O Presente do Passado: O Egito no Brasil

Pedro Paulo Abreu Funari, Raquel dos Santos Funari

Resumo


O artigo considera a Arqueologia como um produto da interação social e discute como a materialidade do Antgo Egito tem sido importante para a construção da identdade nacional no Brasil. Começa por uma discussão teórica. Uma abordagem pós-moderna permite entender o contexto social dos usos da Arqueologia. Volta-se, em seguida, para a trajetória das antiguidades egípcias e da egiptomania no Brasil, desde o século XIX, destacando o papel de alguns movimentos culturais, como o espiritsmo. O uso de temas egípcios relaciona-se às desigualdades sociais, como o racismo e o machismo. Um estudo de caso vem em seguida, estudando as tendências recentes nos livros didáticos, em suas menções ao Egito antgo, em partcular, como sua materialidade pode ser útl para desafar as desigualdades sociais no passado e no presente. O artigo conclui-se ao propugnar abordagens inovadoras e críticas para o uso dos temas egípcios antgos no Brasil.

Palavras-chave


Antigo Egito; identidades no Brasil; desigualdades sociais; racismo; machismo; materialidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/rh.v1i1.10528

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Pedro Paulo Abreu Funari, Raquel dos Santos Funari

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

  • INDEXADORES

AWOL - The Ancient World Online

Diadorim

Google Scholar

Latindex

 

  • INSTITUCIONAL

 

NEREIDA - Núcleo de Estudos de Representações e de Imagens da Antiguidade
Campus do Gragoatá - Rua Prof. Marcos Waldemar de Freitas Reis, Bloco O, sala 507
24210-201 - Niterói - RJ
nereida@vm.uff.br