Linfocitose extrema associada à leucemia linfoblástica aguda (LLA) de células T em um cão jovem: relato de caso

Gabriele Barros Mothé, Paloma Helena Sanches da Silva, Sabrina Destri Emmerick Campos, Victor Nowosh, Nayro Xavier de Alencar

Resumo


A leucemia linfoblástica aguda (LLA) é uma enfermidade de origem linfóide e consiste na proliferação de células neoplásicas na medula óssea. O objetivo desse trabalho é relatar o caso de um cão macho, sem raça definida, de apenas um ano de idade, atendido no Hospital Universitário de Medicina Veterinária Prof. Firmino Mársico Filho (HUVET) da Universidade Federal Fluminense (UFF) com queixa principal de inapetência e diarreia há três dias e que foi diagnosticado com essa neoplasia por meio da sintomatologia clínica, resultados do hemograma e do mielograma. O paciente apresentava valores exacerbados de linfócitos (553.094 células/ µL), além de anemia, trombocitopenia, hipoalbuminemia e elevação da atividade das enzimas fosfatase alcalina e ALT. Foram observadas manchas de Gümprecht, linfócitos atípicos apresentando anisocitose, anisocariose, intensa basofilia citoplasmática e monócitos ativados. O mielograma apresentou também um aumento de linfócitos e contagem de linfoblastos superior a 30% na medula, confirmando o diagnóstico de leucemia linfoblástica aguda. Ademais, posteriormente, foi realizado exame de Reação em Cadeia de Polimerase (PCR) para rearranjos de receptores de antígenos e foi detectado clonalidade para linfócitos T. O animal foi submetido à quimioterapia (protocolo com ciclofosfamida, vincristina e prednisona) mas não resistiu à gravidade do quadro, vindo a óbito após a primeira sessão, pouco tempo após o diagnóstico. 


Palavras-chave


linfócitos atípicos, linfócitos T, mielograma, PCR para rearranjos de receptores de antígenos

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV