Aplicação da membrana de látex natural e do extrato da pele de rã (Lithobates catesbiana) em feridas cirúrgicas cutâneas de ratos Wistar

Flávia Neme Borsari, Leonardo Martins Leal, Henrique Manoel Galves de Freitas, Tais Harumi de Castro Sasahara, Marcia Rita Fernandes Machado

Resumo


Implantou-se a membrana de látex natural e o extrato da pele de rã individualmente e em conjunto em feridas cutâneas de ratos com o intuito de se avaliar o processo de reparação tecidual e possíveis complicações. Utilizou-se 60 ratos da linhagem Wistar divididos em grupos experimentais: grupo controle (GC), grupo membrana de látex (GM), grupo óleo do extrato da pele de rã (GO) e grupo membrana de látex e óleo de rã (GMO), cada um com 15 animais. Aos três, cinco, sete, 14 e 21 dias de pós-operatório, foi realizada eutanásia dos animais para avaliações macroscópicas e histológicas da região lesionada. Nas feridas dos animais do GM e do GC a cicatrização ocorreu mais cedo, no último tempo de avaliação o sinal de lesão era mínimo, já no GMO, a cicatrização não foi completa e no GO a ferida teve o pior resultado, com presença de crosta no 21º dia. Foram observadas, à microscopia de luz, células normais envolvidas no processo de reparação tecidual e formação de neovasos em todos os grupos.  Conclui-se que em todos os grupos não houve rejeição dos biomateriais testados, todavia o grupo GM proporcionou melhor cicatrização com menos efeitos adversos quando comparada aos demais grupos testados.


Palavras-chave


cicatrização, cirurgia, reparação

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV