https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/issue/feed Revista Trabalho Necessário 2021-02-25T22:08:42+00:00 Revista Trabalho Necessário revistatrabalhonecessario@gmail.com Open Journal Systems <p><strong>Trabalho Necessário</strong> é uma publicação quadrimestral do Núcleo de Estudos, Documentação e Dados sobre Trabalho e Educação - NEDDATE, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação e à Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense – UFF. Publica resultados de pesquisas e estudos sobre mundo do trabalho, formação humana e relações históricas entre trabalho e educação. É dirigida a professores, pesquisadores e estudantes de graduação e pós-graduação, especialmente das áreas das ciências sociais e humanas. </p> https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/48885 Expediente 2021-02-25T21:12:55+00:00 - - revistatrabalhonecessario@gmail.com <p>--</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/46220 ESCUTA AS MANAS: A EXPERIÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA ARTE URBANA DE GÊNERO NO RIO DE JANEIRO. 2020-09-16T19:12:41+00:00 Priscila Rodrigues de Castro priscilardcastro@gmail.com <p>Este ensaio pretende destacar a presença de mulheres na produção de graffitis na cidade do Rio de Janeiro, tendo como foco as possibilidades de conquista cotidiana do espaço público e consequentemente das implicações resultantes da ampliação das percepções político e pedagógicas da arte como instrumento das lutas feministas.</p> <p><strong>Palavras-chaves: </strong>arte urbana; gênero: Rio de janeiro</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/48812 EM UM MUNDO EM COLAPSO, OS DESAFIOS DAS LUTAS FEMINISTAS. 2021-02-19T22:31:34+00:00 Tatiana Dahmer Pereira tatianadahmerpereira@gmail.com Maria Cristina Paulo Rodrigues cristrabnecessario@gmail.com <p>O presente número da Revista Trabalho Necessário que chega às suas mãos apresenta artigos, registros históricos e artísticos, entrevista e resenha, os quais circulam em torno de tema delicado e fundamental para a formação humana em nossa sociedade periférica ocidental: articulam conteúdos relacionados ao trabalho, às lutas feministas e estudos de gênero, raça e classe social no Brasil e na América Latina.<br />Organizada em pleno ano em que se instala a pandemia mundial da Covid-19, com rebatimentos graves sobre as condições concretas de vida em nosso país fomentados pelas diretrizes de ação do governo federal, têm sido mulheres (especialmente as negras e indígenas) e segmentos mais pauperizados da classe trabalhadora que vivenciam os impactos mais perversos gerados não apenas pela doença, mas em função do agravamento da crise capitalista e dos caminhos governamentais adotados para o trato dessas questões.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/48727 O GÊNERO DO TRABALHO OPERÁRIO: CONDIÇÕES DE TRABALHO, DIVISÃO SEXUAL E PRÁTICAS SOCIAIS EM INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DOS SEGMENTOS AUTOMOTIVO E ELETROELETRÔNICO (2020) DE THAÍS DE SOUZA LAPA. 2021-02-10T20:42:09+00:00 Liliane Bordignon Souza lilianebordignon@yahoo.com.br <p>Qual o lugar do trabalho da mulher na indústria metalúrgica brasileira nos anos 2010? Essa é a pergunta que conduz o livro de Thaís Lapa, recolocando no campo das ciências sociais a importância de se pesquisar as particularidades das condições e da organização do trabalho fabril de mulheres no tempo presente. A autora, que no apêndice do livro mostra-se, ela mesma, filha de metalúrgico de grandes montadoras do ABC Paulista e observadora das mudanças na região brasileira que mais concentrou fábricas e lutas operárias no século XX, apresenta uma relevante contribuição à sociologia do trabalho com essa publicação. Dessa forma, oferece ao leitor(a) dados primários e análises pertinentes àqueles que buscam compreender a sociohistória das metamorfoses do trabalho, sem perder de vista as relações de sexo e classe, entendidas como consubstanciais na conformação das relações sociais.</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>gênero e trabalho operário; divisão sexual do trabalho; indústrias metalúrgicas.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/48876 ABRAM CAMINHO PARA O EROS ALADO! UMA CARTA PARA A JUVENTUDE OPERÁRIA 2021-02-25T14:04:37+00:00 Alexandra Kollontai revistatrabalhonecessario@gmail.com <p>Jovem camarada: me perguntas que lugar corresponde ao amor na ideologia proletária. Admira-te o fato de que nos momentos atuais a juventude trabalhadora “se preocupe muito mais com o amor e todas as questões a ele relacionadas” que os grandes assuntos que a República dos operários tem por resolver. Se isto é assim — dificilmente posso apreciar de longe —, busquemos juntos a explicação deste feito e vamos encontrar a resposta para este primeiro problema: que lugar tem o amor na ideologia da classe operária?</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/47776 A LUTA CONTRA A OPRESSÃO DA MULHER EM ALEXANDRA KOLLONTAI 2021-01-11T23:33:35+00:00 Cláudio Santos cefsantos8@gmail.com Denise Santana Maia ise.direito@gmail.com <p>O presente trabalho tem por objetivo analisar, com base no pensamento da autora russa Alexandra Kollontai, alguns desafios encontrados por ela na luta contra a opressão feminina em seu processo de formação política. O referido estudo compreende a análise do seu pensamento com base nas seguintes obras: <em>“A Nova mulher e a Moral Sexual” </em>e “<em>Autobiografia de uma mulher emancipada</em>”. Discutimos nesta ocasião os obstáculos encontrados pela autora na luta pela construção do socialismo, explorando as seguintes questões: a situação da mulher na Rússia e as possibilidades de uma nova moral sexual; a concepção de amor e família para a sociedade socialista em construção</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>Alexandra Kollontai; Mulher; Moral sexual; Comunismo</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/45907 EL CONFLICTO CAPITAL-VIDA: APORTES DESDE LOS FEMINISMOS 2020-10-26T14:09:28+00:00 Amaia Perez Orozco amaia@colectivaxxk.net <p>A ideia do conflito capital-vida é uma contribuição fundamental do feminismo para entender a toxicidade do sistema hegemônico que tende a se impor globalmente, como constitutivo do projeto modernizador que se desdobra há pelo menos quinhentos anos, um sistema econômico que destrói outras formas anteriores de economia, um sistema contra o qual tentamos implantar outras formas econômicas, em resistência, subversivas. Neste artigo exploramos a caracterização que a economia feminista faz desse conflito, enfatizamos seu apoio em dimensões econômicas invisíveis e discutimos brevemente a forma como ele se reconfigura hoje.<br /><strong>Palabra-chave:</strong> conflito capital-vida; sustentabilidade da vida; economia feminista; mal-cuidado</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/48161 DESENGAVETANDO “GÊNERO” À LUZ DOS FEMINISMOS NO BRASIL 2021-01-15T15:49:43+00:00 Tatiana Dahmer Pereira tatianadahmerpereira@gmail.com <p>O artigo trata de questões emanadas pela diversidade de resistências de movimentos de diferentes mulheres no Brasil, as quais se norteiam por vivências concretas distintas e com projetos societários variados. De caráter teórico - porém fundado em trajetória pessoal e profissional da autora junto aos movimentos feministas e de mulheres - visa refletir sobre as diferentes visibilidades e mesmo invisibilizações de movimentos de mulheres e feministas, a partir da dinâmica particular de nossa formação social brasileira. Ao final, visando desdobramentos futuros do debate, sinalizamos elementos importantes para os estudos de feminismos, movimentos de mulheres e de gênero na academia.</p> <p>Palavras-chave<strong>: </strong>Gênero. Relações sociais de sexo. Raça. Classe social. Formação social brasileira.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/45703 A OFENSIVA ANTI-GÊNERO NA SOCIEDADE BRASILEIRA 2020-10-01T14:44:53+00:00 Luciana Sardenha Galzerano lucianasgalzerano@gmail.com <p>O artigo objetiva compreender a gênese e difusão da <em>ideologia de gênero </em>e sua repercussão na sociedade brasileira. O termo busca naturalizar as questões de gênero e ideologizá-las, evitando que sejam enfrentadas a partir dos estudos científicos da área. Apoiamo-nos no marxismo e nas teorias que dele partem para analisar as relações sociais de sexo/gênero, e na epistemologia feminista que questiona o masculino dito universal na produção da ciência. Observamos que a disseminação do discurso sobre a <em>ideologia de gênero</em> resulta em ofensivas anti-gênero em diversos países, incluindo o Brasil.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/45884 A DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO NO CONTEXTO DA PANDEMIA. 