Mobilidade urbana e pobreza no Rio de Janeiro

Valéria Pero, Vitor Mihessen

Resumo


Este artigo analisa as características, tendências e determinantes da mobilidade urbana na região metropolitana do Rio de Janeiro, de forma comparativa a outras metrópoles brasileiras. Para tanto, utiliza-se o indicador de tempo gasto no deslocamento de casa ao trabalho, explorando o Censo 2010, e o peso do gasto com transporte urbano na renda familiar, a partir das Pesquisas de Orçamento Familiar (POF) do IBGE de 2002/2003 e 2008/2009. A RMRJ tem elevado peso do gasto no orçamento familiar e alta proporção de trabalhadores que gastam mais de uma hora no trajeto de casa ao trabalho. Para os moradores do entorno da capital e para a população de baixa renda, a situação do Rio é a pior quando comparada às outras regiões e as diferenças aumentam ao longo do tempo, se distanciando do padrão de Curitiba. Mesmo após considerar as diferenças nas características das famílias, o modelo estimado mostra que os coeficientes da RMRJ são os mais elevados do país.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/economica.15i2.p71

Apontamentos

  • Não há apontamentos.