
Educomunicação e seu
desenvolvimento. Isso porque eleva a
Comunicação a um patama
ao simples processo de emissão e
recepção de mensagem, ao
contextualizar a prática comunicativa
em ambientes formais e informais de
educação, destacando quando
somada à interculturalidade, a
dimensão sociocultural.
Soares (2000; 2001; 2002;
2014)
define Educomunicação como o
conjunto das ações inerentes ao
planejamento, implementação e
avaliação de processos, programas e
produtos destinados a criar e a
fortalecer ecossistemas comunicativos
em espaços educativos presenciais ou
virtuais, assim como
coeficiente comunicativo das ações
educativas, incluindo as relacionadas
ao uso dos recursos da informação no
processo de aprendizagem
2002, p. 24)
. “A educação para a
222
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
todas as imagens que as mídias
colocam à sua disposição (ABÉLÈS,
Tradu
ção de Marcos
Mesquita Damasceno).
Tanto as ideias de Martín
-
Barbero como as de Appadurai,
brevemente descritas aqui, se
relacionam diretamente com os
aspectos da prática da
Educomunicação e seu
desenvolvimento. Isso porque eleva a
Comunicação a um patama
r superior
ao simples processo de emissão e
recepção de mensagem, ao
contextualizar a prática comunicativa
em ambientes formais e informais de
educação, destacando quando
somada à interculturalidade, a
dimensão sociocultural.
Soares (2000; 2001; 2002;
define Educomunicação como o
conjunto das ações inerentes ao
planejamento, implementação e
avaliação de processos, programas e
produtos destinados a criar e a
fortalecer ecossistemas comunicativos
em espaços educativos presenciais ou
virtuais, assim como
a melhorar o
coeficiente comunicativo das ações
educativas, incluindo as relacionadas
ao uso dos recursos da informação no
processo de aprendizagem
(SOARES,
. “A educação para a
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
na educação e a gestão
comunicativa
transformam-
se em objeto de políticas
37).
Em outras palavras, a
edu
cadoras formais ou informais. Visa
eficiente, essas ões
res
transformações sociais.
No contexto do plano
por
exemplo, a ênfase em
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
comunicação, o uso das tecnologias
comunicativa
se em objeto de políticas
educacionais, sob a denominação de
Educomunicação” (SOARES, 2001, p.
Em outras palavras, a
Educomunicação é um conjunto de
ações que pressupõem a utilização de
práticas comunicativas em estruturas
cadoras formais ou informais. Visa
à participação, articulação de
gerações, setores e saberes,
integração comunitária, reconhe
-
cimento de direitos e democratização
dos meios de comunicação. No geral,
quando implantadas de maneira
res
ultam na
participação cidadã dos envolvidos na
sociedade organizada, bem como
contribuem para compreensão do
papel da mídia na construção das
No contexto do plano
pedagógico das escolas, ações
práticas de Educomunicação
como,
exemplo, a ênfase em
blogs e
redes sociais como proposta nos
cursos objeto desta pesquisa
-ação –
envolvem a participação dos agentes
escolares (professores, alunos,
funcionários, familiares e demais
membros da comunidade), que se
tornam, ao mesmo tempo, p
e beneficiários das ações. Por meio do
desenvolvimento de planejamentos
conjuntos e vivência de novas
experiências, os envolvidos (SOARES,
2001; 2002; 2014):
socializam e criam
consensos por meio da
descentralização das
decisões;
reforçam o aprendizado
do conteúdo escolar: o
conteúdo desses projetos
pode estar ligado ao
aprendizado em sala de
aula ou ao
da realidade próxima;
reveem conceitos
tradicionais de comu
nicação
além da transmissão e
recepção da in
persuasão ou promoção
de “celebridades”; e
fortalecem o crescimento
da autoestima e da
capacidade de expres
são, como indivíduos e
como grupo.
