AS CATEGORIAS RELIGIOSAS DA IDEOLOGIA NA CONSTRUÇÃO DO PODER TOTALITÁRIO

João Adail Camargo Luiz

Resumo


O presente trabalho visa analisar as aproximações feitas por Hannah Arendt entre ideologia e religião, conforme apresentado pela autora em Origens do Totalitarismo (2012) e em um texto presente em A Dignidade da Política (1993), chamado “Religião e Política”. Além disso, procura analisar a relação entre ideologia e terror na construção da máquina totalitária. Para tanto, utilizamos de uma leitura comparativa das obras, com auxílio de outros textos da mesma autora, fontes históricas sobre a ascensão do nazismo na Alemanha e suas estratégias políticas, bem como de sua constituição enquanto domínio total da massa impedida de ação política. Dentre as aproximações feitas por Arendt (2012, 1993), destacamos as noções de visão messiânica do líder, como um libertador e guia da massa, e o Inferno enquanto instrumento de dominação pelo medo da danação eterna. Logo, apesar da não identificação entre ideologia e religião, revelam-se os caracteres teológico-políticos na ideologia mediante a utilização de categorias religiosas para controle e manutenção do poder.


Palavras-chave


Ideologia. Religião. Totalitarismo. Teologia Política.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMOND, M. O Livro de Ouro das Revoluções: Movimentos políticos que mudaram o mundo. 2.ed. Rio de Janeiro: HarperCollins Brasil, 2016. 256p.

ANDERY, F. R. Dicionário de Termos Religiosos. Holambra: Editora Setembro, 2015. 228p.

ARENDT, H. A Condição Humana. Trad. Roberto Raposo. 13. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2016. 405p.

___________. Entre o Passado e o Futuro. Trad. Mauro W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2016. 348p. (Coleção Debates).

___________. Homens em Tempos Sombrios. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. 313p. (Coleção Companhia de Bolso).

___________. Religião e Política. In A Dignidade da Política: Ensaios e conferências. Org. Antônio Abranches. Trad. Helena Martins et al. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993. p. 55-71.

___________. Origens do Totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 827p. (Coleção Companhia de Bolso).

___________. Totalitarian Imperialism: Reflections on the Hungarian Revolution. In The Journal of Politics. Vol. 20, No. 1. Cambridge: Cambridge University Press, 1958. pp. 5-43.

BOBBIO, N. As Ideologias e o Poder em Crise. Trad. João Ferreria. Brasília: Editora UnB, 1988. 250p.

_________. Quinze anos depois. Trad. Liliana Laganá e Ivan Neves Júnior. Separata de: Revista USP. mar.-abr.-mai 2004. p. 228-231.

ECCEL, D. Hannah Arendt e o problema da secularização na fundação de novos corpos políticos. Separata de: Trans/Form/Ação, Marília, v. 41, n. 2, pp. 119-136, Abr/Jun., 2018.

FEST, J. Hitler. Trad. Ana Lúcia Teixeira Ribeiro et. al. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1976. 1028p.

JARDIM, E. Hannah Arendt: Pensadora da crise e de um novo início. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. 160p.

LAFER, C. Hannah Arendt: Pensamento, persuasão e poder. São Paulo: Paz e Terra, 2018. 350p.

PLATÃO. A República. Trad. J. Guinsburg. 2. vol. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1965. 281p.

PLATÃO. Diálogos: O Banquete – Fédon – Sofista – Político. Trad. José Cavalcante de Souza, Jorge Paleikat e João Cruz Costa. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. 440p. (Coleção Os Pensadores).

SOUKI, N. Hannah Arendt e a banalidade do mal. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998. 152p.

UNITED STATES HOLOCAUST MEMORIAL MUSEUM. Pogroms. In Holocaust Encyclopedia. Disponível em . Acessado em 10 de junho de 2019.

ZAFFARONI, E. R. Doutrina penal nazista: a dogmática penal alemã entre 1933 a 1945. Trad. Rodrigo Murad do Prado. Florianópolis: Tirant lo Blanch, 2019. 258p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 João Adail Camargo Luiz, Douglas Ferreira Barros