2020-10-23T13:17:01+00:00 Hildete Pereira de Melo hildete43@gmail.com Lucilene Morandi lmorandi@id.uff.br <p>Este artigo tem como propósito fazer uma análise conjuntural da economia brasileira nestes meses de crise sanitária sem precedentes em sua história, tendo como fio condutor e pano de fundo a divisão sexual do trabalho. A pandemia da Covid-19 irrompeu em meio à crise econômica que a economia brasileira amargava desde 2015 e com baixíssimas taxas de crescimento desde 2017. Para as mulheres, a estagnação econômica e a crise sanitária potencializaram as desigualdades relativas ao mercado de trabalho e à divisão das tarefas de cuidado dentro da família.</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>gênero; desigualdade; crise sanitária; crise econômica.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/48187 “CUIDA DE QUEM TE CUIDA” A LUTA DAS TRABALHADORAS DOMÉSTICAS DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19 NO BRASIL 2021-01-20T22:04:21+00:00 Veronica Souza de Araujo veronica.sa.med@gmail.com Rachel Barros de Oliveira barrosdeoliveira.rachel@gmail.com <p>A pandemia causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) no ano de 2020 impôs profundas modificações nos diferentes arranjos de socialização. No Brasil, suas consequências foram sentidas sobretudo pela população negra e periférica, que trabalha nas ocupações mais precarizadas, muitas vezes na informalidade e que também compõe grande parte dos trabalhadores nomeados como essenciais, e, portanto, mais expostos à contaminação pelo vírus. Como exemplo deste quadro, analisamos os impactos da pandemia sobre as trabalhadoras domésticas, categoria formada majoritariamente por mulheres negras. Consideramos a colonialidade e o racismo estrutural da sociedade brasileira como dimensões fundamentais para a análise da realidade, elencamos casos recentes de violação de direitos e as mobilizações postas em prática pela categoria.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> trabalho doméstico; COVID-19; racismo estrutural; colonialidade; movimento sindical.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/47135 DE QUEM É O CORPO QUE COMPÕE A FORÇA DE TRABALHO? REFLEXÕES SOBRE TRABALHADORAS/ES TRANS NO CONTEXTO DA COVID-19 2020-11-22T13:43:54+00:00 Jéssyka Kaline Augusto Ribeiro jsk.ribeiroz@gmail.com Guilherme de Almeida gsdealmeida@gmail.com <p>Este artigo é parte de um esforço para compor uma análise acerca das condições de vida das trabalhadoras e trabalhadores trans no atual contexto da pandemia da Covid-19. Nesse processo é importante destacar a anterior dificuldade da inserção das travestis, das mulheres transexuais e dos homens transexuais no mercado de trabalho brasileiro. E em contextos de crise do capital, exploração intensa do trabalho e aumento do desemprego, a situação se agrava ainda mais. Com a pandemia da Covid-19 ocorreram mudanças significativas na vida das pessoas trans no Brasil, principalmente entre as mais impactadas pela pobreza, pelo racismo e por outras formas de desigualdade social.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Trabalho; Transexualidade; Covid-19;</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/47128 A NATURALIZAÇÃO DO FEMINIO NO PROGRAMA DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE NO BRASIL 2020-11-23T21:17:54+00:00 Anna Violeta Durão violetadurao@fiocruz.br <p>Esse artigo analisa as relações entre gênero e trabalho comunitário na Institucionalização da profissão das Agentes Comunitárias de Saúde (ACS) no Nordeste. Na esteira de E.P. Thompson, recupera-se a história dessas trabalhadoras, considerando as relações contraditórias que se conformaram e foram conformadas na sua formação. A partir das entrevistas realizadas por Sousa (2011), traz-se a visão das ACS sobre esse processo. Constatou- se que a experiência de trabalho foi constituída na sobreposição de várias esferas da vida, relacionando-se com o que, culturalmente, se entende como trabalho feminino. </p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Gênero, Agente Comunitária de Saúde, história e trabalho comunitário.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/46459 UNIVERSIDADE E TRAJETORIAS PROFISSIONAIS: UMA LEITURA A PARTIR DAS RELAÇÕES DE GENERO. 