223
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
membros da comunidade), que se
tornam, ao mesmo tempo, p
rodutores
e beneficiários das ações. Por meio do
desenvolvimento de planejamentos
conjuntos e vivência de novas
experiências, os envolvidos (SOARES,
socializam e criam
consensos por meio da
descentralização das
decisões;
reforçam o aprendizado
do conteúdo escolar: o
conteúdo desses projetos
pode estar ligado ao
aprendizado em sala de
aula ou ao
entendimento
da realidade próxima;
reveem conceitos
tradicionais de comu
-
nicação
para muito
além da transmissão e
recepção da in
formação,
persuasão ou promoção
de “celebridades”; e
fortalecem o crescimento
da autoestima e da
capacidade de expres
-
são, como indivíduos e
como grupo.
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
Como o presente trabalho tem
ambi
ente escolar, direcionamos essa
contemporâneos.
De
abordagem interacionista,
nos nossos dias, pela
aceleração dos
sociais t
ransfronteiriças têm operado”
(FAIST, 2010, p. 09
nossa).
Adotamos neste trabalho a ideia
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
Como o presente trabalho tem
como foco a acolhida, adaptação e
integração da criança imigrante no
ente escolar, direcionamos essa
breve discussão teórica realizada até o
momento ao conceito de
interculturalidade, meio pelo qual,
defendemos, é possível dar sentido a
práticas e relações sociais dentro do
campo dos estudos migratórios
abordagem interacionista,
podemos dizer que a perspectiva
interculturalista evidencia os modos de
organização social, porém,
privilegiando aspectos culturais dos
sujeitos envolvidos em um quadro
histórico e geopolítico amplo, marcado,
aceleração dos
fluxos informacionais e
comunicacionais. “As pesquisas
[interculturais] concentraram
-se em
delinear a gênese e reprodução das
formações sociais transnacionais, bem
como os contextos macrossociais
específicos em que essas formações
ransfronteiriças têm operado”
Tradução
Adotamos neste trabalho a ideia
de interculturalidade de Canclini
(2005). Segundo o autor, o conceito
remete à mistura de sujeitos e
sociedades, ou seja, ao que acontece
quando as diferen
ças se encontram,
convivendo em situações de
negociações e trocas recíprocas. Tal
situação ganha relevância não
dentro de uma etnia ou nação, mas em
“circuitos globais, superando
fronteiras, tornando porosas as
barreiras nacionais ou étnicas e
fazendo c
om que cada grupo possa
abastecer-
se de repertórios culturais
diferentes"
(CANCLINI, 2005, p.
em uma reelaboração intercultural do
sentido de práticas subjetivas e
culturais.
Tal conceito se destaca mais
ainda quando direcionado a projetos
educaciona
is, uma vez que a própria
origem do termo, conforme Cogo
(2015), é no campo da Educação,
como uma crítica aos conceitos de
multiculturalismo (ou multicul
turalidade) e pluralismo, insuficientes,
na opinião da autora, para a reflexão
da dinâmica de novos ar
socioculturais. Pensa
momento inicial, nas interações
educativas em ambientes escolares,
especialmente no contexto europeu
dos anos 1960 e 1970, que não
poderiam ser reduzidas somente à
224
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
remete à mistura de sujeitos e
sociedades, ou seja, ao que acontece
ças se encontram,
convivendo em situações de
negociações e trocas recíprocas. Tal
situação ganha relevância não
dentro de uma etnia ou nação, mas em
“circuitos globais, superando
fronteiras, tornando porosas as
barreiras nacionais ou étnicas e
om que cada grupo possa
se de repertórios culturais
(CANCLINI, 2005, p.
43),
em uma reelaboração intercultural do
sentido de práticas subjetivas e
Tal conceito se destaca mais
ainda quando direcionado a projetos
is, uma vez que a própria
origem do termo, conforme Cogo
(2015), é no campo da Educação,
como uma crítica aos conceitos de
multiculturalismo (ou multicul
-
turalidade) e pluralismo, insuficientes,
na opinião da autora, para a reflexão
da dinâmica de novos ar
ranjos
socioculturais. Pensa
-se, nesse
momento inicial, nas interações
educativas em ambientes escolares,
especialmente no contexto europeu
dos anos 1960 e 1970, que não
poderiam ser reduzidas somente à
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
diferentes.
