Indicadores clínico-epidemiológicos da urolitíase em pequenos ruminantes atendidos na rotina hospitalar.

Múcio Veloso Morais, Alonso Pereira Pereira Silva Filho, Sylvana Pontual Alencar, Carla Lopes Mendonça, Nivaldo Azevedo Costa, José Augusto Bastos Afonso

Resumo


Objetivou-se, com este trabalho, realizar um estudo sobre a ocorrência e a caracterização dos principais achados epidemiológicos, clínicos e de exames complementares, bem como a composição química dos urólitos encontrados nos casos de urolitíase em pequenos ruminantes atendidos na rotina hospitalar. O estudo foi realizado na Clínica de Bovinos, Campus de Garanhuns da Universidade Federal Rural de Pernambuco, analisando 98 casos de urolitíase obstrutiva que foram diagnosticados no período de 2001 a 2011. A casuística de urolitíase obstrutiva representou 5,1% dos casos clínicos de pequenos ruminantes. Todos os animais acometidos eram machos e inteiros, com idade inferior a três anos em 90,56% dos ovinos e 66,60% dos caprinos. Dentre os principais achados clínicos se destacam: apatia e postura alterada, apresentando sinais de dor como arqueamento, vocalização e ranger de dentes, desidratação, dificuldade para urinar, além de apresentar a região prepucial edemaciada e sensível à palpação. O hemograma revelou uma leucocitose por neutrofilia. Na bioquímica sérica foi constatada uma elevação dos níveis de ureia e creatinina, GGT, CK e glicose. Com relação ao perfil mineral observou-se uma hipocalcemia, hiperfosfatemia e hipermagnesemia. Mereceu destaque o resultado da composição dos urólitos, onde houve um predomínio do oxalato. O índice de mortalidade dos animais acometidos foi de 56,4%. Conclui-se que os exames clínicos e laboratoriais, são fundamentais para avaliar a condição clínica do paciente e seu prognóstico.

 


Palavras-chave


cálcio, mineral, obstrução, oxalato, urólitos

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV