Prevalência de parasitos gastrointestinais em mamíferos selvagens do Jardim Zoológico do Rio de Janeiro

Luciano Antunes Barros, Lucas Xavier Sant´Anna, Bárbara Souza Neil Magalhães

Resumo


Durante o período de janeiro a novembro de 2016 foi avaliada a prevalência de parasitos gastrointestinais em mamíferos selvagens do Jardim Zoológico do Rio de Janeiro S/A (RioZoo). Amostras fecais de cento e trinta e três mamíferos selvagens, incluindo setenta e um primatas, vinte e dois felídeos, cinco roedores, cinco procionídeos, quatro taiassuinídeos, quatro mustelídeos, três quirópteros, três canídeos, dois mirmecofagídeos, dois camelídeos, dois tapirídeos, dois cervídeos, dois proboscídeos, dois hipopotamídeos, um otarídeo, um herpestídeo, um erinaceomorfídeo e um dasipodídeo, foram processadas por uso das técnicas de Gondon & Whitlock, Sheather e Baermann-Moraes. A prevalência de animais positivos para pelo menos uma espécie de parasito foi de 16,5 % (22/133) e a prevalência específica para cada grupo de hospedeiros positivos foi de: 100% (1/1) em dasipodídeos, 100% (1/1) em herpestídeos, 50% (1/2) em camelídeos, 21,1% (15/71) em primatas, 20% (1/5) em procionídeos, 13,6% (3/22) em felídeos e 0% em outros grupos (tapirídeos, canídeos, roedores, taiassuinídeos, cervídeos, proboscídeos, mustelídeos, artiodactilídeos, suinídeos, otarídeos, erinaceomorfos, mirmecofagídeos e quirópteros). Das amostras positivas, foram encontrados ovos e larvas de nematóides da Superfamília Rhabdiasoidea em 36,4% (8/22), ovos da Superfamília Ascaroidea em 31,8% (7/22), ovos da Superfamília Trichuroidea em 4,5% (1/22) e ovos da Superfamília Strongyloidea em 4,5% (1/22). O parasitismo por pentastomídeos (subClasse Pentastomida) apresentou prevalência de 4,5 % (1/22) e por acantocéfalos (Filo Acantocephala) 4,5% (1/22).  Cistos ou trofozoitas de protozoários (Reino Protozoa) não foram encontrados.


Palavras-chave


Mamíferos selvagens, exame coproparasitológico, zoológico, cativeiro, doenças parasitárias.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV