A cintilância do espaço

Grazielle Katyane dos Santos Silva

Resumo


Neste artigo, apresentamos uma análise da espacialidade do livro Os guardachuvas cintilantes (1984), da escritora portuguesa Teolinda Gersão. Trata-se de uma obra que nos conduz a uma perspectiva de análise que visa problematizar o gênero diário por meio de um trabalho textual que coloca em questão as tradicionais noções da narrativa, peculiares ao gênero diário. Em Os guardachuvas cintilantes há a tentativa de destruir a temporalidade linear e criar uma outra medida de temporalidade que se baseia em motivos lúdicos. A configuração da espacialidade, por sua vez, cruza o tempo e, assim, torna-se móvel e instável. Observa-se na obra a existência de múltiplos espaços: um espaço onírico, um espaço material e um espaço simbólico.


Palavras-chave


espacialidade, Os guarda-chuvas cintilantes, Teolinda Gersão

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/abriluff.v2i2.29821

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 1984-2090 (online)


Indexado em:

Periódicos UFF

Latindex Periódicos CapesDiadorimSumarios.org EZBABECLivreSHERPA-RoMEO MLADialnet


Licença Creative Commons
A Revista Abril utiliza uma licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional (CC BY-NC 4.0).