A inter
culturalidade envolve, assim, a
ideia de nova síntese cultural’ em
que o projeto de sociedade
intercultural supõe a geração
intencionada, planificada ou induzida
de algo novo, de expressões
culturais novas. O que chama
atenção aqui não é tanto a defesa do
direito à diferença e a crítica de
modelos de assimilação, fusão etc.
que implicariam a perda de uma
cultura própria, mas sua menção a
que esses modelos originais
elaborados no projeto intercultural a
partir das culturas em presença
incorporariam à
cultura nacional de
base reforçada e renovada (COGO,
2015, p. 109).
3
. Reflexos práticos da imigração no
ambiente escolar
Segundo dados do Instituto
período de oito anos.
Em 2017, foram
pública de ensino
é a que mais acolhe
esses estu
dantes: 64% do total. Os
3
Fonte:
http://portal.inep.gov.br/artigo/
adores-educacionais-do-censo-
escolar
estao-disponiveis-para-
consulta/21206
Acesso em: 27 dez. 2018.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
soma ou coexistência de culturas
culturalidade envolve, assim, a
ideia de nova síntese cultural’ em
que o projeto de sociedade
intercultural supõe a geração
intencionada, planificada ou induzida
de algo novo, de expressões
culturais novas. O que chama
atenção aqui não é tanto a defesa do
direito à diferença e a crítica de
modelos de assimilação, fusão etc.
que implicariam a perda de uma
cultura própria, mas sua menção a
que esses modelos originais
elaborados no projeto intercultural a
partir das culturas em presença
se
cultura nacional de
base reforçada e renovada (COGO,
. Reflexos práticos da imigração no
Segundo dados do Instituto
Nacional de Estudos e Pesquisas
Educacionais Anísio Teixeira (
INEP)
3
,
o número de matrículas de alunos de
outras nacionalidades em escolas
brasileiras mais do que dobrou no
Em 2017, foram
34 mil matrículas registradas de
imigrantes ou refugiados
. A rede
é a que mais acolhe
dantes: 64% do total. Os
dados do censo também mostram que
os latinos representam mais de 40%
http://portal.inep.gov.br/artigo/
-
/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/indic
escolar
-2017-
consulta/21206
.
dos alunos estrangeiros no Brasil
seguidos pelos africanos e asiáticos.
São Paulo
é o estado que mais
recebe matrículas de alunos de outras
nacionalidades: 34,5
país, seguido do Paraná, com 10,7%,
e Minas Gerais, com 10,6%. De
acordo com o Cadastro do Aluno da
Secretaria Estadual da Educação de
São Paulo
4
, os estudantes se dividem
em mais de 80 nacionalidades.
novembro de 2017, a rede
contabilizav
a 10.298 estrangeiros
matriculados
. Dentre eles, estão mais
de 4 mil bolivianos, 1,2 mil japoneses,
cerca de 550 angolanos e 540
haitianos.
Apesar de São Paulo ser a cidade que
conta com mais políticas públicas
voltadas para o imigrante
por con
ta de seu histórico como maior
território receptor de imigrantes
estrangeiros desde o tempo da
chamada “grande corrente migratória”,
na virada do século XIX para o XX
Brasil, como um todo, não dispõe de
ações sistematizadas
estrangeiro
s, como
4
Fonte:
http://www.educacao.sp.gov.br/noticia/pais
alunos/educacao-teve-
mais
estrangeiros-matriculados
rede-em-2017/. Acesso
em: 27 dez. 2018.
225
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
dos alunos estrangeiros no Brasil
,
seguidos pelos africanos e asiáticos.
é o estado que mais
recebe matrículas de alunos de outras
nacionalidades: 34,5
% do total do
país, seguido do Paraná, com 10,7%,
e Minas Gerais, com 10,6%. De
acordo com o Cadastro do Aluno da
Secretaria Estadual da Educação de
, os estudantes se dividem
em mais de 80 nacionalidades.
