DRAMATIZAÇÃO, RESPONSABILIZAÇÃO E APROVAÇÃO: Enquadramentos do Jornal Nacional na semana do decreto de intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro

Luana Machado Rosales

Resumo


Este trabalho aborda os enquadramentos utilizados no Jornal Nacional (JN) a respeito da violência no Rio de Janeiro e da intervenção federal na segurança pública do estado. O objetivo geral é compreender quais foram esses enquadramentos, verificando também, de forma específica, o espaço conferido à temática na grade do JN, os formatos nos quais os conteúdos foram apresentados, a natureza das fontes utilizadas nas matérias e qual é o seu papel nas narrativas, além de relacionar os enquadramentos encontrados com os conceitos de violência e segurança pública. Levando em conta o contexto midiático e imagético, o referencial teórico traz as definições de televisão, telejornalismo, Jornal Nacional, enquadramento, violência e segurança pública. O método utilizado é a Análise de Conteúdo, tendo como corpus as matérias exibidas no telejornal entre os dias 12 e 16 de fevereiro de 2018, semana do decreto de intervenção federal. Analisando-as de forma qualitativa e quantitativa, a pesquisa chega às inferências de três enquadramentos principais utilizados pelo JN: dramatização da violência urbana, responsabilização das autoridades locais e aprovação da medida interventora.

Palavras-chave


Enquadramento; Jornal Nacional; Violência; Intervenção federal; Rio de Janeiro

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Ana Paula Goulart de; AZEVEDO, Sandro Torres de. A construção da notícia e o telejornalismo apócrifo: uma investigação sobre a agenda dos acontecimentos. Mídia e Cotidiano, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 83-96. 2013. Disponível em: https://goo.gl/SQyQkD. Acesso em: 08 jun. 2019.

ANTUNES, Elton. Equadramento: considerações em torno das perspectivas temporais para a notícia. Galáxia, São Paulo, nº 18, p.85-99. 2009. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/galaxia/article/view/2641. Acesso em: 08 jun. 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BEDENDO, Ricardo. Segurança Pública e Jornalismo: desafios conceituais e práticos no século XXI. Florianópolis: Insular, 2013.

BIERHALS, Fernanda Oliveira. Enquadramentos da cobertura do assassinato de Marielle Franco no Jornal Nacional. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Jornalismo) – Unidade Acadêmica de Graduação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2018.

BRISTANE, Luciana; BACELLAR, Luciane. Jornalismo de TV. 2. ed. 1ª reimpr. São Paulo: Contexto, 2008.

CARVALHO, Carlos Alberto de. Sobre limites e possibilidades do conceito de enquadramento jornalístico. Contemporânea: revista de comunicação e cultura, Savador, v. 7, n.2, 2009. Disponível em: https://goo.gl/K5K4qY. Acesso em: 27 fev. 2019.

CARVALHO, Maria Alice Rezende de. Violência no Rio de Janeiro: uma reflexão política. In: PEREIRA, Carlos A. Messeder (org.). Linguagens da violência. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. p. 47-74.

COUTINHO, Iluska. Telejornalismo como serviço público no Brasil: reflexões sobre o exercício do direito à comunicação no Jornal Nacional/TV Globo. In: VIZEU, Alfredo; PORCELLO, Flávio; COUTINHO, Iluska. 40 anos de telejornalismo em Rede Nacional. Florianópolis: Insular, 2009. p. 65-79.

COUTINHO, Iluska. Telejornalismo: a TV como meio de informação. In: COUTINHO, Iluska. Dramaturgia do telejornalismo: a narrativa da informação em rede e nas emissoras de televisão de Juiz de Fora-MG. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012. p. 41-79.

COUTINHO, Iluska. Televisão: referências para estudo. In: COUTINHO, Iluska. Dramaturgia do telejornalismo: a narrativa da informação em rede e nas emissoras de televisão de Juiz de Fora-MG. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012. p. 21-39.

DIAS, Anelise Schutz. A redução da idade penal no jornalismo de referência brasileiro: uma análise dos sentidos sobre segurança pública. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e

Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/132820. Acesso em: 05 jun. 2019.

DIAS, Anelise Schutz; GUIMARÃES, Isabel Padilha. Mídia noticiosa, crime e violência: discussões teóricas. Sistema Penal & Violência, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 280-291, jul.-dez. 2014. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/sistemapenaleviolencia/article/view/18645/0. Acesso em: 06 jun. 2019.

DIAS, Anelise Schütz; MORIGI, Valdir José. Segurança pública em Porto Alegre: uma análise dos eixos-temáticos e das fontes mais recorrentes na cobertura dos jornais impressos Zero Hora e Correio do Povo. Rizoma, Santa Cruz do Sul, v. 3, n. 2, p. 76-89. dez. 2015. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/rizoma/article/view/6628. Acesso em 06 jun. 2019.

ETCHICHURY, Carlos. A violência na mídia: um estudo de caso sobre a cobertura da criminalidade pela imprensa no RS. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/4697. Acesso em: 06 jun. 2019.

FONSECA JÚNIOR, Wilson Corrêa da. Análise de Conteúdo. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação, 2 ed. São Paulo: Atlas, 2006. p. 280-304. E-book. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788522474400. Acesso em: 06 jun. 2019.