2020-10-26T14:00:13+00:00 Paola Cappellin cappellinp@gmail.com Jorge Custodio jorgecustodio13@yahoo.com.br <p>O objeto deste artigo é refletir sobre o processo de aproximação a Universidade por parte de jovens trabalhadores no período entre 1999 e 2013. Período da realidade brasileira, marcada por frequentes crises econômicas que modificam em continuação o mercado de trabalho e, de consequência, fragilizam as trajetórias ocupacionais das pessoas. Estas alterações repercutem na vida das pessoas, introduzindo sentimentos de incerteza e de insegurança social. Neste contexto buscar o diploma universitário, é uma estratégia para ampliar as perspectivas futuras de promoção profissional. Os jovens trabalhadores ao retornar aos estudos, se disponibilizam a reorganizar seus cotidianos: conciliar o tempo dedicado a frequentar a universidade, a assistir a família e a manter o emprego. No decorrer do artigo, apesar de sublinhar as inovações, tudo indica que a cultura de gênero permanece como marcador de diferença de opções e escolhas. </p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> gênero e trabalho; trabalho e universidade; gênero e universidade.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/43121 GRUPO INTELECTUAIS NEGRAS UFRJ: A INVENÇÃO DE UMA COMUNIDADE CIENTÍFICA E SEUS DESAFIOS 2020-09-01T13:25:25+00:00 Giovana Xavier gixavier@yahoo.com.br <p>Meu objetivo com este texto é discutir avanços e dificuldades da invenção de uma comunidade científica fundamentada na tradição feminista negra de articular pensar e fazer. Alicerçada em conceitos como <em>autodefinição</em> (Collins, 2019) e <em>narrativa na primeira pessoa</em> (Autora, 2019) analiso os diversos significados do Grupo de Estudos e Pesquisas Intelectuais Negras na UFRJ. Com isso, menos do que rebater pressupostos de objetificação da estrutura acadêmica, interessa-me apresentar caminhos alternativos de produção científica, dentro da abordagem que conceituo história intelectual das mulheres negras. </p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> história intelectual de mulheres negras; narrativa na primeira pessoa; validação de conhecimento</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/47602 DA SANGA A PARIS: DISCURSOS DE MULHERES NEGRAS VELHAS SOBRE TRABALHO. 2020-12-14T19:44:48+00:00 Nilsa Maria Conceição dos Santos nilsamcs@yahoo.com.br <p>Analisa-se os discursos de mulheres negras e velhas sobre trabalho em seus diversos <em>lugares de fala</em>. Os resultados apontam: - que o acesso à educação é decisivo para o percurso no mundo do trabalho; mas não é suficiente para o combate ao racismo, que continua dificultando ou impedindo que a população negra esteja devidamente representada nos lugares de maior prestígio e remuneração; - os agenciamentos dessas mulheres que propiciaram avanços na mobilidade social e profissional, apesar do racismo.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: discursos- lugar de fala; mulheres negras; envelhecimento; trabalho.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/47366 VIOLÊNCIA DE GÊNERO E DESIGUALDADE RACIAL EM UMA PESQUISA COM MULHERES NO TERRITÓRIO CONFLAGRADO DO CONJUNTO DE FAVELAS DA MARÉ/RIO DE JANEIRO1 2020-12-03T23:08:40+00:00 Miriam Krenzinger miriamufrj@gmail.com Patricia Farias trapfarias@gmail.com Rosana Morgado rmorgadopaiva@hotmail.com Cathy McIlwaine cathy.macilwaine@kcl.ac.uk <p>Este artigo apresenta a análise de dados quanti-qualitativos de uma pesquisa realizada entre 2016 e 2018, sobre percepções das mulheres moradoras do conjunto de favelas da Maré, no Rio de Janeiro, quanto a violência de gênero, suas manifestações e formas de enfrentamento no território. Considerando que mulheres pretas e pardas são mais suscetíveis de serem afetadas por violências de gênero, verificou-se que os tipos de violência e os locais onde ela se manifesta são resultado das condições econômicas e relacionais, em geral no ambiente doméstico/familiar e tendo como principais agressores, pessoas conhecidas ou que convivem com a vítima. Entretanto, os processos de violência, com raízes estruturais, também se relacionam à ausência de políticas no âmbito do Estado ou à ação de grupos armados atuantes no território, como é o caso da Maré, que reforçam as desigualdades sociais, em suas múltiplas manifestações, relacionados também à violência urbana.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Violências de Gênero. Desigualdade racial. Conflitos armados.