Larvas de anisakideos em Pagrus pagrus (L.) e seu controle através de baixas temperaturas

Sergio Carmona São Clemente, Claudia Maria Antunes Uchoa, Nicolau Maués Serra Freire

Resumo


Em 1 00 exemplares de Pagrus pagrus examinados, pescadosno litoral dos Estados do Rio de ·Janeiro e EspíritoSanto. Brasil, 88% achavam-se parasitados por larvas deanisakideos. Nos 16 primeiros peixes necropsiados paraevidenciação do parasitismo, observou-se que 100% estavamparasitados pelo gênero Contracaecum, 65% pelo gê- .nero Raphidascaris 44% pelo gênero Phocanema e 44%pelo gênero Terranova. Cinqüenta e um peixes foram mantidosà temperatura de refrigeração (0°C) por 120 horas. Aofinal deste tempo 68,37% dos parasitos morreram. Trinta etrês peixes foram colocados à temperatura de -15°C. Apósduas horas de exposição à temperatura de -2,9°C todas aslarvas coletadas encontravam-se mortas. A localização dosparasitas estava restrita às serosas das vísceras e serosasabdominais.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV