A ARTE DE ENSINAR

Luiz Maurício Bentim da Rocha Menezes

Resumo


Como se ensina flosofa? Pergunta preciosa que abre precedente para um longo e árduo caminho. Para isso não há resposta pronta, não está escrito e determinado, mas é preciso percorrer todo o caminho, pois a própria pergunta ‘pode a flosofa ser ensinada?’ já nos é uma pergunta filosófca e respondê-la signifca entrar nos meandros da flosofa e em que consiste uma educação flosófca. A tentativa de responder a questão, nos deixa outra questão no ar: existe tal arte de ensinar? Se ela existe, então também existe seu artífce e seu objeto. Como nos diz Platão na República “cada arte foi feita para procurar e fornecer a cada um o que lhe convém por natureza” (341d). Se tomarmos o mestre como o artífce e o discípulo como objeto deste ensino, devemos ter em mente que a arte de ensinar é conveniente ao discípulo e não ao mestre. O mestre, portanto, é instrumento para que se possa ensinar tal arte ao discípulo. Se a flosofa é uma arte ensinável, então é preciso verifcar a existência de tal mestre para ensiná-la. A dialética tem um papel de, através de seus cortes, encontrar a verdade a ser proferida no discurso da alma. O objetivo deste trabalho é refletir o ensino, seu instrumento e seu objeto a partir do pensamento da antiguidade grega, mais especifcamente a obra de Platão e suas
implicações sobre o ensino da filosofa.


Palavras-chave


Platão; Educação Filosófca; Dialética; Discurso Amoroso; Phármakon.

Texto completo:

PDF

Referências


Edições e traduções de textos clássicos

BURNET, J. Platonis Opera, recognovit brevique adnotatione critica instrvxit: Ioannes Burnet, Tomus II. Oxford: Oxford University Press, 1902.

FERREIRA, J. R. Fedro. Tradução de José Ribeiro Ferreira. Lisboa: Edições 70, 1997.

NUNES, C. A. Fedro. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFPA,

SCHOLFIELD, A. F. Aelian on the caracteristics of animals, v. 1. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1958.

PEREIRA, M. H. R. Platão. A República. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira. 9.ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

SLINGS, S. R. Platonis Rempvblicam, recognovit brevique adnotatione critica instrvxit: S. R. Slings. Oxford: Oxford University Press, 2003.

Estudos

BRISSON, Luc. A Religião como Fundamento da Reflexão Filosófca e como meio de Ação Política nas Leis de Platão. Kriterion, n. 107, 2003, p.24-38.

DERRIDA, Jacques. A Farmácia de Platão. Tradução de Rogério da Costa. São Paulo: Iluminuras, 2005.

EDELSTEIN, L. Te Function of the Myth in Plato’s Philosophy. Journal of the History of Ideas, v. 10, n. 4, 1949, p. 469.

JAEGER, W. Paidéia. A Formação do Homem Grego. São Paulo: Martins

Fontes, 2003.

KOHAN, W. O. A filosofia e seu Ensino como pharmakon. Educar em Revista, n. 46, p. 37-51, 2012




DOI: https://doi.org/10.22409/rh.v4i2.27872

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Luiz Maurício Bentim da Rocha Menezes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

  • INDEXADORES

AWOL - The Ancient World Online

Diadorim

Google Scholar

Latindex

 

  • INSTITUCIONAL

 

NEREIDA - Núcleo de Estudos de Representações e de Imagens da Antiguidade
Campus do Gragoatá - Rua Prof. Marcos Waldemar de Freitas Reis, Bloco O, sala 507
24210-201 - Niterói - RJ
nereida@vm.uff.br