EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERAÇÃO DE RESÍDUOS: A VISITAÇÃO NA PRAIA BRAVA DE BOIÇUCANGA – PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR, NÚCLEO DE SÃO SEBASTIÃO/SP

Larissa Garcia de Almeida, Fernando Protti Bueno

Resumo


A categoria parques de unidades de conservação, ao mesmo tempo que busca preservar a natureza, permite seu uso indireto. Destes, a visitação turístico-recreativa, mesmo que apenas contemplativa, ocasiona impactos. Nesse sentido, a educação e interpretação ambiental buscam formas de minimizar tais impactos, dentre estes a geração de resíduos. Diante disso, a presente pesquisa teve por objetivo identificar as ações de educação ambiental desenvolvidas no Parque Estadual da Serra do Mar – Núcleo de São Sebastião, de modo a buscar minimizar os impactos gerados pela visitação na Praia Brava de Boiçucanga, especificamente aqueles vinculados a geração de resíduos. A metodologia contou com estudo bibliográfico e documental para maior entendimento do objeto de estudo e na elaboração dos instrumentos. Foram realizadas observações in loco por meio de roteiros do espaço, estrutura e elementos presentes na trilha de acesso à Praia Brava (placas informativas e interpretativas) e do comportamento do visitante na trilha e na praia e, posteriormente, se realizou entrevista estruturada junto ao gestor do Parque. Notou-se que há poucas placas interpretativas e informativas na trilha e estas não atuam de modo eficiente, sendo que há ausência de lixeiras, o que supostamente pode interferir no comportamento do visitante. Entende-se que a maior parte do lixo presente na praia é proveniente do mar, no entanto, há visitantes que deixam o lixo na areia ou próximo à mata. Por fim, o Parque utiliza as placas e a entrega de folhetos como forma de educação e interpretação ambiental para minimizar os impactos causados, especificamente a geração de resíduos.


Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Silvio M. Turismo e unidades de conservação no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, 1, 1997, Curitiba. Anais. Curitiba: Iap: Unilivre, 1997. v. 2, p. 298 – 303.

BRASIL. Lei Federal n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, DF.

BRASIL. Lei n° 9.795, de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Ministério do Meio Ambiente, Brasília, 1999.

DELGADO, Jesus. A interpretação ambiental como instrumento para o ecoturismo. In: SERRANO, Célia (Org.). A educação pelas pedras: ecoturismo e educação ambiental. São Paulo: Chronos, 2000. p. 155-169.

FUNDAÇÃO FLORESTAL. Parque Estadual da Serra do Mar – Núcleo de São Sebastião. Imprensa oficial, [?a].

FUNDAÇÃO FLORESTAL. Praia Brava. Imprensa oficial [?b].

GIRALDELLA, Heloana; NEIMAN, Zysman. Planejamento e gestão em áreas naturais protegidas. In: NEIMAN, Zysman; RABINOVICI, Andréa (Org.). Turismo e meio ambiente no Brasil. Barueri: Manole, 2010. p. 124-148.

GUIMARÃES, Mauro. A dimensão ambiental na educação. 11. ed. Campinas: Papirus, 2013.

HAM, Sam H. Interpretacion ambiental: una guia práctica para gente com grandes ideas y presupuestos pequeños. North American Press, 1992.

HENRIQUES, Jayme Henrique Pacheco. Ecoturismo, corredores ecológicos e unidades de conservação: O estudo de caso do projeto corredores ecológicos no Espírito Santo. In: COSTA, Nadja Maria Castilho da; NEIMAN, Zysman; COSTA, Vivian Castilho da. Pelas trilhas do ecoturismo. São Carlos: Rima, 2008. p. 233-245.

LECHNER, Larry. Planejamento, implantação e manejo de trilhas em unidades de conservação. Cadernos de conservação. Curitiba: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. v. 3, n. 3, p. 01-125, jun. 2006.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia cientifica. 6 ed. São Paulo: Editora Atlas, 2009.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. 7 ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

NEIMAN, Zysman. Ecoturismo e educação ambiental em unidades de conservação: a importância da experiência dirigida. In: COSTA, Nadja Maria Castilho da; NEIMAN, Zysman; COSTA, Vivian Castilho da (Org.). Pelas trilhas do ecoturismo. 2. ed. São Carlos: Rima, 2008. p. 33-49.

PÁDUA, Suzana Machado. Educação ambiental em unidades de conservação. In: MARIA OLATZ CASES (Brasília); WWF-Brasil/IPÊ-Instituto de Pesquisas Ecológicas (Org.). Gestão de unidades de conservação: compartilhando uma experiência de capacitação. Brasília: Áttema Editorial, 2012. p. 201-210.

PHILIPPI JUNIOR, Arlindo; MAGLIO, Ivan Carlos. Política e gestão ambiental: conceitos e instrumentos. In: PHILIPPI JUNIOR, Arlindo; PELICIONI, Maria Cecília Focesi. Educação ambiental e sustentabilidade. Barueri: Manole, 2005. p. 217-256.

PIRES, Paulo do Santos (Ed.). Turismo e meio ambiente: relação de interdependência. In: PHILIPPI JUNIOR, Arlindo; RUSCHMANN, Doris Van de Meene (Org.). Gestão ambiental e sustentabilidade no turismo. Barueri: Manole, 2010, p. 03-29.

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE (SMA). Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra do Mar. Secretaria do Meio Ambiente. Instituto Florestal, Divisão de Reservas e Parques Estaduais. São Paulo, SMA, 2006.

VASCONCELLOS, Jane Maria de O. Educação e interpretação ambiental em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, v. 3, n. 4. Curitiba: Fundação Boticário de Proteção à Natureza. v. 3, n. 4, p. 01-86, dez. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.