A criança como outroridade: jogo ficcional e poética da temporalidade em Alfredo Garcia e Ondjaki

Tânia Sarmento-Pantoja

Resumo


O estudo apresenta a análise das narrativas “Quixote” (conto) e Bom dia, camaradas (romance), respectivamente de Alfredo Garcia e Ondjaki, com vistas a estabelecer algumas diretrizes encontradas em narrativas que reúnem um protagonista-narrador cuja perspectiva é a do indivíduo na infância, em associação com processos recordativos que implicam o jogo entre história e ficção, relacionado às figurações da violência de estado.

---

DOI: http://dx.doi.org/10.22409/abriluff.2018n20a457


Palavras-chave


Narrativa; Infância; Memória; História; Alfredo Garcia; Ondjaki.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/abriluff.v10i20.29958

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 1984-2090 (online)


Indexado em:

Periódicos UFF

Latindex Periódicos CapesDiadorimSumarios.org EZBABECLivreSHERPA-RoMEO MLADialnet


Licença Creative Commons
A Revista Abril utiliza uma licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional (CC BY-NC 4.0).