ANÁLISE QUALITATIVA DA PRODUÇÃO DE LIPASES E BIOSSURFACTANTES POR FUNGOS ISOLADOS DE RESÍDUOS OLEOSOS

João Guilherme Costa Sperb, Tania Maria Costa, Deisi Altmajer Vaz, José Alexandre Borges Valle, Rita de Cássia Siqueira Curto Valle, Lorena Benathar Ballod Tavares

Resumo


Este estudo verificou a produção de lipases e biossurfactantes por fungos filamentosos isolados de resíduos de óleo vegetal e de petróleo. A presença de lipases ao final do processo fermentativo foi estudada por meio de dois métodos qualitativos: (i) um ensaio de placas, a qual detecta a formação de um halo fluorescente laranja devido a hidrólise do substrato oleoso na presença de rodamina B; (ii) por adição de Tween 80 solúvel em água em um meio nutriente e verificação de um halo visível ao redor da colônia, indicativo da atividade lipolítica. A partir dos 24 fungos isolados e estudados, apenas 2 indicaram resultados positivos simultâneos para a lipase. Em relação à produção de biossurfactante, 12 fungos apresentaram resultados positivos tanto para o teste de atividade hemolítica como para o ensaio com microplacas, baseado no efeito da forma do menisco sobre uma imagem quadriculada vista através das cavidades de uma placa de 96 poços. O fungo denominado LEB 025 e identificado como Aspergillus niger, foi caracterizado como produtor potencial de ambos os compostos de interesse, no entanto, o fungo LEB 037 apresentou a melhor redução da tensão superficial. Os resultados experimentais colocam em evidência que os fungos filamentosos isolados são capazes de produzir ambos compostos lipases e biossurfactantes, mas para esclarecer melhor esse processo, mais estudos são necessários.


Texto completo:

PDF PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/engevista.v17i3.690

Apontamentos

  • Não há apontamentos.