Em
novembro de 2017, a rede
a 10.298 estrangeiros
. Dentre eles, estão mais
de 4 mil bolivianos, 1,2 mil japoneses,
cerca de 550 angolanos e 540
Apesar de São Paulo ser a cidade que
conta com mais políticas públicas
voltadas para o imigrante
– até mesmo
ta de seu histórico como maior
território receptor de imigrantes
estrangeiros desde o tempo da
chamada “grande corrente migratória”,
na virada do século XIX para o XX
o
Brasil, como um todo, não dispõe de
ações sistematizadas
para o ensino de
s, como
programas de
http://www.educacao.sp.gov.br/noticia/pais
-e-
mais
-de-10-mil-
-nas-escolas-da-
em: 27 dez. 2018.
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
por exemplo. A
formação docente
regulares.
A legislação brasil
eira determina
Lei de Diretrizes e
Bases da Educação
(2012, p.182):
A declaração do direito à educação
escolar de todos os imigrantes na
legislação migratória do país não
garantirá, por si só, o exercício pleno
deste direito. A matrícula em
instituições de ensino dos Est
de destino é tão somente uma dentre
as muitas barreiras enfrentadas
pelos imigrantes no campo da
educação escolar. Um grande
desafio a ser trabalhado é a
igualdade de condições para o
acesso e permanência nas
instituições de ensino do Estado de
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
adaptação, aulas extras de línguas ou
currículos bilíngues, como ocorre na
Finlândia, na Noruega e no Canadá,
formação docente
também não aborda a presença do
estudante de fora nas classes
eira determina
que estrangeiros têm direito ao acesso
à educação da mesma forma que as
crianças e os adolescentes brasileiros,
conforme: Constituição Federal
(artigos e 6°); Estatuto da Criança e
do Adolescente (artigos 53° ao 55°);
Bases da Educação
Nacional (artigos e 3°); Lei da
Migração (artigos e 4º). Além disso,
a Lei dos Refugiados (artigos 43º e
44º) garante que a falta de
documentos não pode impedir o
acesso ao ensino. Verifica
-se que o
problema não está exclusivamente
na
matricula, concordando com Waldman
A declaração do direito à educação
escolar de todos os imigrantes na
legislação migratória do país não
garantirá, por si só, o exercício pleno
deste direito. A matrícula em
instituições de ensino dos Est
ados
de destino é tão somente uma dentre
as muitas barreiras enfrentadas
pelos imigrantes no campo da
educação escolar. Um grande
desafio a ser trabalhado é a
igualdade de condições para o
acesso e permanência nas
instituições de ensino do Estado de
São Pa
ulo e do Brasil, garantida
constitucionalmente.
A questão envolve também o
acesso do imigrante à escola e ao seu
processo de acolhida, adaptação e
integração a todo ecossistema escolar.
Assim, implantar e desenvolver
práticas que favoreçam tal processo é
fundamental. Por ser o principal ponto
de contato da criança estrangeira com
o novo país,
a escola tem um papel
privilegiado na sua inserção na cultura
local
. Para além da questão de
compreender e debater tais fluxos
contemporâneos de deslocamento,
ins
tituições de ensino lidam com o
desafio de acolher e integrar esses
alunos
que chegam ao país
valorizando ao mesmo tempo suas
culturas de origem.
As escolas têm várias dificuldades.
A fundamental delas é ter a
sensibilidade de compreender essa
'tradução',
das crianças viverem em
rios mundos: o local de origem; a
comunidade onde se está instalado
e mais a escola. Isto impacta
significativamente sobre a
escolarização, a aprendizagem e a
vincia. Esse é o principal eixo
(SERO, 2016, s/p).
Nesse contexto, a
língua
costuma ser apontada como a
dificuldade mais visível, mas não
impede o acolhimento, a adaptação e
interação do aluno estrangeiro na
226
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
ulo e do Brasil, garantida
constitucionalmente.
A questão envolve também o
acesso do imigrante à escola e ao seu
processo de acolhida, adaptação e
integração a todo ecossistema escolar.
Assim, implantar e desenvolver
práticas que favoreçam tal processo é
fundamental. Por ser o principal ponto
de contato da criança estrangeira com
a escola tem um papel
privilegiado na sua inserção na cultura
. Para além da questão de
compreender e debater tais fluxos
contemporâneos de deslocamento,
as
tituições de ensino lidam com o
desafio de acolher e integrar esses
que chegam ao país
,
valorizando ao mesmo tempo suas
As escolas têm várias dificuldades.
