Sociologia e História: uma historiografia das epistemologias do Sul

Arthur Harder Reis

Resumo


Objetivo no presente ensaio pensar a historiografia a partir das considerações de Sousa Santos e as  epistemologias do sul, em que o conhecimento está sujeito aos interesses do presente em transformar a (des)ordem social em que vivemos. Para tanto, recorro ao conceito de passado prático discutido por Hayden White. Verificou-se que a História, por muito tempo supostamente científica e neutra, pode desempenhar um papel importante para transformar o mundo em que vivemos, na medida em que busca a produção do conhecimento orientado por demandas de grupos oprimidos hodiernamente.  


Palavras-chave


Epistemologias do Sul; Historiografia; Passado Prático.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA, Arthur Lima de. (Re)Politizando a teoria da história em tempos de exceção: Hayden White e a crítica do presente. Artcultura, v. 20, n. 37, p. 21 - 35, 12 dez. 2018a. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2019.

_____________. Indisciplinando a historiografia: do passado histórico ao passado prático, da crise à crítica. Revista maracanan, Rio de Janeiro, v. 1, n. 18, p.35-49, dez. 2018b.

Disponível em . Acesso em: 28 jun. 2019.

_____________. O fim da história e o fardo da temporalidade. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 25, p.243-266, 29 nov. 2018c. Universidade do Estado de Santa Catarina. http://dx.doi.org/10.5965/2175180310252018243. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2019.

_____________. Qual passado usar? A historiografia diante dos negacionismos (artigo). In: Café História – história feita com cliques. Disponível em: /. Publicado em: 29 abr. 2019. Acesso em: 04 mai. 2019.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n. 11, p. 89-117, Aug. 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-33522013000200004.

CAMPOS, Deivison. Práxis teórica e práxis metodológica: a complexidade da oralidade na pesquisa dos Movimentos Negros. In: BARROSO, V; ÁVILA, E; BOROWSKI, L. (Orgs). História Oral: Democracia, Direitos e Diversidade. 1ed. Porto Alegre: ISCMPA, 2018. v. 1, p.108. p. 45-58.

CHARTIER, R. A história ou a leitura do tempo. Tradução do original espanhol de Cristina

Antunes. 2º ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. 77 p.

DE OTO, Alejandro. La analogía colonial. Tabula Rasa, Colômbia, Bogotá, n. 29, p.19-36, 1 jul. 2018. Colegio Mayor de Cundinamarca. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2019.

http://dx.doi.org/10.25058/20112742.n29.02.

FOCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 24° ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014. 74 p.

FREIRE, Paulo. Educação como prática de liberdade. 14 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011. 189 p.

____________. Pedagogia do oprimido. 65 ed. São Paulo/ Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018. 253 p.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (orgs.) São Paulo: Cortez Editora, 2010. 637 p. pt. 3, cap 13, p. 455-492.

HAN, Byung-chul. Sociedade do cansaço. 2º ed. ampliada. Petrópolis: Vozes, 2017. 128 p.

HEMINGWAY, Ernest. O velho e o mar. São Paulo: Círculo do livro, 1980. 117 p.

HUYSSEN, Andreas. Passados presentes: mídia, política, amnésia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000. 116 p.

ORWELL, George. A política e a língua inglesa. In: SUZUKI JR., Matias (org.). Como morrem os pobres e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. 414 p. pt. 2, p. 142-161.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez Editora, 2010. 637 p. pt. 3, cap. 11, p. 396-444.

MALERBA, Jurandir. Acadêmicos na berlinda ou como cada um escreve a História?: uma reflexão sobre o embate entre historiadores acadêmicos e não acadêmicos no Brasil à luz dos debates sobre Public History. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 7, n. 15, 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2019.

MATTOS, Hebe et al. Por uma história pública dos africanos escravizados no Brasil. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 27, n. 54, p.255-273, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2019.

MBEMBE, Achille. O sujeito racial. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014. 306 p.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/ Projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003. 505 p.

NICOLAZZI, Fernando. Muito além das virtudes epistêmicas. O historiador público em um mundo não linear. Revista Maracanan, [s.l.], n. 18, p.18-34, 16 jan. 2018. Universidade de Estado do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2019.

http://dx.doi.org/10.12957/maracanan.2018.31121.

PATERMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993. 347 p.

PIZA, Suze de Oliveira; PANSARELLI, Daniel. Sobre a descolonização do conhecimento: a invenção de outras epistemologias. Estudos de Religião, São Paulo, v. 26, n. 43, 25-35, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2019.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. 447 p.

QUÍJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul: Cortez Editora, 2010. 637 p. pt.1, cap. 2, p. 84-131.

RICUPERO, Benardo. Posfácio: História e política em Formação do Brasil contemporâneo. In: PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Pauo: Companhia das Letras, 2011. 447 p. p. 419-431.

RUFER, Mario. La temporalid como política: nación, formas de pasado y perspectivas poscoloniales. Memória social, v. 14, n. 28, 2010. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2019.

____________; CATELLI, Laura; OTO, Alejandro de. Introducción: pensar lo colonial. Tabula Rasa, Colômbia, Bogotá, n. 29, p.11-18, 1 jul. 2018. Colegio Mayor de Cundinamarca. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2019. http://dx.doi.org/10.25058/20112742.n29.01.

RÜSEN, Jörn. Narração histórica: fundações, tipos, razão. In: MALERBA, Jurandir (org.). História e Narrativa – a ciência e arte da escrita histórica. Petrópolis: Vozes, 2016. 308 p.

SANTOS, Boaventura. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019. 478 p.

__________________. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez Editora, 2010. 637 p. pt. 1, cap. 1, p. 31-84.

SANTOS, Emanuelle; SCHOR, Patricia. Brasil, estudos pós-coloniais e contracorrentes análogas: entrevista com Ella Shohat e Robert Stam. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 701-726, Aug. 2013.

Disponível em: .

Acesso em: 23 set. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2013000200020.

SCOTT, Joan. História das mulheres. In: BURKE, Peter (org). A escrita da história, novas perspectivas. São Paulo: Editora da Unesp, 1992. 354 p. p. 63-97.

WHITE, Hayden. O passado prático. Artcultura, [s.l.], v. 20, n. 37, p.9-19, 12 dez. 2018. EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlandia. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2019.

http://dx.doi.org/10.14393/artc-v20-n37-2018-47235


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Arthur Harder Reis