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/46595 A FOGUEIRA QUE QUEIMOU A ALMA ONTEM INCINERA A EDUCAÇÃO HOJE: A PERSEGUIÇÃO AOS ESTUDOS DE GÊNERO 2020-10-31T16:50:54+00:00 Renata Lewandowski Montagnoli renata.lemon@hotmail.com Liane Vizzotto liane.vizzotto@ifc.edu.br <p>O objetivo deste artigo é analisar as ações e os seus julgados no Supremo Tribunal Federal para apontar os pontos convergentes a favor dos estudos sobre gênero utilizados pelos ministros da Suprema Corte em suas decisões. A análise de oito Arguições de Descumprimento de Preceito Fundamental ou Ação Direta de Inconstitucionalidade, já julgadas pela Suprema Corte, constituem a base documental da pesquisa. A grosso modo, os achados mostram a legalidade dos estudos de gênero na escola, ancorada na Carta Constitucional. </p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Gênero; Legalidade; Supremo Tribunal Federal; Educação.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/48789 ANO PASSADO EU MORRI, MAS ESSE ANO EU NÃO MORRO! 2021-02-17T21:10:10+00:00 Maria Cristina Paulo Rodrigues cristrabnecessario@gmail.com Lia Tiriba liatiriba@gmail.com José Luiz Cordeiro Antunes lutajose@gmail.com <p>Esta frase é parte da música Sujeito de Sorte, composta por Belchior no ano de 1976, num álbum chamado Alucinação – o que expressa bem os sentimentos que tomavam grande parte da sociedade brasileira naquele duro contexto da nossa história. Reproduzida pelo rapper paulistano Emicida, em 2019, numa das faixas do seu disco AmarElo2, antecipava, sem saber, o ano que viveríamos a seguir.<br />A partir dela, então, é que iniciamos nossas reflexões neste primeiro número da Revista Trabalho Necessário do ano de 2021. E o fazemos porque a música traz em si, dialeticamente, uma denúncia e um anúncio: morremos em 2020. Mas não morreremos agora.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/48725 DIÁLOGOS COM LÚCIA XAVIER: UMA TRAJETÓRIA DE LUTAS NO COMBATE AO RACISMO E À OPRESSÃO DAS MULHERES NEGRAS 2021-02-10T18:42:25+00:00 Maria Cristina Paulo Rodrigues cristrabnecessario@gmail.com Jacqueline Botelho jbotelho@id.uff.br Tatiana Dahmer Pereira tatianadahmerpereira@gmail.com <p>No dia 17 de dezembro de 2020, em conversa com Jacqueline Botelho, Maria Cristina Rodrigues e Tatiana Dahmer, Lúcia Xavier, mulher negra, militante e reconhecida publicamente por seu engajamento nas lutas antirracistas, apresenta sua trajetória de lutas, explicitando a motivação de suas ações, conectadas com as relações sociais, que fundamentam suas experiências concretas como mulher negra e ativista. Desde muito cedo, em sua militância contra a opressão de mulheres negras, Lúcia Xavier implicou-se na defesa dos direitos humanos e na construção de espaços onde a história dessas mulheres pudesse ser ouvida e respeitada.</p> <p><strong>Palavras-chaves: </strong>mulheres negras; racismo estrutural; feminismos</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/44361 “MULHERES DOS ESCOMBROS”: A CONDIÇÃO DASMULHERES PERIFÉRICAS EM TEMPOS DE CATÁSTROFES. 2020-08-14T17:16:21+00:00 Scheilla Nunes Gonçalves scheillanunes@gmail.com <p>A pesquisa procura estabelecer nexos entre o atual aumento da violência sexista e os fundamentos constitutivos do patriarcado capitalista. Parte da compreensão do fenômeno histórico da caça às bruxas como crime fundador das particularidades do patriarcado na modernidade e objetiva contribuir para uma crítica da lógica destrutiva da abstração real própria da sociedade produtora de mercadorias que subjuga o concreto-sensível e forja o “progresso” através das promessas de uma ciência universal dominadora e androcêntrica. Busca articular uma teoria da crise do patriarcado capitalista, ancorada na crítica do valor-dissociação, com a apreensão das expressões do colapso da modernização na periferia do capitalismo, problematizando as hierarquias sociais que definem os que ficam à sombra do valor. Pretende pensar a violência sexista, o racismo e a criminalização da pobreza na condição das mulheres periféricas em tempos de catástrofes. Trata-se de uma pesquisa teórica que busca demonstrar a relevância de superar elaborações imediatistas, centradas na lógica da identidade com esta forma social, para empreender uma crítica radical do tempo presente à altura do aprofundamento da barbárie que ele evidencia. Argumenta, portanto, que o enfrentamento da violência sexista (e também racista) na atualidade, tende a ser inócuo na medida em que se mantiver restrito aos termos da reafirmação de suas estruturas constitutivas – que diante do colapso em curso se mantêm ao mesmo tempo em que explicitamente desmoronam.