A fundamental delas é ter a
sensibilidade de compreender essa
das crianças viverem em
rios mundos: o local de origem; a
comunidade onde se está instalado
e mais a escola. Isto impacta
significativamente sobre a
escolarização, a aprendizagem e a
vincia. Esse é o principal eixo
(SERO, 2016, s/p).
Nesse contexto, a
barreira da
costuma ser apontada como a
dificuldade mais visível, mas não
impede o acolhimento, a adaptação e
interação do aluno estrangeiro na
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
idioma passa a
ser secundária.
Aprender a língua do território
(...) não podemos afirmar com toda a
certeza
que as diferenças
idiomáticas impedem o
desenvolvimento do processo de
inclusão educacional. Na verdade,
acreditamos que não; as diferenças
idiomáticas prejudicam este
processo, porém, não chegam a ser
incisivas uma vez que são
temporárias. Trata-
se de mai
problema dentre tantos outros no
precário ensino público e que,
portanto, precisa ser observado pelo
Estado no sentido de criarem
mecanismos e ferramentas que
busquem reduzir o sofrimento dos
alunos estrangeiros ao iniciarem
seus estudos no Brasil
2011, s/p).
Frente a todas as dificuldades, é
corresponde: 1.
Do ponto de vista
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
escola. Aliás, se esse processo for
feito com naturalidade, a questão do
ser secundária.
Aprender a língua do território
receptivo é importante, é uma
dificuldade inicial, mas o se torna
um obstáculo que inviabiliza a
aprendizagem dos alunos, podendo
ser superado em alguns meses.
(...) não podemos afirmar com toda a
que as diferenças
idiomáticas impedem o
desenvolvimento do processo de
inclusão educacional. Na verdade,
acreditamos que não; as diferenças
idiomáticas prejudicam este
processo, porém, não chegam a ser
incisivas uma vez que são
se de mai
s um
problema dentre tantos outros no
precário ensino público e que,
portanto, precisa ser observado pelo
Estado no sentido de criarem
mecanismos e ferramentas que
busquem reduzir o sofrimento dos
alunos estrangeiros ao iniciarem
seus estudos no Brasil
(BARRETO,
Frente a todas as dificuldades, é
recomendado que a escola projete a
sua atividade no território onde está
localizada (bairro) e não entenda sua
ação educativa como um
compartimento fechado, limitado a
seus muros. Assim, a articulação da
escola com a comun
idade
Do ponto de vista
pedagógico, a uma valorização da
diversidade de experiências e saberes
dos alunos, construídos em contextos
formais, não formais e informais de
educação; 2.
Do ponto de vista
organizacional, a uma abordagem
articulad
a e interativa, territorialmente
integrada, que mobiliza de forma
concertada diferentes parceiros
(HORTA; MARTINS;
DIAS, 2014).
No que diz respeito à questão
migratória, parcelas expressivas de
imigrantes que chegam ao Brasil
muitas vezes em busca do
enriquecimento”
não tiveram acesso
à Educação nos seus países e espera
que os filhos possam ter no novo
destino. A busca por emprego e
melhores condições de vida inclui uma
boa escola para suas crianças. Por
outro lado, é comum alunos do
territór
io de recepção trazerem
preconceitos de casa, em alguns
casos resultando em
predominando a visão
na qual o estrangeiro é recebido como
alguém que tem de absorver nossa
cultura e esquecer a sua. Porém, se
compreendem que os outros
estudantes tiveram de abrir mão de
muitas coisas em um processo de
deslocamento, as relações mudam.
227
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
formais, não formais e informais de
Do ponto de vista
organizacional, a uma abordagem
a e interativa, territorialmente
integrada, que mobiliza de forma
concertada diferentes parceiros
DIAS, 2014).
