O sabor do sal: paisagens vernaculares da Araruama / The taste of salt: vernacular landscapes of Araruama

Werther Holzer

Resumo


Este artigo trata da Geografia dos Sabores em seus aspectos telúricos, minerais, ao abordar a produção do sal no entorno da laguna de Araruama, no estado do Rio de Janeiro. Este é um pretexto para se discutir novas formas de se estudar a Geografia Agrária. O que se pretende é fazer uma leitura humanista das paisagens do sal, traçando uma genealogia de suas marcas e matrizes, a partir das trajeções desde a ocupação da Araruama pelos portugueses e, além dela, na transposição de uma paisagem cultural portuguesa muito específica para o Brasil, com todas as suas formas e sua rotina cotidiana.


Palavras-chave


Geografia dos sabores, Paisagem cultural, Trajeção

Texto completo:

PDF

Referências


ALESSI, Neiry Primo. Conduta Alimentar e Sociedade. Medicina, Ribeirão Preto, v. 39, n. 3, p. 327-332, 2006.

AMORIM, Inês. Monopólio e concorrência – a “roda do Sal” de Setúbal (Portugal) e as rotas Internacionais (segunda metade do século XVIII a inícios do de XIX). In: AMORIM, Inês. A articulação do sal português aos circuitos mundiais: antigos e novos consumos. Porto: Universidade do Porto, 2008. p. 183-209.

CARVALHO JR. Almir Diniz de. A ordem da missão e os jogos da ação: conflitos, estratégias e armadilhas na Amazônia do século XVII. Revista Tempo, v. 19, n. 35, p. 23-41. 2013.

CELESTINO DE ALMEIDA, Maria Regina. Tierras y recursos económicos de las aldeas indígenas de Rio de Janeiro: conflictos y negociaciones (siglos XVII XIX). Nuevo Mundo Mundos Nuevos [Online], Debates, posto online no dia 31 jan. 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2014.

COSTA, Diógenes Félix da Silva et al. Breve revisão sobre a evolução histórica da atividade salineira no estado do Rio Grande do Norte (Brasil). Sociedade & Natureza. Uberlândia, v. 25, n. 1, p. 21-34, 2013.

HOLZER, Werther. Trajeção: reflexões teóricas sobre a paisagem vernacular. In: ROSENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L. (Orgs.). Espaço e cultura: pluralidade temática. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2008. p.155-172.

JOÃO, Cristiane Ramos Vianna. Terra do sal: projeto de um museu do sal em Praia Seca, Araruama – RJ. 2012. Dissertação (Mestrado Profissional em Bens Culturais e Projetos Sociais) — Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro, 2012.

KURLANSKY, Mark. Sal: uma história do mundo. São Paulo: Ed. SENAC, 2004.

LAMEGO, Alberto Ribeiro. O Homem e a Restinga. Rio de Janeiro: IBGE, 1946.

OLIVEIRA, Aurélio de. Os tempos do sal (1200-1850). In: AMORIM, Inês. A articulação do sal português aos circuitos mundiais: antigos e novos consumos. Porto: Universidade do Porto, 2008. p. 55-64.

MARQUES, Maria Dulce de Oliveira. O salgado de Alcochete – percursos de sal: perspectivas de musealização. Dissertação (Mestrado do Curso Integrado de Estudos Pós-Graduados em Museologia) — Universidade do Porto. Porto, 2009.

NABHAN, Gary P. e ROOD, Ashley (Eds.). Renewing America’s Food Traditions: Bringing Cultural and Culinary Mainstays from the Past into the New Millenium. Flagstaff: Center for Sustainable Environments/ Northern Arizona University, 2004.

NABHAN, Gary P.; WEST, Patty; PIROG, Rich. Linking Arizona’s Sense of Place to a Sense of Taste: Marketing the Heritage Value of Arizona’s Place-based Foods. Flagstaff: Center for Sustainable Environments/ Northern Arizona University, 2005.

PEREIRA, Walter Luiz C. de Mattos. História e Região: Inovação e industrialização na economia salineira fluminense. Revista de História Regional, v. 15, n. 2, p. 184-210, 2010.

SAINT-HILAIRE. Augusto de. Viagens pelo Distrito dos Diamantes e Litoral do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1941.

SANTOS, Carlos Roberto Antunes dos. A Alimentação e seu Lugar na História: os tempos da memória gustativa. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 42, p. 11-31, 2005.

SAUER, Carl. A morfologia da paisagem. In; Corrêa, Roberto Lobat e Rosendahl, Zeny. Paisagem, Tempo, Cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1998. p. 12-74.

SOARES DE SOUZA, Gabriel. Tratado Descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1938.

TUAN, Yi-Fu. A Cidade: sua distância da natureza. Geograficidade. Niterói, v. 3, n. 1, p. 4-16, 2013.

VERRAN, Rossana Samarani. O “Espírito” dos Indígenas: teoria e prática no conhecimento científico do final do século XVIII. Anais do X Encontro Estadual de História. UFSM/UNIFRA, Santa Maria, 2010. 13p.

VITA, Soraya; LUNA, Fernando J.; TEIXEIRA, Simonne. Descrições de técnicas da química na produção de bens de acordo com os relatos dos naturalistas viajantes no Brasil colonial e imperial. Quimica Nova, v. 30, n. 5, p. 1381-1386, 2007.

VITORINO, Artur José Renda; RIZZI, Diego Danilo. O Mercado interno na América portuguesa: "exclusivo" metropolitano do comércio colonial e os "descaminhos do sal" na Capitania de São Paulo na primeira metade do século XVIII. Estudos Econômicos. São Paulo, v. 42, n. 4, p. 827-856, 2012.

WEAVER, William Woys. Pennsylvania Dutch Country Cooking. New York: Abbeville Press Publishers, 1993.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2014.40.a12910

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.