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/47324 A RELAÇÃO ENTRE MOVIMENTO FEMINISTA EPARTIDOS POLÍTICOS NO BRASIL NO CONTEXTO DE ACIRRAMENTO DA CRISE CAPITALISTA, 2008-2017. 2020-11-24T21:16:07+00:00 Célia Barbosa da Silva Pereira celiabsp@gmail.com <p>Este estudo analisa como tem se expressado a relação entre movimentos feministas e partidos políticos de esquerda no Brasil, no período entre 2008 a 2017, contexto de acirramento da crise capitalista mundial. A partir de um estudo de caso sobre a forma como essa relação tem sido construída por três movimentos feministas de expressão nacional, quais sejam: a Marcha Mundial das Mulheres (MMM), a Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB) e o Movimento de Mulheres Camponesas (MMM), apontamos tendências contemporâneas apresentadas pelos movimentos feministas sobre suas relações políticas com os partidos de esquerda. Nossa hipótese era de que, no contexto de acirramento da crise capitalista, a relação entre movimentos sociais e partidos políticos do campo da esquerda estaria se fortalecendo, no sentido de uma maior aproximação indicando organicidade. Assim, tendo em vista as particularidades do cenário nacional, propomos a tese de que, no Brasil, a relação atual entre movimentos feministas e partidos políticos de esquerda sinaliza uma relação de novo tipo, baseada na compreensão dos movimentos sociais de que são sujeitos políticos e cumprem a mesma função dos partidos no direcionamento da luta política da classe trabalhadora. A pesquisa de natureza qualitativa utilizou-se de: levantamento bibliográfico para a construção do referencial teórico e compreensão histórica do objeto de estudo; pesquisa documental realizada em sites da MMM, da AMB e do MMC e entrevistas em profundidade realizadas com quatorze militantes de referência para esses movimentos, para coleta de dados; e análise do discurso para compreensão dos dados. Os resultados apontam para a sustentação da tese. Os movimentos estudados no contexto da crise capitalista aproximaram-se mais de partidos políticos do campo da esquerda, estabelecendo uma relação de organicidade, principalmente com a Consulta Popular e o Partido dos Trabalhadores. Essa relação é fundamentada na compreensão de que a transformação social só poderá ser levada a cabo por meio de luta antissistêmica que articule as dimensões do gênero/sexo, da raça/etnia e da classe. O mote “sem feminismo não haverá socialismo” indica o entendimento desses movimentos de que uma sociedade mais igualitária deve se alicerçar na luta pela emancipação da classe trabalhadora, mas também atentar para as especificidades da emancipação da mulher.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/45654 TRABALHADORAS DO BRASIL, UNI-VOS: A CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES (CUT) - UMA HISTÓRIA ESCRITA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO 2020-09-10T11:30:36+00:00 Priscila Moreira Borges mborgespriscila@gmail.com <p>Esta<strong> </strong>dissertação foi defendida em 2018 e analisou as relações de gênero na trajetória da Central Única dos Trabalhadores (CUT) entre os anos de 1983 e 2010. A preocupação desta pesquisa foi avaliar no mundo sindical de que forma a desigualdade também estava nos organismos de poder da instituição. A partir desse contexto analisou-se sobretudo a implantação de uma política de gênero em seu interior (inserção nas diretorias; instâncias internas de organização das mulheres; políticas de promoção de participação feminina). Apesar de inúmeros esforços como políticas de cotas para as diretorias, o poder sindical ainda se mantem extremamente masculino. A escolha da CUT foi por esta ser a maior central sindical do país e a pioneira nas discussões de gênero. Utilizou-se como metodologia a análise documental das resoluções do Congressos Nacionais da CUT (CONCUT) e a revisão bibliográfica de marcos teóricos como a divisão sexual do trabalho, representação política e organização sindical.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/47625 QUEM AMA NÃO MATA - É PRECISO VOLTAR ÀS RUAS 2020-12-14T21:21:28+00:00 Leila Linhares Basted leilabarsted45@gmail.com <p>Esse texto tem como objetivo resgatar o percurso do movimento feminista no enfrentamento da violência de gênero contra as mulheres, em especial no que se refere à refutação do argumento da legítima defesa da honra.</p> 2021-02-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Trabalho Necessário