No que diz respeito à questão
migratória, parcelas expressivas de
imigrantes que chegam ao Brasil
muitas vezes em busca do
mito do
não tiveram acesso
à Educação nos seus países e espera
que os filhos possam ter no novo
destino. A busca por emprego e
melhores condições de vida inclui uma
boa escola para suas crianças. Por
outro lado, é comum alunos do
io de recepção trazerem
preconceitos de casa, em alguns
casos resultando em
bullyings,
predominando a visão
etnocentrista,
na qual o estrangeiro é recebido como
alguém que tem de absorver nossa
cultura e esquecer a sua. Porém, se
compreendem que os outros
estudantes tiveram de abrir mão de
muitas coisas em um processo de
deslocamento, as relações mudam.
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
4
. Descrição dos processos de
pesquisa-
ação e principais
resultados
Após uma conversa inicial com
cursos
5
, os professores re
respostas revelaram que:
A principal d
ificuldade está na
comunicação com os alunos
estrangeiros, seguida da
interação com os colegas, de
acordo com as respostas.
Todos eles disseram que, para
se fazer entender, utilizam
linguagem gestual e visual,
procuram se expressar devagar
5
Como os cursos tiveram duração média de
desta pesquisa-
ação. O cronograma foi o
seguinte: Encontro 1 – Apresen
tação da
questionário. Encontro 2 –
Explicação e
Encontro 3 –
Explicação e discussão do
n
os formatos blogs e redes sociais. Encontro 5
Discussão sobre a implantação do projeto de
imigrantes.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
. Descrição dos processos de
ação e principais
Após uma conversa inicial com
a apresentação da proposta dos
, os professores re
sponderam
a um questionário (com perguntas
fechadas), indicando alguns pontos
principais no que diz respeito à
acolhida, adaptação e integração do
s
alunos imigrantes na escola, a partir
de suas próprias vivências. As
ificuldade está na
comunicação com os alunos
estrangeiros, seguida da
interação com os colegas, de
acordo com as respostas.
Todos eles disseram que, para
se fazer entender, utilizam
linguagem gestual e visual,
procuram se expressar devagar
Como os cursos tiveram duração média de
20 horas, foram realizados cinco encontros, de
4 horas cada, em média, para a realização
ação. O cronograma foi o
tação da
proposta dos cursos e aplicação do
Explicação e
discussão do conceito de Educomunicação.
Explicação e discussão do
conceito de interculturalidade. Encontro 4
TICs, usabilidade e características, com foco
os formatos blogs e redes sociais. Encontro 5
Discussão sobre a implantação do projeto de
blogs nas escolas, com foco na acolhida,
adaptação e integração de crianças
e utilizam ainda
Google”; nenhum professor
indicou que tem pleno domínio
do idioma do estudante.
Os alunos estrangeiros o
costumam apresentar
dificuldade de aprendizagem; os
casos em que isso ocorre estão
muito mais relacionados ao fato
de não conhecerem
do Brasil, o contexto político e
social do país, o entorno da
escola, os hábitos e costumes,
que, necessariamente, algum
déficit psicológico, por exemplo.
Todos indicaram que os pais
dos alunos imigrantes
costumam comparecer sempre
aos eventos
formais da escola
(reuniões, festas etc.) e que não
maiores problemas com
relação ao comportamento e
disciplina desses alunos.
Por fim, todos eles indicaram
que o relacionamento com
estudantes estrangeiros é ao
mesmo tempo um desafio
pedagógico e uma
enriquecedora.
Após discussão presencial dos
resultados do questionário com os
228
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
e utilizam ainda
o “tradutor do
Google”; nenhum professor
indicou que tem pleno domínio
do idioma do estudante.
Os alunos estrangeiros o
costumam apresentar
dificuldade de aprendizagem; os
casos em que isso ocorre estão
muito mais relacionados ao fato
de não conhecerem
a história
do Brasil, o contexto político e
social do país, o entorno da
escola, os hábitos e costumes,
que, necessariamente, algum
déficit psicológico, por exemplo.
Todos indicaram que os pais
dos alunos imigrantes
costumam comparecer sempre
formais da escola
(reuniões, festas etc.) e que não
maiores problemas com
relação ao comportamento e
disciplina desses alunos.
