Um estudo bibliométrico aplicado a exposição cambial e estratégias de contratação de hedge

Autores

  • Fábio Moutinho Rocha Universidade Federal Fluminense
  • Juliana de Castro Reis Universidade Federal Fluminense
  • Ricardo Bordeaux-Rego Universidade Federal Fluminense

Palavras-chave:

bibliometria, exposição cambial, hedge

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apresentar um estudo bibliométrico aplicado a exposição cambial e estratégias de contratação de hedge, buscando entender qual o estado da arte da produção científica nesta área acadêmica. O trabalho foi iniciado através da definição de uma árvore de palavras-chaves, a qual foi utilizada para uma busca na base de dados Scopus, com o objetivo de identificar todo o conteúdo científico produzido e publicado. Foi aplicada uma metodologia para tratamento dos dados e obtenção de um portfólio final de artigos, apoiada pelo software de catalogação bibliogáfica Zotero® e pela ferramenta de análise e visualização Refviz®. Através da pesquisa, constatou-se que houve um aumento recente das publicações sobre o tema, atingindo o seu pico nos anos de 2011 e 2013. Observou-se também uma grande concentração das publicações na área de estudo de “Economia, Econometria e Finanças”, sendo a maior parte desses estudos publicados pelos Estados Unidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Moutinho Rocha, Universidade Federal Fluminense

Engenhario de Produção

Juliana de Castro Reis, Universidade Federal Fluminense

Engenheira de Produção

Ricardo Bordeaux-Rego, Universidade Federal Fluminense

Departamento de Engenharia de Produção

Referências

Agyei-Ampomah, S.; Mazouz, K.; Yin, S. (2013). The foreign exchange exposure of UK non-financial firms: A comparison of market-based methodologies. International Review of Financial Analysis; v. 29; p. 251-260.

Alves, M.; Teixeira, N; Rita, R. (2007). A gestão do risco cambial, as fontes de risco e as técnicas de pagamento: um estudo de caso. XXI Congresso Anual AEDEM, Universidad Rey Juan Carlos, Madrid.

Barreto, R. G. Operações de hedge cambial em empresas não financeiras: um estudo de caso das empresas Aracruz Celulose e Sadia. Fundação Getúlio Vargas, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, 2011.

Boczko, A. (2005). International Payment Risk. Financial Management. Mar: 35-37.

Bonilla, C.; Merigó, J. M.; Torres-Abad, C. (2015). Economics in Latin America: a bibliometric

Analysis. Scientometrics; v. 105(2); p. 1239–1252.

Bordeaux, R. (2016). Notas de aula da disciplina de Finanças Internacionais de 2016 ministrada pelo Prof. Ricardo Bordeaux - UFF- TPP.

Bradley, K.; Moles, P. (2002). Managing strategic exchange rate exposures: evidence from U.K. firms. Managerial Finance, Vol. 28 No. 11, pp. 28-42.

Chan, K. C.; Chang, C. H.; Chen, C. R. (2011). Financial research in the European region: a long term assessment (1990–2008). European Financial Management; v. 17(2); p. 391–411.

Dhanani, A. (2004). The Management of Foreign Exchange-Rate Risk: A Case from the Manufacturing Industry, ProQuest, ID 613489871.

Dong, L.; Kouvelis, P.; Su, P. (2014). Operational hedging strategies and competitive exposure to exchange rates. International Journal of Production Economics; v. 153; p. 215-229.

Du, H. B.; Li, B. L.; Brown, M. A. (2015). Expanding and shifting trends in carbon market research: A quantitative bibliometric study. Journal of Cleaner Production, 103, 104–111.

Echaust, K. (2014). How firms can hedge against market risk. Studies in Logic, Grammar and Rhetoric; v. 37 (50); p. 39-49.

Fagerberg, J.; Fosaas, M.; Saprasert, K. (2012). Innovation: exploring the knowledge base. Research Policy; v. 41(7); p. 1132–1153.

Farhi, M. (1999). Derivativos financeiros: hedge, especulação e arbitragem. Economia e Sociedade, Campinas, (13): 93-114.

Farias Filho, J. R. (2012). Ensaio teórico sobre pesquisa bibliográfica em estratégia de operações. Niterói: UFF/TEP. (Apostila da Disciplina de Gestão de Operações – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção).

Fonseca, E. N. Bibliometria: teoria e prática. São Paulo: Cultrix, Ed. da USP, 1986.

Guttmann, R. (2008). Uma introdução ao capitalismo dirigido pelas finanças. Revista Novos Estudos Cebrap, n. 82, pp. 11-33.

Hsieh, P. N.; Chang, P. L. (2009). An assessment of world-wide research productivity in production and operations management. International Journal of Production Economics; v. 120(2); p. 540–551.

Huai, C.; Chai, L. (2016). A bibliometric analysis on the performance and underlying dynamic patterns of water security research. Scientometrics. DOI 10.1007/s11192-016-2019-x

Hull, J. C. (1997). Options, futures and other derivatives. Upper Saddle River (NJ): Prentice Hall.

Ito, T.; Koibuchi, S.; Sato, K.; Shimizu, J. (2016). Exchange rate exposure and risk management: The case of Japanese exporting firms. Journal of the Japanese and International Economies; v. 41; p. 17-29.

Jacques, L. (1981). Management of foreign exchange risk: a review article. Journal of International Business Studies, Vol. 12 No. 1, pp. 81-101.

Landström, H.; Harirchi, G.; Aström, F. (2012). Entrepreneurship: exploring the knowledge base. Research Policy; v. 41(7); p. 1154–1181.

Mao, G.Z.; Liu, X.; Du, H.; Zuo, J.; Wang, L.Y. (2015). Way forward for alternative energy research: A bibliometric analysis during 1994–2013. Renew Sustain Energy, v. 48, p. 276–286.

Marques, P.; Mello, P.; Martines, F. (2006). Mercados futuros e de Opções agropecuárias. Piracicaba: Dep. de Economia, Administração e Sociologia, Série Didática, n.º D-219.

Matos, J. Finanças Internacionais. Editorial Presença, Lisboa, 1992.

Merigó, J.M.; Rocafort, A.; Aznar-Alarcón, J.P. (2016). Bibliometric Overview of Business & Economics Research. Journal of Business Economics and Management 17 (3), p. 397-413.

Muller, A.; Verschoor, W. F. C. (2006). Foreign exchange risk exposure: Survey and suggestions. Journal of Multinational Financial Management, v16, p. 385–410.

Pilkington, A.; Meredith, J. (2009). The evolution of the intellectual structure of operations management – 1980–2006: a citation/co-citation analysis. Journal of Operations Management; v. 27(3); p. 185–202.

Rupeika, A. (2005). Nowadays Approach to Foreign Exchange Risk Management. ProQuest, ID 912495161.

Stern, D. I. (2013). Uncertainty measures for economics journal impact factors. Journal of Economic Literature; v. 51(1); p. 173–189.

Tavares Treinta, F.; Farias Filho, J. R.; Sant’Anna, A. P.; Rabelo, L. M. (2013). Metodologia de pesquisa bibliográfica com a utilização de método multicritério de apoio à decisão. Revista Produção Online, vol.24 no.3. São Paulo.

Van Eck, N.; Waltman, L. (2007). Bibliometric mapping of the computational intelligence field. International Journal of Uncertainty, Fuzziness and Knowledge-Based Systems, 15(5), 625-645.

Van Eck, N.; Waltman, L. (2013). VOSviewer manual. Leiden: Universidade de Leiden, Holanda.

Vanti, N. A. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 2, p. 152-162.

Võsner, H. B.; Kokol, P.; Bobek, S.; Zeleznik, D.; Zavrsnik, J. (2016). A bibliometric retrospective of the Journal Computers in Human Behavior (1991-2015). Computers in Human Behavior, v. 65, p. 46-58.

Downloads

Publicado

2016-12-12

Edição

Seção

Artigos