FRANCISCATO, Carlos. O jornalismo e a reformulação da experiência do tempo nas sociedades ocidentais. Brazilian Journalism Research. Brasília, v. 10, n. 2, p. 96-123. 2014. Disponível em: https://goo.gl/2rdaFk. Acesso em: 06 jun. 2019.

GADRET, Débora Thayane de Oliveira Lapa. Os enquadramentos de Dilma Rousseff no Jornal Nacional: suspeição, humanização e competência. 2011. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, PortoAlegre, 2011.

GÓES, José Cristian; FRANCISCATO, Carlos. Contribuições da teoria do enquadramento para compreender o sensacionalismo no jornalismo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 35. 2012, Fortaleza. p. 1-15. Anais eletrônicos [...]. São Paulo: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2012. Disponível em: https://www.monografias.ufs.br/bitstream/riufs/1855/1/EnquadramentoSensacionalismoJornalismo.pdf. Acesso em: 08 jun. 2019.

GUTMANN, Juliana Freire. O que dizem os enquadramentos de câmera no telejornal?: Um olhar

Brazilian Journalism Research, Brasília, v. 8, n. 2, p. 64-79. 2012. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/422. Acesso em: 06 jun. 2019.

LOEBLEIN, Daniela Fogaça. Técnicas para TV. 1ª impressão. Curitiba: Intersaberes, 2017. E-book. Disponível em: https://bv4.digitalpages.com.br/?page=-1&section=0#/legacy/9788559726053. Acesso em: 06 jun. 2019.

PORCELLO; Flávio. O impacto dos avanços tecnológicos e a evolução do discurso do poder na TV. In: VIZEU, Alfredo; PORCELLO, Flávio; COUTINHO, Iluska. 40 anos de telejornalismo em Rede Nacional. Florianópolis: Insular, 2009. p. 55-64.

PORTO, Maria Stella Grossi. Mídia, segurança pública e representações sociais. Tempo Social, São Paulo, v. 21, n.2, p. 211-233. 01 jan. 2009. Disponível em: https://goo.gl/2VPCQP. Acesso em: 06 jun. 2019.

REDE GLOBO. Jornal Nacional. São Paulo: Rede Globo, fev. 2018. Programa de TV.

ROLIM, Marcos. A síndrome da rainha vermelha: policiamento e segurança pública no século XXI. 2 ed. Rio de Janieiro: Jorge Zahar, 2009.

RONDELLI, Elisabeth. Imagens da violência e práticas discursivas. In: PEREIRA, Carlos A. Messeder (org.). Linguagens da violência. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. p. 144-162.

ROTHBERG, Danilo. O conceito de enquadramento e sua contribuição à crítica de mídia. In: CHRISTOFOLETTI, Rogério (org.). Vitrine e vidraça: Crítica de Mídia e Qualidade no Jornalismo. [S. l.]: LabCom, 2010. p. 53-68.

SIQUEIRA, Fabiana Cardoso de. O campo jornalístico na TV: o que está dentro ou fora das fronteiras. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 40. 2017, Curitiba. Anais eletrônicos [...]. São Paulo: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2017. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-3197-1.pdf. Acesso em: 08 jun. 2019.

SOARES, Luiz Eduardo. Uma interpretação do Brasil para contextualizar a violência. In: PEREIRA, Carlos A. Messeder (org.). Linguagens da violência. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. p. 23-46.

SOARES, Murilo César. Representações, jornalismo e a esfera pública democrática. São Paulo: Editora UNESP, 2009. p. 56-66. E-book. Disponível em: http://books.scielo.org/id/kgsw8. Acesso em: 06 jun. 2019.

TEIXEIRA, Alex Niche. A Espetacularização do Crime Violento pela Televisão: O Caso do Programa Linha Direta. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/1538. Acesso em: 06 jun. 2019.

TEMER, Ana Carolina Rocha Pessoa. A mistura dos gêneros e o futuro do telejornal. In: VIZEU, Alfredo; PORCELLO, Flávio; COUTINHO, Iluska. 60 anos de

telejornalismo no Brasil: história, análise e crítica. Florianópolis: Insular, 2010. p.101-124.

TEMER; Ana Carolina R.P.; PIMENTEL, Tatiana Dias. Televisão e internet: interatividade entre as duas mídias e a abertura de um novo espaço para a cidadania. In: VIZEU, Alfredo; PORCELLO, Flávio; COUTINHO, Iluska. 40 anos de telejornalismo em Rede Nacional. Florianópolis: Insular, 2009. p. 173-187.

TRAQUINA, Nelson. A redescoberta do poder do jornalismo: análise da evolução da pesquisa sobre o conceito de agendamento (agenda-setting). In: TRAQUINA, Nelson. O estudo do jornalismo no século XX. São Leopoldo: UNISINOS, 2001.

VIZEU, Alfredo; SIQUEIRA, Fabiana Cardoso. O telejornalismo: o lugar de referência e a revolução das fontes. In: VIZEU, Alfredo; PORCELLO, Flávio; COUTINHO, Iluska. 60 anos de telejornalismo no Brasil: história, análise e crítica. Florianópolis: Insular, 2010, p.83-9


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Luana Machado Rosales