Por fim, todos eles indicaram
que o relacionamento com
estudantes estrangeiros é ao
mesmo tempo um desafio
pedagógico e uma
experiência
enriquecedora.
Após discussão presencial dos
resultados do questionário com os
ESCUDERO, Camila.
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
no ambiente escolar. PragMATIZES -
Revista Latino
Estudos em Cultura, Niterói/RJ, Ano 11, n. 20
, p.
participantes, mostrou-
se consenso
aprendizagem do idio
ma, mas inclui o
Nesse sentido, deu
converter-
se em um gestor de
processos comunicativos, levando
em conta que a principal lição a ser
aprendida por todos
alunos
é justamente a necessidade
de se construir um novo mundo em
conjunto, tendo o diálogo aberto e
criativo como o grande instrumento
de persuasão (SOARES, 2014, p.
29-30).
Assim, a partir do uso das
questão migratória
nas escolas
modalidade blogs
e redes sociais
passou-
se a discutir, em conjunto,
Educomunicação e interculturalidade como
propostas para acolhida, adaptação e integração de crianças imigrantes
Revista Latino
-Americana de
, p.
218-235, março 2021.
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
(Dossiê "
Tramas entre cultura e educação")
se consenso
que a acolhida, adaptação e interação
do aluno estrangeiro na escola não
passa pela oferta de auxílio na
ma, mas inclui o
acompanhamento do processo, da
família na escola, oferecendo
diversidade metodológica para além
das opções tradicionais de ensino.
Nesse sentido, deu
-se início à
segunda fase da pesquisa ação: a
apresentação do tema
Educomunicação, com o
foco, ainda
de acordo com as ideias de Soares
(2014), de conscientizar o educador a
se em um gestor de
processos comunicativos, levando
em conta que a principal lição a ser
professores e
é justamente a necessidade
de se construir um novo mundo em
conjunto, tendo o diálogo aberto e
criativo como o grande instrumento
de persuasão (SOARES, 2014, p.
Assim, a partir do uso das
Tecnologias de Informação e
Comunicação (TICs) e da realidade da
nas escolas
que a ênfase dos cursos era a
e redes sociais
–,
se a discutir, em conjunto,
possibilidades de atividades práticas
de processos de ensino
-
aprendizagem, unindo as questões da
Educomunicação com a
Interculturalidade,
que: 1) integrassem
às práticas educativas o estudo
sistemático dos sistemas de
comunicação; 2) criassem e
fortalecessem aspectos comunicativos
em espaços educativo; 3)
melhorassem o coeficiente expressivo
e comunicativo das ações educativas
nas escolas da
contribuíssem para a formação
continuada de professores, alunos e
demais envolvidos; 5) revelassem
estruturas não-
fixas de indivíduos e
grupos em situação de deslocamento
em territórios receptores, originários de
diferentes tipos de sociedades,
distintas tradições (hábitos, costumes),
religiões etc. responsáveis pela
geração de conflitos capazes de serem
negociados, bem como pela
reconfiguração do conjunto de
paisagens socioculturais da cidade,
atualmente.
Diante do exposto, surgiram as
idei
as práticas de implantação, neste
caso estudado, de um
escolas, seja como um projeto da
disciplina, seja como uma ação
articulada com outras áreas, como
direção, secretaria, bem como outros
professores, em um projeto
interdisciplinar. Utilizando p
229
www.periodicos.uff.br/pragmatizes
- ISSN 2237-1508
Tramas entre cultura e educação")
que: 1) integrassem
às práticas educativas o estudo
sistemático dos sistemas de
comunicação; 2) criassem e
fortalecessem aspectos comunicativos
em espaços educativo; 3)
melhorassem o coeficiente expressivo
e comunicativo das ações educativas
nas escolas da
cidade; 4)
contribuíssem para a formação
continuada de professores, alunos e
demais envolvidos; 5) revelassem
fixas de indivíduos e
grupos em situação de deslocamento
em territórios receptores, originários de
diferentes tipos de sociedades,
com
distintas tradições (hábitos, costumes),
religiões etc. responsáveis pela