Jerusalém de Gonçalo M. Tavares: romance-investigação sobre o mal

Celina Maria Martins

Resumo


O romance Jerusalém é uma reflexão profunda sobre o mal que se propaga como uma pulsão destruidora, revestindo os dispositivos disciplinares do poder-saber que alienam. Baseado na pedagogia da catástrofe de Sloterdijk e na intertextualidade que articula a reescrita do campo de concentração nazista e da Bíblia, o texto interroga a evolução do horror e o enigma da esquizofrenia de Mylia, que desconstrói os fundamentos da psiquiatria, na esteira de Foucault. Ganhando os contornos do ensaio, a ficção recorre ao pensamento de Arendt para criar consciência crítica no leitor. A loucura é a alegoria da decadência dos valores éticos e a lucidez de uma demanda plural de significado a partir da afirmação da memória criadora do passado.

 

---

DOI: http://dx.doi.org/10.22409/abriluff.2017n19a422

 


Palavras-chave


Gonçalo Tavares; investigação; mal; loucura; Foucault; Arendt.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/abriluff.v9i19.29936

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 1984-2090 (online)


Indexado em:

Periódicos UFF

Latindex Periódicos CapesDiadorimSumarios.org EZBABECLivreSHERPA-RoMEO MLADialnet


Licença Creative Commons
A Revista Abril utiliza uma licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional (CC BY-NC 4.0).