O sagrado em Estórias Abensonhadas de Mia Couto

Fernando Crespim Zorrer da Silva

Resumo


Em Estórias Abensonhadas, o autor moçambicano Mia Couto procura re-cuperar a tradição cultural através de personagens que são envolvidos por situações-limite em suas vidas. Entre os contos do livro, “Nas águas do tempo” destaca-se por apresentar traços tanto do profano como do sagrado que são peculiares às narrativas míticas. No enredo, o ser divino deve ser respeitado a fim de que não se rompa a unidade mantida com o homem e, deste modo, não se abale a ordem do mundo.

---

DOI: http://dx.doi.org/10.21881/abriluff.2016n17a360


Palavras-chave


Mia Couto; sagrado e profano; literatura africana.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/abriluff.v8i17.29907

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 1984-2090 (online)


Indexado em:

Periódicos UFF

Latindex Periódicos CapesDiadorimSumarios.org EZBABECLivreSHERPA-RoMEO MLADialnet


Licença Creative Commons
A Revista Abril utiliza uma licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional (CC BY-NC 4.0).